Por onde anda os avanços da possível cura para a Aids ?

Por onde anda os avanços da possível cura para a Aids ?

O mais recente recurso médico contra a Aids, que ainda está em fase experimental, produzido por uma equipe de pesquisadores de cinco prestigiadas instituições universitárias do Reino Unido, pode ter revelado a cura definitiva do vírus HIV.

Até o momento houve um caso bem sucedido envolvendo um enfermo da Inglaterra, de quarenta e quatro anos, com identidade não divulgada por razões de segurança e privacidade, que também faz parte de um time de cinquenta de indivíduos soro-positivos, de acordo com o estudiosos.

O coordenador da NIHR, Mark Samuels, disse em nota que eles tentaram pela primeira vez a cura completa da Aids e que o resultado foi avassalador e inacreditavelmente satisfatório. Mas ele lembrou que apesar dos resultados, o testes ainda estão no início e ainda há muitos desafios.

Os testes preliminares serão divulgados nos veículos de comunicação em 2018, os medicamentos atuais conseguem apenas evitar que o vírus de espalhe pelo organismo, mas não consegue eliminá- lo por completo e, com isso, o indivíduo contaminado terá que tomar esses antirretrovirais pelo restante de sua vida. Desse jeito, o HIV fica escondido na corrente sanguínea em estado suspenso e não rastreável.

 No primeiro estágio da pesquisa, os voluntários tomam a vacina que auxilia o corpo a identificar as células contaminadas pela Aids. Em seguida, um novo medicamento batizado de Vorinostat estimula a células que contém o HIV em suspensão, para que o sistema de defesa do corpo consiga identificá-los.

O voluntário curado disse que ingressou nesse projeto pela possibilidade de cura dele mesmo e de outros na mesma situação. E acrescentou que seria maravilhoso se realmente se consumasse, porque o último exame que ele fez aconteceu há 2 semanas atrás e o resultado foi negativo.

Os médicos e pesquisadores enfatizam que os resultados ainda estão na fase piloto. A terapia deu certo em laboratório e realmente há muitas provas de que irá funcionar em pessoas de modo geral. Eles devem manter os testes clínicos durante os próximos cinco anos. Ainda não é recomendável abandonar os contraceptivos e nem mesmo o medicamentos anti-virais.

Cientistas dinamarqueses estão esperando resultados de um experimento que, se der certo, pode significar a criação de uma cura distribuível e acessível para o vírus HIV, que causa a Aids (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida), dentro de alguns meses.

Pesquisadores estão conduzindo ensaios clínicos para testar uma “nova estratégia”, no qual o vírus é despojado do DNA humano, onde se multiplica, e destruído permanentemente pelo sistema imunológico do paciente. A medida representaria um passo dramático na tentativa de encontrar uma cura para o vírus. As informações são do jornal inglês Telegraph.

técnica envolve a libertação do vírus HIV de “reservatórios” que estes formam no DNA das células, levando-o para a superfície das mesmas. Uma vez “exposto” na superfície da célula, o vírus pode ser eliminado naturalmente pelo sistema imunológico, capaz de criar uma “vacina” contra ele.

Os cientistas estão atualmente realizando testes em humanos, na esperança de provar que ele é eficaz. Em laboratório, os testes já foram bem-sucedidos.

cura-da-aids-possivel-comoDe acordo com Dr. Søgaard, pesquisador sênior do Hospital da Universidade de Aarhus, na Dinamarca, que lidera o estudo, os primeiros sinais são “promissores”.

Tratamento do HIV: remédio Dolutegravir para vírus causador da Aids, estará disponível no SUS

– Estou quase certo de que teremos sucesso. O desafio será fazer o sistema imunológico dos pacientes reconhecer o vírus, depois de exposto, e destruí-lo. Isto depende da força e da sensibilidade dos sistemas imunes individuais – afirmou

Quinze pacientes estão participando dos ensaios e, se eles forem considerados curados do HIV, o tratamento será testado em uma escala mais ampla.

A pesquisa da equipe dinamarquesa está entre o movimento mais avançado e rápido do mundo para a cura do HIV.

Charlotte Marx

Campineira. 26 anos. Estudante de medicina. Autora e divulgadora do Cyber Séries. A escrita para mim é uma companheira da madrugada, a qual surpreendentemente assume o piano e me encanta com suas nuances. Inseparável da arte, esta só viva quando se pode voar e ser quem desejar. Sou viciada no que faço!Ler, por sua vez, é personificar o universo, é observar o amadurecimento de uma planta chamada vida. É amar veladamente o intracelular.