Recomeçar – Capítulo 3

Recomeçar – Capítulo 3

12/01/2018 Chamadas No ar Recomeçar Web Novela 0

Cena 01: Imobiliária Vieira Magalhães / Sala da Presidência – Dr. Roberto.

 

Roberto: -Ficamos só isso por hoje. Tem mais alguma dúvida? Sei que no início parece complicado, mas tenho certeza que aos poucos você vai se acostumar.

Leonardo: -Nenhuma dúvida por hora, Dr. Roberto. Eu vou pra minha sala. –disse levantado.

De repente Ulisses adentra na sala e diz sério:

-Desculpa, eu volto outra hora.

Leonardo: -Eu já estava de saída. –ele se aproxima da porta enquanto Ulisses o encarava.

Roberto: -Entre Ulisses o que você quer?

Ulisses após ver Leonardo saindo da sala se voltou com o pai com ira dizendo em voz alta:

-Eu quero uma explicação! Porque colocou o Leonardo na vice-presidência e não eu que sou seu filho?! Responda! –ele deu um soco na mesa e encarava o pai.

 

 

Cena 02: Grajaú / Colégio Sagrado Coração de Jesus / Sala de aula dos quadrigêmeos.

 

 

Carla: -É um absurdo! –ela começou a chorar. –Como é possível existir crianças tão preconceituosas?

Simone: -Calma, Carla. Eu te disse para que você não fosse pega de surpresa. Infelizmente o preconceito não vem das crianças e sim dos pais ou responsáveis.

Carla: -Precisamos fazer alguma coisa. O Joaquim tá sofrendo.

Simone: -Eu já conversei com os pais desse coleguinha que o provocou hoje, mas pouco deram atenção acharam que era brincadeira de criança.

Carla: -Qual seria outra opção?

Simone: -Eu conversei com a diretora sobre o caso. Ela decidiu que fará uma reunião de pais e mestres no final do semestre e iremos abordar o assunto.

Carla: -Enquanto isso meu filho vai ficar sofrendo bullying dos coleguinhas?

Simone: -Carla, espero que entenda que essa situação é muito complicada e estou tentando o máximo como professora conduzir da melhor forma. Peço que tenha paciência.

 

 

Cena 03: Imobiliária Vieira Magalhães / Sala da Presidência – Dr. Roberto.

 

 

Roberto: -Abaixa esse tom de voz quando for falar comigo! –ele se levanta e falando em voz alta. –Parece um moleque mimado.

Ulisses: -Eu exijo que me fale, porque não eu? Vai colocar a nossa empresa nas mãos daquele pobretão? Minha mãe se estivesse viva estaria decepcionada.

Roberto: -Eu escolhi o Leonardo por ele ser o profissional mais competente e experiente para o cargo de vice-presidente. Não é nada contra você meu filho.

Ulisses: -Nada contra mim? –disse irônico. –Fala a verdade aqui olhando na minha cara que o senhor nunca gostou de mim. Que me culpa pelo que aconteceu.

Roberto: -Mentira! –gritou irritado. –Você não sabe o que tá dizendo. Entenda que aqui estamos numa empresa. Eu sou seu chefe e você é mais um funcionário. Só pelo seu atrevimento eu podia era te demitir.

Ulisses: -Muito bem, Dr. Roberto. –disse aplaudindo com ironia. –Conseguiu o que tanto queria. Quer me demitir, vai me demita e assume de uma vez que me odeia.

Roberto: -Eu não te odeio, meu filho. –disse tentando se acalma. –Por favor, eu peço que saia. –disse se sentando na cadeira exausto.

Ulisses ficou em silêncio, encarou o pai e saiu da sala batendo a porta com força.

 

 

Cena 04: Grajaú / Casa de Carla e Mateus / Varanda.

 

 

Os quadrigêmeos entram correndo, gritando e abraçando o pai:

-Papai!

Mateus: -Oi meus amores. Minhas princesinhas. –ele coloca as três nos braços e lhe dava beijos no rosto, na cabeça e depois faziam cocegas.

As meninas gargalhavam e diziam:

-Para papai! Tá fazendo cocegas! Para!

Mateus descia as meninas dos braços e depois passou a mão na cabeça de Joaquim que estava sério e lhe pergunta:

-Como foi a aula, campeão?

Joaquim ficou em silêncio e entrou emburrado dentro de casa enquanto Mateus ficou sem entender aquela reação do filho e perguntou a esposa:

-O que houve?

Carla: -Meninas vão entrando que a mamãe já vai colocar o almoço na mesa. –disse séria.

Mateus: -O que houve, meu amor? –disse se agachando ficando de frente para ela.

Carla: -O Joaquim não teve um dia bom na escola.

Mateus: -Como assim?

Carla: -Mateus. –ela respira fundo. –Nosso filho tá sofrendo bulliyng na escola.

Mateus: -Mas porquê? –disse indignado.

Carla: -Porque…porque ele tem uma mãe cadeirante. –disse chorando.

Mateus: -Não, isso não é possível. –disse sentido e abraçando.

Carla: -Me doí saber que meu filho tá sofrendo por mim. –ela chorava.

Mateus: -Ei. –ele olha nos olhos dela. –Nosso filho não tá sofrendo por causa de você. Não se culpe.

Carla: -Eu não quero que meus filhos sofram por minha causa. Às vezes me sinto insegura por estar presa nessa cadeira e não poder ajuda-los ou cria-los como uma mãe normal.

Mateus: -Que bobagem você tá dizendo, Carla. Você é uma mãe como as outras. Não é pelo fato de estar na cadeira de rodas que muda o seu amor e cuidados com os nossos filhos.

Carla: -Não sei mais o que pensar. Tudo que estar acontecendo comigo é muito difícil. Eu era uma pessoa livre e agora depois daquele acidente fiquei presa nessa cadeira de rodas. Não quero pensar que minha a vida acabou. –dizia chorando.

 

-Inicia a trilha sonora : Aleluia-

 

Mateus: -Sua vida não acabou, Carla. Tenha fé, não perca a esperança. Você sabia que podia nem estar entre nós. –ele segura nas mãos dela.

Carla: -Eu sei que eu ter sobrevivido aquele acidente foi um milagre. Deus me deu uma segunda chance pra estar ao seu lado e cuidando das crianças.

Mateus: -Eu te amo, Carla. E quero que saiba que não quero mais te ver chorando e sim sempre sorrindo. –disse abrindo um largo sorriso.

Carla: -Eu também te amo, Mateus. –ela o beija na boca.

Mateus: -Enquanto ao Joaquim, vamos conversar com ele.

 

-Encerra trilha sonora : Aleluia-

 

De repente Clarissa para na entrada da sala e ver os pais e diz:

-Mamãe, papai, vamos comer?

Carla: -Sim, meu amor. –ela enxuga as lágrimas com as mãos.

 

 

Cena 05: Noite / Copacabana / Restaurante de Luxo / Família Silveira estava reunida jantando numa mesa e comemorando a promoção de Leonardo.

 

 

Heloísa: -Estou tão feliz! Meu marido é vice-presidente da Vieira Magalhães. –ela sorrir e dar um gole num drinque.

Leonardo: -É, já tá ficando metida veja só onde estamos? –disse rindo.

Cauã: -É, aqui só tem granfino, mãe.

Heloísa: -Vocês tem que se acostumar. Não somos mais aquela familiazinha de classe média e sim somos da alta classe. –disse com orgulho.

Leonardo: -Heloísa. –disse advertindo.

Heloísa: -É verdade. Ah! Isso me lembrou os melhores anos da minha vida.

Cauã: -Lá vem a mamãe falando de sua vida de madame.

Leonardo: -Por acaso você não é  feliz depois que deixou de ser modelo e casou comigo? – a perguntou com certa ironia.

Heloísa: -Por favor, Leo. –disse dando um gole de drinque.

Leonardo: -Não me respondeu, Heloísa, mas eu já sei a resposta, afinal sua família foi contra o nosso casamento, pois não aceitavam que a bonequinha deles se cassasse com o moleque da periferia. –disse a provocando.

Heloísa: -Leonardo, vamos parar com essa conversa por aqui. Estamos comemorando a sua promoção, um momento feliz de família e você vem com essas coisas sem sentido. –disse desconcertada.

Leonardo: -Sem sentido? –disse surpreso.

Cauã: -Ei, para aí, vocês vão ficar discutindo no restaurante na minha frente e da Luana?

Leonardo: -Desculpa, eu exagerei. –disse olhando para os filhos e para esposa. –Desculpa meu amor. –ele dar um beijo rápido nela.

Heloísa: -Está bem, esquece. Mudando de assunto. Estava pensando que está na hora da gente se mudar da Tijuca.

Leonardo: -Mudar? Eu gosto de lá.

Cauã: -E onde vamos morar?

Heloísa: -Regina me falou que tem um apartamento de baixo do dela aqui em Copacabana para alugar. Ah! aquele apartamento é um sonho, sempre sonhei morar nele. O que acham? –disse empolgada.

Leonardo: -Por mim podemos dar uma olhada, afinal até seria bom pra mim, pois fica perto do meu trabalho.

Cauã: -E meus amigos? –disse contrariado. –Se eu mudar vai ficar difícil ver a galera.

Heloísa: -Você fará novos amigos.

Leonardo: -E outra coisa hoje a molecada se comunica pelas redes sociais não vai perder o contato.

Cauã: -Sei não, hein. Essa parada tá indo rápida demais. –disse mexendo no celular.

Heloísa: -E o senhor Cauã largue esse celular, pois você estar na mesa com a sua família. Vai, larga.

Cauã: -Não grila, dona Helô, já parei. –disse colocando o celular dentro do bolso da calça.

Leonardo: -E a minha menina porque tá tão calada? –disse olhando para a filha.

Luana: -É que meu dente caiu, oh! –disse mostrando os dentes.

Leonardo: -Uau! –disse pegando no queixo da filha e olhando os dentes dela. –E quando foi isso?

Luana: -Na hora do recreio.

Heloísa: -Por isso que ela não tá querendo falar. –ela pisca o olho para o marido.

Cauã: -É claro, ela tá banguela. –disse rindo e ajeitando o boné sob a cabeça.

Luana: -Não tô banguela! –ela cruza os braços emburrada.

Leonardo: -Cauã. –disse olhando para o filho e o advertindo.

Cauã: -Mas eu só disse a verdade.

Heloísa: -Vem, meu amorzinho, vem aqui. -disse chamado a filha para perto dela.

Luana se levanta e se senta no colo da mãe que dar um beijo na cabeça dela e diz:

-Não fica assim, tá? Mamãe já te disse que seu dentinho vai crescer de novo e não vai mais cair.

Luana: -Eu sei, mas o Cauã e meus coleguinhas ficaram mangando de mim. –disse chorosa.

Leonardo: -Olha só, Helô, veja esse sorriso. –ele faz cara de surpresa e segurava o queixo da filha. –É o sorriso mais lindo que eu já vi.

Heloísa: -É mesmo, Leo, que sorriso lindo.

Luana: -Vocês acham? –disse mais calma.

Heloísa: -Sim, meu amor. –ela dar um beijo no rosto da filha.

Leonardo: -É a menina mais linda desse mundo. –disse beijando a filha do rosto.

Luana abre um sorriso enquanto Cauã diz:

-Nunca vi tanta baboseira junta.

 

 

Cena 06: Noite / Mansão do Dr. Roberto Vieira Magalhães / área externa – piscina / Casal Ulisses e Nanci conversavam na borda da piscina.

 

 

Nanci: -Você não tinha nada que discutir com seu pai, Ulisses. –disse nervosa em pé na frente dele.

Ulisses: -Não tive como segurar. –disse sentado numa espreguiçadeira. 

Nanci: -Me diz como você quer que seu pai e todos da empresa simpatizem ou confiem em você agindo desse modo?

Ulisses: -Às vezes eu tenho vontade de largar tudo.

Nanci: -Largar? –disse surpresa.

Ulisses: -Sim. O que adianta querer que meu pai me aceite?

Nanci: -Não, Ulisses, escuta e pensa: você não pode deixar que um qualquer administre a nossa empresa. É nosso patrimônio!

Ulisses: -Será que vale a pena?

Nanci: -Agindo assim tá parecendo um fraco! É isso? O mundo contra você e o que faz? Vai desistir? Pensei que tivesse me casado com um homem e não com um covarde. –disse saindo furiosa.

 

 

Trilha sonora do capítulo:

 

Cena 04: Trilha sonora : Aleluia – Patrícia Souza

Recomeçar - Abertura - Web Novela

Lyvia Peroba

Escritora.