Vernissage – Capítulo 18

Vernissage – Capítulo 18

VERNISSAGE – CAPÍTULO 18

 

CENA 01 – DIA – CIDADE DE ESPERANÇA:

Amanhece o dia em Esperança. Imagens aceleradas do nascer do sol, de pessoas nas ruas e carros, indo para os seus trabalhos. Foca na fachada da galeria, onde há uma movimentação, pois chegou o dia do Vernissage.

Na recepção, Daniel recepciona pessoalmente alguns convidados.

*Trilha Musical: Viva la Vida – Coldplay

 

Daniel: Prefeito Tavares. É uma honra ter o senhor aqui. Espero que goste do nosso evento. – ele olha para o relógio – Helena está atrasada…

*Trilha musical se transforma em música ambiente.

Daniel continua a cumprimentar os convidados e jornalistas e, entre eles, Adna, Pedro e Helô, a Garota de Ipanema, que vieram do Rio de Janeiro especialmente para a exposição.

Daniel: Adna, minha querida! Como vai? É um prazer imenso tê-la aqui!- os dois se cumprimentam com beijo no rosto.

Adna: Olá, Daniel! Vou muito bem, obrigada. E não poderia perder esta exposição né. Foi aqui em sua galeria que apresentei a melhor de minhas exposições. Serei eternamente grata.

Daniel: Que é isso Adna, você merece todo sucesso do mundo. Além de ser muito talentosa, tem uma história linda, que o mundo inteiro deve conhecer. E… Não acredito, Heloísa, a eterna Garota de Ipanema. Que prazer revê-la.

Helô: Obrigada, querido! O prazer é todo meu! Estou muito feliz de retornar.

Daniel: E. claro, Pedro! O homem mais sortudo do mundo (todos riem). Como vai amigo?

Pedro: Vou muito bem, meu querido, obrigado. E parabéns pela exposição. Está divina.

Adna: Mas, Daniel, onde está Helena? Quero muito falar com ela e lhe dar um abraço.

Daniel: Pois então, ela ainda não chegou e…  De repente, chega Helena, muito bem trajada e maquiada. – Ah, olha ela aí.

Helena: Adna, querida, que bom que veio! Que saudades! Agora que ficou famosa se esqueceu dos seus humildes amigos é? – as duas se abraçam.

Adna: Capaz, minha querida!!! Não poderia deixar de perder esse sucesso todo! Está tudo lindo. E você também, hein! Chegou arrasando. Maravilhosa!!!

Helô: Olha, realmente! Se você fosse pro Rio, com certeza teríamos uma outra Garota de Ipanema e se esqueceriam de mim! – todos riem

Helena: O que? Olha quem fala!!! Que bom que veio, Helô!!! Mais linda do que nunca! – as duas se beijam no rosto. – Pedro, tudo bem?

Pedro: Tudo ótimo, Helena. Parabéns pelo seu sucesso.

Adna: Bom, vamos conhecer a exposição né?

Daniel: Por favor, fiquem a vontade, logo logo faremos a abertura oficial.

Os convidados se retiram e começam a prestigiar o evento, enquanto Daniel e Helena continuam conversando.

Daniel: Finalmente, Helena! Todos os convidados já chegaram e estão perguntando de você.

Helena: Bom dia pra você também, Daniel! Eu me atrasei, mas cheguei. Não se preocupe. Bom, encaminhe a todos para o salão de eventos e lá eu recebo um por um.

Daniel: Espera, mas aonde você vai?

Helena: Eu vou à minha sala, Daniel. Preciso resolver algumas coisas, mas é rápido.

Daniel não gostou da resposta, mas se encaminha aos convidados. Helena vai até a sua sala.

Daniel, aos convidados: Queridos, por favor. Venham comigo até o salão de eventos, onde ocorrerá o Vernissage.

Todos o seguem.

Lá, ele mostra os quadros e os apresenta aos críticos e aos convidados. Diversos jornalistas fotografam os quadros. Outros fazem anotações em seus bloquinhos.

 

Daniel, olhando para o relógio novamente: Que demora da Helena…

De repente, chega Fernanda:

Fernanda: Oi amor!!

Daniel: Fernanda. Que bom que você veio. – os dois se beijam.

Fernanda: Claro que vim querido. Eu não iria perder as conquistas do meu amor. E a Helena?

Daniel: Pois é… Chegou atrasada, foi até a sala dela e não voltou até agora. Pior, os convidados estão perguntando dela e eu não sei mais o que responder.

Fernanda: Bem o tipinho dela. Mas hoje ela vai ter o que merece.

Daniel: o que?

Fernanda: Nada… Nada não.

Daniel: Bom, vou procurar por ela.

Daniel procura por Helena e vai até a sala dela. Ele a encontra sentada em sua cadeira, com uma garrafa de uísque na mão.

Daniel: Helena!!! Vamos, precisamos dar o discurso de abertura do vernissage.

Helena, com a voz meio turva: eu já to indo, Daniel.

Daniel: Espera aí… Você tá bêbada? Eu não acredito que você bebeu justo hoje, Helena!

Helena: Bebi! Bebi, sim! Bebi pra comemorar!

Daniel: Helena, larga essa garrafa, vamos, temos que dar o discurso de abertura do evento.

Os dois saem da sala.

No salão de eventos da galeria, todos reparam em Helena e percebem que ela está alterada.

Helena: O que foi?! O que estão olhando? Nunca viram uma mulher bêbada, não?

Daniel: Helena, cala a boca. Olha o vexame!

Ela larga o copo em uma mesa vai falar com as pessoas. Fernanda observa:

Fernanda: é a minha hora!

Ela vai até o copo dela e, sem ninguém perceber, tira um frasco pequeno da bolsa e despeja um pó branco na bebida de Helena.

Fernanda: Chegou a sua hora, Heleninha!

Ela sai de perto do copo.

Helena volta, pega o copo e sobe em um pequeno palco com Daniel.

Daniel pega um microfone: Bom Dia, amigos! É com muito prazer que lhes apresento este Vernissage, que antecede nossa próxima grande exposição. Agradeço a Presença de todos, esperamos que gostem do que iremos apresentar hoje. – todos aplaudem. – Agora, continuem… – ele é interrompido por Helena.

Helena, avançando no microfone de Daniel: espera, espera, espera! Eu quero falar algumas coisas.

Daniel, cochichando: Helena, por favor! Não me faça passar vergonha!

Helena: Calma, Daniel! Me deixa falar! Bom… Hoje eu to feliz. Feliz mesmo. Essa exposição está linda, esse vernissage esta lindo, vocês estão lindos, tudo lindo! Mas to mais feliz ainda em ter esse cara aqui do meu lado. – ela abraça a Daniel. – esse cara é gente boa! Legal pra caramba! Ele me traiu com uma vagabunda – ela aponta pra Fernanda – Ali ó a vagabunda dele. – Fernanda não consegue esconder a raiva no olhar, mas se contem.

Helena continua: Então, ele me traiu com aquela vagabunda, e agora quer tirar essa galeria de mim. De tanto ele insistir, estou abrindo mão da minha parte na galeria. Isso aí. Vai ficar tudo com ele, e eu vou me jogar no mundo. Mas chega de delongas, chega de abrir a minha vida com vocês.  – Ela bebe em um só gole toda bebida do seu copo – Vamos comemorar. Hoje é dia de Festa!

De repente, ela dá um suspiro forte e cai no chão desacordada. Fernanda observa tudo e da um pequeno sorriso de canto. Todos se desesperam. Daniel desesperado tenta acorda-la novamente:

Daniel, dando pequenos tapas no rosto de Helena: Helena… Helena, acorda, por favor. Helenaaa!

*trilha musical tensão

Close no rosto de Helena, desacordada.

A imagem congela e se transforma em um quadro pintado a óleo em uma grande exposição juntamente com os quadros dos capítulos anteriores.

 

FIM DO CAPÍTULO 18

 

Felipe De Lima Veiga

Editor e produtor de criação visual Cyber Séries

Close