Observatório da escrita: Opinião Web Novela Trilhas da Vida por Charlotte Marx

Observatório da escrita: Opinião Web Novela Trilhas da Vida por Charlotte Marx

TRILHAS DA VIDA E A CRÍTICA À VALORIZAÇÃO DOS PROFESSORES

Estava eu procurando uma história para a grande estréia do Observatório da Escrita nos arquivos do Portal Série de Web quando uma me chamou atenção: Trilhas da Vida do autor Henrique Sousa. A web foi ao ar entre os meses de Maio e Agosto de 2016. O motivo da escolha? A simplicidade da sinopse, a ousadia do autor em propor construir cinqüenta capítulos em cima de um romance entre uma garota de periferia e um mauricinho.

Em uma primeira impressão achei pouco atrativa visto que essa história está muito batida nas telenovelas, não há muito que se reinventar e os primeiros capítulos, infelizmente, acabaram por comprovar isso. Diálogos extremamente de fundo, curtos, sem corpo, do tipo: “Para! Oi! Sim! Ah tá!” sem uma continuação, apenas lançados. Isso foi positivo para a agilidade da história, mas impediu os leitores construírem afetos com os personagens, pois muitos usavam desse recurso. A abordagem do racismo, embora superficial (não houve um debate mais político-social) foi uma escolha sagaz do autor, o bullying com professores, simbolizados por Márcia, a meu ver, foi o melhor da trama, já que é um assunto pouco abordado por aí e é uma crítica ao nosso sistema educacional, altamente falho, uma vez que, desvaloriza o responsável pela nossa formação intelectual e cultural.

Senti falta de ganchos finais melhor elaborados, poderia já que optou por diálogos mais curtos, brincar com uma situação conhecida pelo leitor, mas não entre os personagens como fez no final do capítulo 7 que se passava em um hospital após Enzo ser atropelado. A desconstrução repentina com a chegada do médico da aproximação de Nanda e Denise foi genial! Ambas falavam sobre a mesma pessoa e não sabiam! Outro ponto forte foi a escolha de uma mocinha pouco convencional, mais atirada, de momentos burlescos e românticos, de maneira que a história dos protagonistas ficou leve e aos poucos, verossímil foi conquistando os leitores, uma paciência peculiar e rara, (não é qualquer autor que consegue desembrulhar momento pós momento, sabendo aproveitar o máximo de cada cena de romance) A vilania de Carolina deixou a desejar no início, por mais que os mocinhos tivessem se conhecendo, ela perdeu muita chance de se destacar, desde o próprio beijo no início do capítulo 2 ou quando Enzo terminou com ela. Quanto ao gênero e ao tipo textual (Roteiro/ Narração) nada a ressaltar, foi divinamente seguido. Erros de ortografaria foram irrisórios, sua escrita é magistral.

É isso aí galera, fiz um apanhado geral sobre a trama e termino aqui com a maravilhosa música de encerramento do último capítulo: The Light That Never Fails segue abaixo para ouvirem:

 

Charlotte Marx

Campineira. 26 anos. Estudante de medicina. Autora e divulgadora do Cyber Séries. A escrita para mim é uma companheira da madrugada, a qual surpreendentemente assume o piano e me encanta com suas nuances. Inseparável da arte, esta só viva quando se pode voar e ser quem desejar. Sou viciada no que faço!Ler, por sua vez, é personificar o universo, é observar o amadurecimento de uma planta chamada vida. É amar veladamente o intracelular.

Close