Hierarquia – Capítulo 1

Hierarquia – Capítulo 1

Hierarquia

Novela de Débora Costa

Escrita Por

Débora Costa

Colaboração

Tainá Andaluz

Supervisão de Texto

Tainá Andaluz

Direção

Wellyngton Vianna

Núcleo

Cyber Séries

Personagens desse capítulo

ANTÔNIO

BÁRBARA

DIEGO

FRANCO

GUILHERME

JÉSSICA

JÚLIA

LAURA

LIGIA

OTÁVIO

PEDRO

Participação Especial

LEANDRO/MULHER DE LEANDRO/SEGURANÇAS

 

 

 

 

 

Cena 1/Letreiro: 27 Anos Atrás – Minas Gerais – Belo Horizonte/Int./Casa de Leandro/Sala/Dia.

Leandro está nervoso, andando de um lado para o outro, preocupado, ascende um cigarro, seu filho Diego de apenas oito anos se aproxima.

DIEGO

Papai…

Leandro pega Diego no colo o olha muito.

LEANDRO

Eu falei pra você não sair do quarto sem me avisar Diego.

DIEGO

Por causa do homem mau?

LEANDRO

É sim, assim que sua mãe chegar nós vamos mudar de novo.

Batem na porta, Leandro estranha fica com medo olha muito Diego.

LEANDRO

O papai vai abrir a porta e você vai se esconder dentro do guarda roupa.

DIEGO

Igual a gente fez pra se esconder da mamãe?

LEANDRO

Isso meu filho lá mesmo, não sai de lá por nada, só quando eu mandar.

Leandro coloca Diego no chão, o garoto sai correndo para o quarto, batem mais forte na porta, Leandro pega uma arma, esconde no cinto da calça atrás das costas, abre a porta, dois homens entram, empurram Leandro, Franco entra segurando o braço da mulher de Leandro.

FRANCO

Então você achou que poderia se esconder muito tempo de mim Leandro?

Leandro está nervoso, preocupado com sua mulher.

LEANDRO

Solta ela Franco, isso é assunto nosso.

Franco se senta na poltrona, coloca os pés em cima da mesa de centro, pega uma arma, verifica se tem bala, olha Leandro.

FRANCO

Você era meu homem de confiança Leandro, mesmo sabendo dos riscos me passou a perna.

LEANDRO

Eu não roubei de você Franco, roubei de quem você rouba com a ajuda do governo.

Franco sorri olha os homens que vieram com ele.

FRANCO

Eu tenho cara de otário?

Franco olha a mulher de Leandro, engatilha a arma.

FRANCO

Seu marido cometeu um erro e isso vai ter um preço, não faço ideia de quem você seja e nem me interessa, mas eu sei que ele te ama muito e vai doer se te matar.

Leandro chora.

LEANDRO

Franco deixa ela ir.

Franco se levanta olha os homens.

FRANCO

Encontrem o garoto.

 

MULHER

Meu filho não está aqui! A gente mandou ele para outro país, minha irmã está com ele.

FRANCO

Veremos se ele está ou não.

LEANDRO

Franco eu te devolvo cada centavo, sumo daqui e você nunca mais vai ouvir falar de mim.

FRANCO

Você estava disposto a me entregar aos jornais e a polícia, você acabaria com minha reputação, com meu banco e acha que vou ter misericórdia?

Leandro pega a arma que tinha escondido na cintura aponta para Franco, o encara.

LEANDRO

A gente vai sair daqui e você não vai fazer nada seu desgraçado!

Um dos homens se aproxima sem ser visto, consegue desarmar Leandro, Franco segura a mulher de Leandro coloca a arma na cabeça dela.

SEGURANÇA

Não tem criança nenhuma na casa.

Franco joga a mulher de Leandro no chão, atira nela, Leandro se desespera se ajoelha perto do corpo da mulher, Franco observa friamente, Leandro vai pra cima de Franco gritando desesperado, Franco atira em Leandro que cai morto no chão.

Cena 2/Int./Mais Tarde/Minas Gerais – Belo Horizonte/Casa de Leandro/Dia.

Diego sai com medo de dentro de um fundo falso no guarda roupa, caminha lentamente até a sala, fica em choque ao ver os pais mortos no chão, chora em silêncio.

Cena 3/Letreiro: Atualmente – São Paulo/Int./Banco BRT Nacional/Administração/Dia.

Franco e Guilherme saem do elevador é recebido com aplausos pelos funcionários que cantam parabéns pelo aniversário dele, Franco sorri simpático para todos.

FRANCO

Obrigado, obrigado, vocês me pegaram, estou emocionado.

GUILHERME

Você merece papai.

Todos voltam para suas funções, Franco olha Guilherme.

FRANCO

Não vi Diego por aqui.

GUILHERME

Ele não faltaria hoje papai, é uma ótima oportunidade de puxar seu saco.

FRANCO

Não fale assim, Diego é um jovem admirável, meu homem de confiança e único pretendente para Lígia, ele sim é homem para se casar com minha neta.

GUILHERME

Ligia não quer ver Diego nem pintado papai.

FRANCO

Bobagens logo eles vão voltar a namorar e vou dar um jeito do casamento sair.

GUILHERME

Não vamos ficar aqui jogando conversa fora, eu vou até meu escritório e não demoro.

 

Cena 4/Ext./Floricultura/Dia.

Ligia está saindo da floricultura falando ao celular, aflita.

LIGIA

Vocês não podem cancelar o Buffet! A festa é hoje à noite! Nós contamos com vocês!

Pedro sai de uma padaria, observa Lígia que está nervosa e vai atravessar a rua, Ligia continua discutindo falando ao celular.

LIGIA

Eu preciso de vocês!

Ligia atravessa a rua sem olhar, um carro está vindo em direção a ela, Pedro larga as coisas que comprou no chão, vai correndo em direção a Ligia.

PEDRO

Cuidado!

Ligia se assusta, fica parada sem ação ao ver o carro vindo em sua direção, Pedro segura Ligia e a empurra para a calçada, os dois caem no chão, Pedro olha Ligia.

PEDRO

Você está bem?

Ligia ainda assustada se senta no chão coloca a mão no braço.

LIGIA

Acho que sim…

Pedro se levanta, ajuda Ligia a se levantar, a olha.

PEDRO

Você sabia que não se deve atravessar a rua sem olhar e muito menos distraída falando no celular?

LIGIA

Claro que sei! Mas acontece que hoje á noite meu avô vai dar uma festa e eu acabei de saber que o buffet que contratei simplesmente não vai dar as caras por lá! Você já viu festa sem comida? Vai ser um desastre se não arrumar outro!

PEDRO

Calma, eu posso te ajudar.

LIGIA

Por acaso você tem um buffet?

PEDRO

Tenho.

Ligia olha muito Pedro.

LIGIA

É sério? Você tem mesmo um buffet?

PEDRO

Tenho, é o negócio da minha família e hoje não temos festa para fazer.

Ligia sorri, abraça Pedro, fica feliz.

LIGIA

Agora você tem, pago o quanto você quiser, você caiu do céu, como você se chama?

PEDRO

Pedro e você?

LIGIA

Ligia Bittencourt, muito prazer e obrigada por me salvar e me ajudar.

Pedro sorri para Ligia, olha o braço dela que está sangrando, segura o braço tem um machucado grande.

 PEDRO

É melhor você fazer um curativo Ligia.

LIGIA

Eu vou sim, mas preciso do seu telefone primeiro, daqui a pouco te ligo e falo tudo que vamos precisar, se vocês não derem conta pode contratar quem você quiser, não tem problema.

Pedro pega um cartão entrega a Ligia que guarda, olha em volta procurando o celular que está quebrado, pega ele do chão.

LIGIA

Pelo jeito vou demorar um pouco para te ligar, assim que chegar em casa.

PEDRO

Pode ficar tranquila Ligia, estamos preparados para qualquer festa.

Ligia sorri, abraça Pedro mais uma vez o olha muito.

LIGIA

Obrigada Pedro de verdade, eu vou indo tenho que fazer muitas coisas, até logo.

Ligia entra em seu carro, Pedro a observa, sorri.

Cena 5/Int./Mansão Bittencourt/Suíte de Laura e Franco/Dia.

Laura está sentada pensativa, triste, começa a se lembrar do namorado que tinha quando era jovem.

Cena 6/Flashback/Quarto/Noite.

Laura e Antônio estão deitados abraçados na cama.

ANTÔNIO

Quando você vai me deixar pedir sua mão para seu pai meu amor?

LAURA

Por mim poderia ser hoje Antônio, tenho certeza que meu pai vai nos apoiar, mas a minha mãe não… Você sabe que ela é contra nosso namoro.

ANTÔNIO

Eu sei ela me acusou de estar querendo dar um golpe em você, só porque sou pobre ela acha que quero me aproveitar do seu dinheiro.

LAURA

Não liga pra isso meu amor, eu sei que as coisas não são assim e isso basta.

ANTÔNIO

Então me deixa pedir sua mão para seu pai.

Laura sorri olhando Antônio.

LAURA

Tudo bem, essa semana marcamos para você ir até minha casa.

Laura e Antônio se beijam. Fim do flashback.

Cena 7/.Int./Mansão Bittencourt/ Suíte de Laura e Franco/Dia.

Laura chora, fecha os olhos.

Cena 8/Flashback/Restaurante/Noite.

Laura e Franco estão jantando.

LAURA

Só estou aqui porque minha mãe insistiu muito.

FRANCO

Eu sei pedi para ela me ajudar, preciso falar com você.

LAURA

Não sei sobre o que.

FRANCO

Eu vou direto ao ponto Laura, assim que coloquei os olhos em você vi que era a mulher ideal para se casar comigo.

Laura sorri sarcástica.

LAURA

Sei, como se eu estivesse à venda em uma vitrine, você passou me viu e quer me levar para casa.

FRANCO

Exatamente.

LAURA

Eu acho que você só pode estar louco, eu amo outra pessoa e vou me casar com ele.

FRANCO

Se fizer isso estará assinando o atestado de óbito dele e a falência de seu pai.

Laura olha muito Franco.

LAURA

O que você disse?

FRANCO

O que você ouviu, eu te chamei aqui para te falar que quero me casar com você Laura, e se você não aceitar vou matar o Antônio e acabar com o negócio do seu pai, vou deixar vocês na ruína.

Laura fica com vontade de chorar.

LAURA

Você não seria capaz de matar Antônio…

FRANCO

Quer arriscar? Vou ser tolerante com você e te dar 24 horas para pensar na minha proposta.

Fim do flashback.

Cena 9/.Int./Mansão Bittencourt/ Suíte de Laura e Franco/Dia.

Laura está chorando inconsolável.

LAURA

Como sinto sua falta Antônio.

Cena 10/Int./Casa de Antônio/Quarto/Dia.

Antônio está sentado na cama vendo uma de Laura na época em que eles namoravam.

ANTÔNIO

Até hoje não me conformo Laura… Você preferiu Franco, aposto que ele não te ama nem parte do que te amei…

Cena 11/Int./Banco BRT Nacional/Escritório de Guilherme/Dia.

Jéssica e Guilherme estão se beijando com paixão, Guilherme olha Jéssica, sorri.

GUILHERME

Passei aqui só para te ver.

JÉSSICA

Fez bem Guilherme, mas não suporto mais ficar as escondidas com você.

GUILHERME

Jéssica não começa, tem que ser assim.

JÉSSICA

Não tem não!

Jéssica se afasta se Guilherme, nervosa.

JÉSSICA

Você era meu! Dai seu pai quis que você se casasse com a tal Bárbara e você aceitou!

GUILHERME

Foi um negócio Jéssica, você sabe disso.

JÉSSICA

Sei, mas eu sai perdendo! Não aguento mais Guilherme, desse jeito vou terminar tudo com você e arrumar outro.

Guilherme puxa Jéssica pela cintura, a olha muito nos olhos.

GUILHERME

Você é minha.

JÉSSICA

Então se separa da sua mulher!

GUILHERME

Vontade não me falta, Bárbara me deixa sem paciência.

JÉSSICA

Vou te dar um tempo Guilherme, e quando ele acabar você vai ter que se decidir.

GUILHERME

Escolho você sempre.

Jéssica e Guilherme se beijam.

Cena 12/Int./Mansão Bittencourt/Sala/Dia.

Bárbara está sentada no sofá triste, Laura desce as escadas, se aproxima se senta ao lado dela, a olha.

LAURA

O que aconteceu?

BARBARA

O Guilherme… Cada dia que passa ele está mais frio comigo Laura, e isso me dói tanto.

LAURA

Não fica assim Bárbara, quer que eu fale com ele?

BARBARA

Não, ele vai me tratar pior ainda se souber que desabafei com você, não quero perder o Guilherme, eu o amo demais.

Laura segura à mão de Bárbara a olha.

LAURA

Quer um conselho? Você é jovem, linda, não merece ficar presa ao meu filho, se separa e arruma um amor de verdade.

Bárbara chora olha Laura.

BARBARA

Ele é meu amor Laura, o amo muito, talvez da mesma forma que você ama Franco.

LAURA

E quem disse que eu o amo?

Bárbara olha surpresa para Laura.

BARBARA

Não ama?

LAURA

Não, desde quando me casei com Franco que sofro você sabe que tudo que Franco deseja ele tem, e eu fui mais uma dessas coisas, ele me afastou do meu amor, fez ameaças contra a vida dele, fiquei com medo porque Franco não é homem de blefar, então não tive escolha, me casei com ele para poupar a vida do homem que amo.

BARBARA

Nossa eu nunca poderia imaginar uma coisa dessas Laura… Como ele se chama?

Franco entra Laura não percebe.

LAURA

Antônio… Meu grande amor.

FRANCO

E um grande fracassado, pobre, sem eira e nem beira.

Bárbara se levanta fica sem graça, Laura se levanta encara Franco.

LAURA

No seu ponto de vista, no meu ele era um homem como você nunca vai ser Franco, honesto, carinhoso, atencioso…

Bárbara sem graça olha Laura.

BARBARA

Vou pedir para o Luiz me levar para me encontrar com Ligia, com licença.

Bárbara sai, Franco se aproxima de Laura, dá um tapa em seu rosto, a encara.

FRANCO

Nunca mais fale assim comigo na frente de ninguém e nem fale do seu passado!

Laura com a mão no rosto olha Franco com raiva, dá um tapa no rosto dele.

LAURA

Não é passado, meu amor por Antônio está sempre presente.

Laura sobe as escadas, Franco fica sério, com raiva, com a mão no rosto.

Cena 13/Int./Buffet Ideal Festas/Escritório/Dia.

Júlia está mexendo no computador, Pedro entra.

PEDRO

Júlia hoje á noite vamos ter uma festa grande para fazer.

JÚLIA

Como assim Pedro? Para hoje não tinha nada agendado.

Pedro se senta, coloca um papel em cima da mesa com anotações que ele fez.

PEDRO

É uma longa história, depois te conto é melhor falar sobre a festa para não perder tempo. A moça que contratou nossos serviços se chama Lígia, ela me ligou agora pouco para passar os detalhes da festa, ela é neta do dono do banco BRT Nacional, é aniversário dele e o buffet que eles tinham contrato cancelou tudo em cima da hora.

JULIA

Sei e você disse que num passe de mágica nós vamos a festa, posso saber quantas pessoas são e o cardápio?

PEDRO

Vai ser para a família, amigos e alguns sócios, 250 pessoas ela quer coquetel e jantar, anotei aqui.

Júlia lê as anotações de Pedro, o olha.

JÚLIA

Fala para o seu pai correr e providenciar o que não temos aqui dá para fazer esse evento hoje.

Pedro se levanta sorri.

PEDRO

Eu vou dar o recado e volto para ajudar também.

JÚLIA

Faça isso mesmo, toda ajuda será válida.

Cena 14/Int./Mansão Bittencourt/Sala/Dia.

Laura está sentada no sofá lendo em um jornal uma matéria sobre o aniversário de Franco, Franco desce as escadas, se aproxima.

FRANCO

O que achou da matéria?

LAURA

Um exagero Franco, mas vindo de você é algo normal.

FRANCO

Não é exagero, ai tem tudo sobre minha família, como me tornei um sucessor á altura do meu pai no banco BRT Nacional, do nosso casamento, enfim, tudo que as pessoas precisam saber.

Laura fecha o jornal olha Franco.

LAURA

Você contou um monte de mentiras, nossa família não é perfeita assim e você sabe.

FRANCO

E você acha que eu deixaria publicarem a verdade? Que tenho um filho imprestável que só sabe beber, que meu irmão não pode ver um rabo de saia que vai correndo atrás e que gosta de fazer apostas, que minha mulher não me suporta e que só meu filho Guilherme e minha neta valem a pena?

Laura se levanta, olha Franco.

LAURA

Pelo menos você seria honesto uma vez na vida.

Guilherme entra, sorri para Laura, se aproxima, beija o rosto dela.

GUILHERME

Bom dia mamãe.

LAURA

(sorri) Bom dia querido.

Otávio entra está bêbado, Laura fica preocupada se aproxima de Otávio, Franco o olha com raiva.

LAURA

Otávio eu estava muito preocupada com você meu filho, onde você estava?

FRANCO

Não está vendo Laura, pelo estado dele deveria estar em um bar qualquer.

Otávio dá risada, olha Laura.

OTÁVIO

Franco quase acertou, eu estava bebendo sim, mas não no bar, e sim no puteiro.

Franco com raiva, enojado.

FRANCO

Laura tira ele daqui antes que eu arrebente a cara dele!

Laura segura o braço de Otávio.

LAURA

Vem meu amor, eu vou te ajudar.

Otávio dá risada indo com Laura, para ao lado de Franco o olha, sorri.

OTÁVIO

Aquela piranha que você costuma sair te mandou lembranças.

Franco dá um soco em Otávio, Guilherme segura Franco, olha Laura.

GUILHERME

Vai mamãe leva logo Otávio daqui.

Laura está com pena de Otávio, com vontade de chorar.

LAURA

Você não deveria ter batido nele Franco!

Otávio vai subindo as escadas com Laura, gritando ofensas para Franco.

FRANCO

Estou farto de Otávio!

GUILHERME

Fica calmo papai, não vale a pena começar o dia assim.

FRANCO

Vou tomar um ar porque se não perco a cabeça e espanco esse imbecil!

Guilherme acompanha Franco, Bárbara e Lígia entram.

BÁRBARA

Você tem certeza que não é ir para o hospital Lígia?

LÍGIA

Não mamãe eu estou ótima, só foi um arranhão.

Franco entra se aproxima de Lígia.

LÍGIA

Parabéns vovô!

FRANCO

(sorri) Obrigado Lígia, estava preocupado com você, estava demorando.

LÍGIA

Tive que resolver algumas coisas.

Diego entra Ligia não gosta de ver ele, disfarça, Diego se aproxima de Franco, o abraça, sorri, entrega um presente.

DIEGO

Parabéns Franco!

Franco sorri olha Diego orgulhoso.

FRANCO

Obrigado rapaz, achei que tinha se esquecido de mim.

DIEGO

Você sabe que isso não aconteceria Franco, você é muito importante pra mim.

FRANCO

Ligia não está vendo Diego aqui minha querida.

Lígia olha Diego.

LIGIA

Oi Diego, tudo bem?

DIEGO

Melhor agora.

LIGIA

Vocês me dão licença, mas eu preciso ir para meu quarto, passei a manhã resolvendo o problema do buffet, vou descansar para mais tarde.

BÁRBARA

Franco a Lígia escapou da morte hoje.

LIGIA

Que exagero mamãe, não foi pra tanto.

FRANCO

Que história é essa?

BÁRBARA

Ligia vinha distraída e quase foi atropelada, por sorte um rapaz impediu, ele empurrou minha filha para a calçada e ela só machucou o braço.

FRANCO

(preocupado) Tem certeza que foi só o braço Ligia? Como você está se sentindo?

Diego observa, Ligia abraça Franco o olha sorri.

LIGIA

Estou ótima vovô, foi só um susto, graças ao Pedro estamos salvos, a sua festa e eu, por coincidência ele tem um buffet e vai substituir o que cancelou tudo de última hora.

FRANCO

Quero conhecer esse rapaz e recompensa – lo por ter te salvado.

LIGIA

Hoje á noite ele virá, com licença, vou subir um pouco.

FRANCO

Vou com você e ter certeza que está mesmo bem, já volto Diego.

Bárbara, Ligia e Franco sobem as escadas, Diego fica sério, com raiva, sai.

Cena 15/Ext./Mansão Bittencourt/Jardim/Dia.

Diego pega o celular, disca uns números, está com raiva.

DIEGO

Deu tudo errado! Não adiantou nada ter cancelado o buffet! Um imbecil vai substituir eles e pior você não presta nem para atropelar alguém, a Lígia está ótima, esse velho tem uma sorte desgraçada! Não conte com o pagamento, você fracassou em tudo!

Diego desliga o celular, está com raiva.

DIEGO

Eu vou destruir você Franco, começando pela sua família assim como você fez com a minha.

Fim do Capítulo

 

  • Lyvia Peroba

    Gostei da estreia. Achei o roteiro direto e sem enrolação. Parabéns! Continue escrevendo.

    • Débora Costa

      Obrigada Lyvia 💖

Close