Vernissage – Capítulo 24

Vernissage – Capítulo 24

VERNISSAGE – CAPÍTULO 24:

CENA 01 – APARTAMENTO DE FERNANDA – NOITE

 

Fernanda acorda e se assusta ao ver Daniel: Daniel? O que você tá fazendo aqui? Não é nada disso que você ta pensando.

Nessa hora, Bruno acorda e se desespera também.

*trilha sonora tensão

 

Daniel: E não estou pensando, Fernanda. Estou vendo! Eu vou acabar com vocês dois!

Bruno se levanta: Calma, seu Daniel, fique calmo… – ele leva um soco na cara.

Daniel: Calma nada, seu vagabundo.

Os dois partem para briga, com socos, empurrões, e Fernanda Fica desesperada. Ela se enfia no meio dos dois e consegue separá-los.

Daniel, ofegante: Sua Vagabunda. Não me procure nunca mais. Nunca mais.

Ele vai saindo e Fernanda o segue.

Fernanda: Daniel, Daniel, espera, por favor, me espera.

Daniel não a ouve e sai, batendo a porta.

Fernanda: Merda! – ela pega um vaso e joga contra a parede e grita, com todo ódio.

Close no olhar vermelho de raiva, de Fernanda.

AMANHECE O DIA EM ESPERANÇA. IMAGEM MOSTRA MOVIMENTAÇÃO NAS RUAS COM CARROS E PESSOAS INDO TRABALHAR.

*Trilha Musical: This Moment – Katy Perry

CENA 02 – APARTAMENTO DE HELENA /HELOÍSA – MANHÃ:

 

João Victor está chegando em casa. Mirella desce as escadas.

Mirella: Ahhh. Achei que não voltaria mais. Encontrou o caminho de casa é?

João: Bom dia pra você também, Mirella.

Ela chega perto dele e começa a farejar. João acha estranho

João: O que você tem, Mirella? Ta me farejando igual um cachorro.

Mirella: João, isso é cheiro de maconha. É isso mesmo? Você tá usando droga?

João: Claro que não, Mirella. Meus amigos usam e o cheiro fica impregnado na gente.

Mirella: Ah João, você pensa que eu sou boba mas eu não sou. Vai dizer que você põe o cigarro na boca dos seus amigos.

João: Ah, Mirella. Não enche o saco. Da minha vida cuido eu. E seu eu tivesse usando? Você não tem nada a ver com isso.

Ele sai e deixa a moça falando sozinha.

 

CENA 03 – APARTAMENTO DE FERNANDA – MANHÃ:

Fernanda está cuidando dos ferimentos de Bruno.

Bruno: Aiii. Vai devagar, ta doendo.

Fernanda: Calma, Bruno. Credo, você é pior que criança. Isso aqui nem arde.

Bruno: Não arde porque não tá em você. Mas e agora, como é que vai ser?

Fernanda: Eu ainda não sei. Só sei que eu não desisti.

Bruno: como, não desistiu? Deu merda pro nosso lado, Fernanda

Fernanda: Deu merda mas ainda não acabou. E eu vou agir. Hoje mesmo eu retomo as rédeas desse jogo.

Bruno: Fernanda, ta pra nascer alguém mais teimosa que você hein.

Fernanda: Determinada, Bruno. Determinada. Quando eu quero algo, eu vou atrás, nem que eu tenha que ir até ao inferno e arrancar das mãos do diabo à força. Mas eu consigo. E vou conseguir.

 

CENA 04 – HOSPITAL ARCANJO MIGUEL – MANHÃ:

Joana e Francisco são chamados pelos médicos:

Joana: Alguma novidade, doutor

Doutor: Sim, dona Joana. Já encontramos compatibilidade entre vocês mesmos e vamos marcar o transplante do Olavo.

Francisco: Ah… Graças a Deus! Fico muito feliz por isso, doutor.

Doutor: Pois é, seu Francisco. E ficará mais feliz ainda em saber que você é o doador compatível.

Francisco, sem acreditar: Sério, doutor? Que Maravilha! Meu Deus eu… Eu não esperava…

*trilha sonora emoção

Doutor: A probabilidade era bem pequena, mas os exames deram positivo para compatibilidade.

Joana: E quando meu filho vai ser operado?

Doutor: O transplante já foi marcado para o próximo mês. Por enquanto, ele passará por umas sessões de quimioterapia para matar as células doentes. Esse procedimento é necessário para que não haja problema na hora de ele receber a nova medula.

Joana: Mas, quimioterapia, doutor? Não é muito agressivo?

Doutor: Ele é um pouco agressivo, mas é necessário, dona Joana.

Francisco: O Olavo está em boas mãos, Joana. Vai dar tudo certo.

Joana: Bom, então, vamos lá, né. Vamos a luta.

 

CENA 05 – APARTAMENTO DE HELENA/HELOISA – MANHÃ

Heloísa está descendo para trabalhar, mas acaba se sentando no sofá, meio entediada. De repente, vem Zoraide da cozinha.

Zoraide: Ainda não foi trabalhar dona Helô.

Heloísa: Não, Zoraide. Como tive que assumir a galeria, pedi demissão da empresa onde trabalhava. Estava saindo agora para a galeria, mas, sei lá, sabe… não to com animo pra ir pra lá.

Zoraide: Essa sua falta de ânimo tem haver com o seu Daniel não é não?

Heloísa: Pois é, Zoraide. É por causa dele sim.

Zoraide: Ta apaixonada por ele né?

Heloísa: Que é isso, Zoraide, ficou louca?

Zoraide: Da pra ver no seu olhar que você ta meio afim dele, dona Helô. E outra, eu acho que você deveria se casar com ele.

Heloísa: Mas nunca! Pensa que eu não sei tudo o que ele fez pra Helena? Se não fosse tudo que ele aprontou, talvez ela estivesse viva hoje.

Zoraide: Mas mesmo assim os seus olhos brilham ao falar dele. Sabe, eu acho que você deveria se casar com ele. Por mais que você não goste dele. Pra realizar a vontade do testamento de sua irmã. Além do mais, seu Daniel vai se tornar um fardo em sua vida.

Heloísa: Pois é. Reparei que ele é bem teimoso e turrão, mesmo. Bom, vou indo lá pra galeria

Zoraide: Pensa no que eu te falei, ta bom.

Heloísa: Ta bom. – ela da um beijo no rosto da patroa. – Tchau, Zoraide.

Heloísa Sai. Zoraide vai pra cozinha continuar os seus serviços.

 

CENA 06 – GALERIA ART’ VIDA – ATELIÊ – MANHÃ:

Daniel está pintando um quadro em homenagem a Helena.

Daniel: A mulher mais linda, de traços mais perfeitos. Essa era você.

O quadro era de Helena, mas ele não parava de pensar em Heloísa. Seu gênio forte o havia conquistado.

Daniel, largando o pincel: Ah, Heloísa, Heloísa. Quanto mais você resiste, mais eu fico encantado…

De repente, chega Heloísa.

Heloísa: Bom dia, Sr. Daniel

Daniel: Bom dia, dona Heloísa. Como vai a senhora?

Heloísa: vou muito bem, obrigado. – ela vê o quadro em que Daniel estava pintando. – quadro bonito.

Daniel: Pois é. É em homenagem a Helena. Foi uma forma que eu encontrei para matar as saudades.

Heloísa: Cinismo não é o seu forte, meu caro.

Daniel: como assim? Não entendi.

Heloísa: Não se faça, Daniel. Você fez o que fez com a minha irmã, e agora vem dizer que ta com saudade? Ah, por favor.

Daniel: Heloísa, eu não sei aonde você quer chegar, mas, só me faz um favor: Cala a boca.

Heloísa: venha calar se você for homem.

Daniel vai até ela, a agarra e força um beijo. Ela a principio resiste e tenta empurra-lo, mas não consegue, acaba cedendo e se entrega ao beijo. Nessa hora, chega Fernanda.

Fernanda, indignada: Mas o que está acontecendo aqui?

Daniel e Heloísa se assustam.

*Trilha Sonora Tensão

 

A imagem congela e se transforma em um quadro pintado a óleo em uma grande exposição juntamente com os quadros dos capítulos anteriores.

 

FIM DO CAPÍTULO 24

Felipe De Lima Veiga

Editor e produtor de criação visual Cyber Séries

Close