Garota de Ipanema – Capítulo 33

Garota de Ipanema – Capítulo 33

 

 

 

UMA NOVELA DE: EDUARDO MORETTI

 

(CONTINUAÇÃO DO CAPÍTULO ANTERIOR)

 

Paloma surpresa fica esperando uma explicação…

PEDRO (Sem graça) – Olha filha, a gente precisa conversar…

PALOMA (Tom) – É óbvio que a gente precisa conversar. Eu venho passar o fim de semana em Angra e chego aqui, encontro você e a minha tia juntos, com ela te chamando de meu amor e tudo? Foi por causa dela que você se separou da minha mãe então? Há quanto tempo vocês estão tendo um caso?

PEDRO – Tem muita coisa nessa história toda que você não sabe filha. Mas a Helô não é a responsável pelo fim do meu casamento com a sua mãe e você sabe muito bem disso.

HELÔ – A minha história com o seu pai Paloma aconteceu muito antes da sua mãe, e deles se casarem, enfim…

PALOMA (Chorando) – Por isso ela não gosta de você… Agora tudo faz sentido pra mim. O que mais você tirou dela, além do meu pai e do concurso da Garota de Ipanema, hein? Que espécie de irmã é você, que rouba o marido da sua própria irmã? E eu que sempre te admirei… Pra mim, chega! Eu não quero mais ter que olhar pra cara de vocês… Vocês dois me dão nojo! (Grita e sai).

RODRIGO – Paloma espera…

PEDRO – Deixa Rodrigo. Eu vou falar com ela. (Diz se levantando).

HELÔ – Não vai não. Eu é quem vou… Essa é uma conversa de mulher pra mulher. Não se preocupe Pedro, ela vai me ouvir…

Helô vai atrás de Paloma, enquanto Pedro e Rodrigo ficaram sentados lado a lado, ansiosos, calados e esperando…

 

CORTA DIRETO PARA: RIO DE JANEIRO – IPANEMA – EDIFÍCIO BELA VISTA – ELEVADOR.

Beatriz fica sem saber o que falar, enquanto um filme passa na sua cabeça… A enfermeira a pressiona e ela volta a si…

 

LAURA (Sorrindo) – Qual é madame? Nem faz tanto tempo assim, vai… Faz um esforço, são só vinte e dois anos, e pra mim parece que ainda foi ontem, porque eu nunca consegui esquecer o que nós duas fizemos, naquele hospital velho lá em Niterói.

BEATRIZ (Furiosa, aperta o botão e segura o elevador) – É claro que eu me lembro de você, sua ratazana de hospital desativado. O que eu não estou entendendo é o que você veio fazer aqui atrás de mim, depois de tanto tempo? Pra mim você já estava morta e enterrada, assim como o passado… Mas não tem jeito mesmo, o passado sempre volta pra nos assombrar, não é o que dizem? Agora graças a Deus, que para a minha sorte e o seu azar, eu nunca tive medo de nada nessa vida, muito menos de assombração. (Diz se aproximando dela) – Se for preciso, eu acabo com quem ousar atravessar o meu caminho, você esta me entendendo sua enfermeirazinha de hospital fechado? Eu acabo com a tua raça, eu mato você! (Diz indo pra cima dela e com as duas mãos em volta do seu pescoço, Beatriz começa a enforcá-la).

Beatriz ensandecida fica cega de ódio e aperta mais forte o pescoço da enfermeira, que vai ficando cada vez mais sem ar…

 

CORTA DIRETO PARA: ANGRA DOS REIS – CASA DE PRAIA DOS BITTENCOURT.

Helô esta procurando Paloma e não consegue encontrá-la…

 

HELÔ (Preocupada) – Paloma, cadê você? Vamos conversar, por favor! Eu to ficando preocupada, aparece… Me da o benefício da dúvida, por favor! Dez minutos é tudo o que eu preciso. Você precisa saber de tudo, merece uma explicação e eu vou te dar, eu vou te contar tudo, eu prometo.

Nesse momento, Paloma sai de trás de uma árvore e vem vindo de encontro a Helô. As duas ficam cara a cara, se encarando por um tempo…

 

CORTA DIRETO PARA: RIO |IPANEMA |EDIFÍCIO BELA VISTA – ELEVADOR.

Laura vai ficando cada vez mais sem ar, enquanto Beatriz a enforca pra valer…

 

LAURA – Me solta, por favor… Eu to ficando sem ar… (Diz com dificuldade).

BEATRIZ – Mas a idéia é essa minha querida, deixar o mundo mais leve e menos poluído sem a sua presença… Ou será que você ainda não se deu conta de com quem esta lidando? Sua ordinária, maldita!

Beatriz a solta com tudo e começa a rir descontroladamente, parecendo uma louca. Laura volta a respirar, puxando o ar desesperadamente, enquanto segura o pescoço…

LAURA – Você é louca! E eu vou acabar com a sua vida… Você vai desejar nunca ter cruzado o meu caminho.

BEATRIZ – Sou louca sim. Agora mais louca ainda é você, de pensar que pode medir forças comigo. Eu te deixei viver, eu poderia ter te matado aqui mesmo, mas eu resolvi ter dar a chance de consertar essa burrada que você fez, de ter vindo até aqui atrás de mim, depois de tantos anos, querendo me chantagear. Agora vai embora, some da minha frente e nunca mais ouse me procurar, porque da próxima vez, eu te prometo… Que eu termino o que comecei aqui hoje, dentro desse elevador e te mando direto pro inferno, pra você abraçar o capeta. (Diz e aperta o botão fazendo o elevador voltar a funcionar).

Laura olha séria pra ela, depois aperta o botão e faz o elevador parar de novo…

LAURA – As coisas não são tão simples assim não. Você não imagina o inferno que eu passei esses anos todos e por sua causa. Quando você teve lá em casa e levou a menina, a minha irmã surtou… Depois de todo o trabalho que eu tive lá no hospital de trocar o bebê da sua irmã por um bebê morto, eu vi a felicidade no rosto da minha irmã de novo. Coitada, ela era louca pra ser mãe e não podia engravidar, e eu realizei o maior sonho da vida dela, arriscando a minha própria pele e pra que? Me diz? Pra quatro meses depois, você aparecer arrependida e levar a menina embora…

BEATRIZ (Sorri) – Mas deixando um boa quantia de dinheiro pra vocês, não é mesmo?

LAURA (Grita) – Cala essa boca! Cala essa maldita boca, que eu ainda não terminei… Vocês ricos malditos, acham que tudo é dinheiro, que dinheiro compra tudo, mas não compra não. Depois que você levou a menina, a minha irmã ficou numa tristeza profunda, teve depressão, não se alimentava direito, não conversava, só chorava… Ela foi definhando na cama, o marido a abandonou e eu tive que cuidar dela sozinha. Eu perdi o meu emprego, nós fomos vivendo do seu dinheiro sujo nos primeiros anos, e quando acabou a gente viveu com um misero salário do auxílio doença que eu consegui pra ela com muito sacrifício. Mas os remédios dela eram caros e mal dava pra pagar todas as despesas… Eu comecei até a me prostituir pra levar mais algum pra casa. Foram os piores quinze anos da minha vida, e a minha irmã coitada, nunca mais conseguiu se reerguer… Ela morreu de tanta tristeza nos meus braços e chamando pelo bebê dela, e tudo isso graças a você… (Diz chorando) – Eu odeio você, sua miserável! Você conseguiu acabar com as nossas vidas e eu jurei pra ela que te achava nem que fosse no fim do mundo e acabava com você. E agora, eu não tenho mais nada a perder. Eu não tenho medo de você e vou fazer justiça! Ainda que você me mande para o inferno e eu abrace o capeta, como você mesma disse… Antes disso eu farei da sua vida, um verdadeiro inferno aqui na terra mesmo. (Diz e aperta o botão do elevador) – Você não tem idéia do tamanho do meu ódio por você, Beatriz Bittencourt. E o seu inferno esta apenas começando. Até qualquer hora…

Laura sai do elevador e pega as escadas, deixando Beatriz pensativa e preocupada…

 

CORTA DIRETO PARA: ANGRA DOS REIS.

Helô e Paloma estavam sentadas na grama, embaixo de uma árvore e sem falar nada, apenas apreciando a natureza, de repente Helô começou a falar…

 

HELÔ – O meu amor pelo seu pai e o dele por mim, nasceu há vinte e dois anos atrás… Em pleno verão de 1995, em meio ao concurso Garota de Ipanema na praia. Eu, sua mãe e a Lenita nos inscrevemos para o concurso e na fila de inscrição mesmo, eu e ele nos esbarramos… (Diz sorrindo) – Eu me lembro com o se fosse hoje, ele estava com a prancha embaixo do braço indo pegar onda e nós trocamos uma meia dúzia de palavras… Foi o suficiente pra acender algo dentro de nós, uma chama forte que nos atraia sabe, foi amor a primeira vista. Naquele mesmo dia eu fiquei olhando ele pegar onda e de repente veio uma enorme e o derrubou… Ele sumiu no mar e eu fiquei desesperada, na mesma hora corri atrás do salva-vidas e não pensei duas vezes, pulei junto com ele pra salvar a vida do Pedro… Eu não sei mais o medo e a possibilidade de não vê-lo nunca mais me deram uma força enorme que nem eu mesma sabia que tinha, e eu o encontrei e consegui salvá-lo. O tempo foi passando e a gente se conhecendo melhor, ele me pediu em namoro… Depois eu ganhei o concurso Garota de Ipanema, comecei a modelar e fazer propaganda da marca. Eram fotos, desfiles, entrevistas e na época eu não percebi, mas a sua mãe nunca se conformou em ter perdido o concurso pra mim. Ela passou a me odiar ainda mais… Ela sempre teve ciúmes e inveja de mim, mas eu não enxergava, e algumas pessoas sempre me abriram os olhos, a Lenita mesmo era uma delas. Até o Pedro, ela quis tirar de mim…

PALOMA – E o que aconteceu pra vocês não terem ficado juntos?

HELÔ – A sua mãe armou pra eu pensar que ele e a Lenita estavam me traindo e eu nunca os perdoei por isso, por mais que eles negassem, eu não acreditei neles… Acabei terminando tudo com o Pedro e fui embora do Rio. Agora imagina a minha surpresa quando eu resolvo voltar depois de vinte e dois anos, e encontro a minha irmã casada com o grande amor da minha vida? Só ai que a minha ficha caiu, muita coisa passou a fazer sentido e investigando melhor e ouvindo pessoas, é que eu cheguei à conclusão de que tudo não passou de um plano sórdido da Beatriz pra nos separar. Eu sei que é difícil pra você acreditar Paloma, mas não sou eu a vilã dessa história… E depois tudo o que te falei aqui, você pode confirmar com o seu pai, com a própria Lenita e também com a Celina e a Maroca… Todos fizeram parte dessa história e conhecem a Beatriz até melhor do que eu sempre a conheci… Me perdoa por qualquer coisa ta? Eu adoro você e te admiro muito. Você é a filha que eu gostaria de ter tido… E eu não quero perder a sua amizade, o seu carinho e o seu respeito por nada nesse mundo.

Paloma olhou para Helô emocionada e só a abraçou bem forte…

PALOMA – Não tem do que eu te perdoar, tia… Eu também adoro a senhora e por mais que me doa dizer isso, eu acredito em tudo que você me disse, porque infelizmente eu sei do que a minha mãe é capaz. Eu fui vítima dela durante anos, e sei do que ela foi capaz de aprontar com o meu avô… É muito difícil pra mim saber que a mulher que me criou, é uma pessoa má, sem escrúpulos e capaz de fazer qualquer coisa pra conseguir o quer… Eu não sei o que vai ser dela, mas eu só te peço que, por favor, esteja do meu lado e me ajude a passar por tudo isso, porque que sozinha eu não vou conseguir… (Conclui chorando).

HELÔ (Emocionada) – Mas é claro Paloma. Conte comigo pro que você precisar minha filha, que eu vou estar do seu lado sempre ouviu? E quando quiser uma mãe postiça, o meu coração vai estar aberto não só pra você, mas pra Liah também. Vocês são meninas maravilhosas e merecem ser felizes. Agora vem cá, me da um abraço…

Mãe e filha mesmo sem saber que eram na verdade, se abraçaram emocionadas e mais unidas do que nunca…

 

CORTA PARA:

 

ABERTURA:

 

CENA 1. INTERNA |TARDE |MANSÃO DE TEODORA – SALA.

 

TEODORA (Sorri) – Amanhã eu tenho planos pra nós, viu César? Faz tempo que nós não aprontamos uma das nossas brincadeiras fora de casa, e eu estou precisando relaxar com toda essa história de gravidez da Débora, se é que ela esta mesmo grávida né?

CÉSAR – Sabe que eu estou com saudades das nossas loucuras mesmo… Eu confesso que fico com medo às vezes, afinal você nos coloca em cada enrascada, mas a adrenalina do perigo, do proibido, me deixam louco de tesão.

TEODORA (Ri) – E eu não sei? Porque você acha que eu gosto dessas aventuras? Por causa do tesão e da adrenalina mesmo…

DÉBORA (Sorridente) – Boa tarde, meus queridos. (Diz chegando da rua, toda alegre).

TEODORA – Boa tarde, Débora.

DÉBORA – Eu vim do médico e trago boas notícias… Eu to mesmo grávida! Não é o máximo?

Teodora e César se olham sérios e depois sorriem para Débora…

CÉSAR – Meus parabéns, Débora…

DÉBORA – Obrigada. E você, Teodora… Não vai me dar os parabéns? Olha só a foto do ultrasson do seu neto… Ele ainda é muito pequeno, não esta totalmente formado, mas já existe dentro de mim e é filho do Rodrigo.

TEODORA – Meus parabéns, Débora. E eu só espero do fundo do meu coração, que essa criança te traga um pouco de juízo.

DÉBORA (Sorridente) – Eu não vejo à hora de falar pro Rodrigo. Ele vai ficar muito feliz. Bom, deixa eu ligar pra minha mãe, que ela estava ansiosa pra eu confirmar a notícia… Até mais…

Débora subiu as escadas toda feliz, enquanto Teodora e César ficaram calados e pensativos…

 

CORTA PARA:

CENA 2. INTERNA |TARDE |APARTAMENTO DE ESTELA.

Estela e Jonas haviam acabado de transar e ainda na cama, eles conversavam…

 

JONAS – Nossa mais essa história da conta da Beatriz na Suíça que você descobriu, não sai da minha cabeça… 30 milhões de dólares! Se nós conseguirmos colocar a mão nessa grana, a gente ta feito pro resto da vida.

ESTELA – Se nós conseguirmos não… A gente vai conseguir. Eu não nadei até aqui pra morrer na praia não. Essa grana já é nossa, é só uma questão de tempo… E o próximo passo é com você. Trate de dar um belo trato naquela megera logo, com o melhor sexo que ela já teve na vida. A Beatriz tem que ficar de quatro por você… É com você ganhando a confiança dela, que a gente vai descobrir tudo sobre essa conta, pra depois deixar ela zerada. O único problema pra mim será ter que saber que você esta transando com ela, mas vai valer o sacrifício…

JONAS (Ri) – Sim… Pensa nas verdinhas que fica mais fácil. Depois que a gente tiver com ela nas mão, adeus Brasil! Não quero nunca mais ter que pisar nesse país de merda.

ESTELA – Nem eu… Nunca mais! Agora cala a boca e me beija vai…

Jonas foi pra cima de Estela a beijando com vontade e os dois começaram tudo de novo…

 

CORTA DIRETO PARA: ANGRA DOS REIS – CASA DE PRAIA DOS BITTENCOURT.

Todos estavam mais a vontade em volta da mesa e almoçavam felizes. Paloma pedira desculpas ao pai, o que deixou Pedro muito feliz…

 

PEDRO (Sorri) – Bom agora só faltava a Liah aqui pra minha felicidade ser completa.

HELÔ – E o meu Bruno também né?

PEDRO – Claro, me desculpa. Eu esqueci do seu filho… Com ele e a Liah aqui agora a nossa família estaria completa. A gente precisa contar a verdade pra eles o mais rápido possível, antes que eles fiquem sabendo pela boca de outras pessoas.

PALOMA – Eu concordo. Por pior que seja uma verdade, pior ainda é saber dela pela boca de outras pessoas… E eu quero que vocês dois saibam que eu to do lado de vocês pro que der e vier… Contem comigo. A história de vocês é muito bonita e vocês merecem ser muito felizes.

PEDRO – Obrigado filha. Você mesmo não sendo minha filha de sangue, é a melhor filha do mundo… E eu tenho muito orgulho de ser seu pai de coração…

PALOMA – É só isso que importa pai, mais do que o sangue… O coração. E eu também tenho muito orgulho de ser sua filha e sobrinha da tia Helô, na verdade se eu pudesse escolher, eu escolheria vocês dois pra serem meus pais biológicos.

HELÔ – Olha quanta honra… Eu fico muito feliz em saber disso e adoraria que isso fosse verdade, mas você já é minha filha aqui ó… No coração também, que como você mesma disse, é o que importa. (Diz sorrindo e pegando na mão de Paloma).

PALOMA – Por falar nisso… Tia, você não vai acreditar de quem o Rodrigo é filho… Conta pra eles, amor.

RODRIGO (Sorri) – A minha mãe é a Teodora Pamplona.

HELÔ – O que? Eu não acredito nisso, a Teodora é uma grande amiga minha, que sempre me ajudou e apoiou muito. Ela e o seu avô que me fizeram ser a Garota de Ipanema, eu devo muito a eles. Eu adoro a Teodora…

RODRIGO – E ela gosta muito da senhora também, ela sempre fala com muito entusiasmo da Garota de Ipanema. (Conclui sorrindo).

HELÔ – Ela esta de parabéns… Criou você muito bem. Um homem de caráter e honrado. Você tem sorte Paloma, de ter encontrado o Rodrigo. Aliás, você também Rodrigo de ter encontrado ela. Da pra perceber que vocês se amam de verdade e que foram feitos um pro outro.

PEDRO – Verdade… E o nosso próximo encontro será num jantar em família e com a Teodora junto. Nós precisamos marcar isso…

RODRIGO (Sorri) – Com certeza… (Diz dando uma piscadinha para Paloma).

 

CORTA PARA:

CENA 3. EXTERNA |TARDE |COPACABANA.

Edu que passara do consultório de Luciana deu uma carona pra ela, a levando para casa, já que o carro dela estava na oficina para um revisão…

 

LUCIANA (Sorri) – Muito obrigada, Edu. Você é um anjo… Não fosse você me oferecer essa carona, eu teria que pegar um táxi.

EDU – Imagina que eu ia deixar você pegar um táxi, precisando é só me chamar que eu pego você aonde for, afinal a gente tem saído e se conhecido melhor, e eu estou amando estar na sua companhia. Depois também é bom assim, que eu não preciso de desculpas pra te ver… (Diz sorrindo).

LUCIANA (Sorri) – Eu também to adorando sair com você… Você é um homem muito especial.

 

{Começa tocar: Sorte a Azar – Cazuza}

 

Edu e Luciana começam a se beijar e logo ela o afasta…

LUCIANA – Para, chega… Eu tenho que subir e resolver umas coisas ainda.

EDU – E será que eu poderia subir cinco minutinhos pra conhecer o seu apartamento? Prometo que não vou te atrapalhar…

LUCIANA – Melhor não, deixa pra outro dia… (Diz sem graça) – Bom agora eu tenho ir, obrigada pela carona. Tchau. (Diz dando um beijo rápido nele e saindo do carro).

EDU (Confuso) – Tchau… Estranho. Parece até que ela tava fugindo de mim…

 

CORTA PARA:

CENA 4. INTERNA |NOITE |RESTAURANTE – DOM GERMANO – GÁVEA.

 

LEILA (Chateada) – Eu confesso que estou chocada até agora, sabia? Porque o pior dos preconceitos que eu poderia sofrer com essa minha relação veio de onde eu menos esperava… Da minha própria filha… As coisas que ela me falou, você tinha que ver…

ADNA – O minha amiga, eu te entendo viu… Deve ser duro mesmo criar um filho com tanto amor e carinho, e apoiando ele em tudo sempre, e quando você mais precisa deles, eles não te apóiam de volta… Acho que a gente deve se sentir traída né?

LEILA – Pois é exatamente assim que eu me sinto, traída. A Betina dentre todas as pessoas não tinha o direito de me julgar. Eu sempre apoiei a opção sexual dela, sempre estive do lado dela, nas várias vezes em que ela sofreu preconceito… Ela já é carimbada e sabe muito bem como é isso.

ADNA – Verdade, mas sabe o que eu acho? Eu acho que é mais ciúmes de você do que qualquer outra coisa, é sério amiga. Pensa bem, de repente depois de anos, a mãe dela, a única pessoa que ela tem no mundo e que sempre deu atenção só pra ela, agora esta namorando.

LEILA – Será? É pode até ser, vai saber… Mas agora vamos mudar de assunto que eu não quero me lembrar mais disso.

ADNA – Claro tem toda razão… Mas me diz, e esse tal de Marcos é bonitão? Ele tem feito você feliz?

LEILA – Sim, ele tem me feito muito bem, e é um gato. Olha só a foto dele. (Diz mostrando uma foto dele em seu celular).

ADNA (Sorri) – Nossa Leila, que rapagão lindo! Não tem como não estar feliz ao lado de um Deus grego desses, amiga… Você tirou a sorte grande.

LEILA (Sorri) – E o melhor de tudo é que ele é um cara sensível, romântico, super carinhoso e atencioso… Ele é tudo de bom.

ADNA – Eu posso imaginar… Me deu até calor agora… Nossa!

As duas riem e continuam o papo animadas…

 

CORTA PARA:

CENA 5. INTERNA |NOITE |APARTAMENTO DE FLÁVIA.

 

{Começa tocar: Só Vejo Você – Tânia Mara}

 

Cam mostra fachada do prédio de Flávia…

 

(Legenda: Dois dias depois…)

 

HELÔ – Olha Flávia, como sempre o jantar estava delicioso, eu adorei o convite… Mas até agora você só enrolou e não me disse o que tinha pra me falar de tão importante.

FLÁVIA (Sem graça) – Eu sei… Na verdade, eu estava criando coragem, porque é difícil pra mim falar sobre isso, enfim… Vamos sentar na sala que a gente fica mais a vontade.

Helô e Flávia foram para a sala e sentaram-se no sofá…

HELÔ (Sorri) – Pode falar amiga, respira fundo, calma… Sou eu quem esta aqui, a Helô. Sua amiga de anos, poxa nós já passamos por tantas coisas juntas, eu não vejo motivo pra você ficar tão nervosa assim em me contar algo… Olha só, nada do que você me disser aqui hoje vai abalar a nossa amizade, se é disso que você tem medo. Confia em mim, se abre vai…

FLÁVIA (Nervosa) – Ta bom, eu vou falar… Helô, eu sou… Eu sou gay! Pronto, falei.

Helô fica séria por alguns segundos e depois começa a rir sem parar…

FLÁVIA – O que foi? Eu disse alguma coisa errada?

HELÔ – De maneira alguma, amiga… Me desculpa, mas eu to rindo de você. Por acaso você pensou que a nossa amizade mudaria alguma coisa por causa disso, da sua opção sexual? Flávia, minha amiga… Você me conhece. Eu sou uma pessoa livre de qualquer preconceito, não julgo ninguém, pra mim todos somos iguais e temos o direito de ir e vir. Qual o problema nisso? Por isso às vezes eu notava você cheia de dedos comigo em algumas situações, até mesmo um pouco desconfortável… Você poderia ter confiado em mim desde o começo amiga, de verdade. Vem cá me da um abraço, vai…

FLÁVIA (Emocionada) – Ai Helô, você é uma pessoa maravilhosa… Eu te amo amiga. Você não imagina o quanto eu sofri todos esses anos com medo de não ter a sua aprovação, a sua amizade quando soubesse que eu sou assim…

HELÔ – Assim como? Gay? Flávia, você é normal como qualquer outra pessoa viu… Cabeça erguida menina, e seja feliz. A vida é muito curta pra gente ficar se escondendo de nós mesmos e dos outros, preocupados com o que eles vão pensar… Você é livre para amar quem você quiser, ouviu? Além do mais, você é independente, maior de idade, vacinada e paga as suas contas. Ninguém tem nada a ver com a sua vida ou com a sua felicidade, coloca isso na sua cabeça. E conta comigo sempre, pro que você precisar viu… (Diz fazendo um carinho no rosto dela) – Agora quando é que eu irei conhecer a sua namorada hein? Sim, porque eu me lembro que você me disse que estava namorando…

FLÁVIA – Eu vou marcar um jantar pra nós três aqui em casa, de repente eu chamo até o Daniel e o Bruno. Você acha que eles viriam?

HELÔ – Ué e porque não? Os dois são pessoas de mente abertas e te adoram… É claro que eles vem, e se você quiser eu posso falar com eles antes.

FLÁVIA – Muito obrigada, Helô. Eu vou querer sim… Agora tem outra coisa, eu acho que você já conhece ela, a minha parceira. Pelo menos a mãe dela…

HELÔ (Curiosa) – Sério e quem é?

FLÁVIA – A Betina. Filha da Leila.

HELÔ – Eu não acredito, jura? Que bacana, elas são ótimas pessoas… Meus parabéns, amiga. Eu desejo do fundo do meu coração que vocês sejam muito felizes.

FLÁVIA (Sorri) – Obrigada, Helô. Você não imagina o peso que tirou das minhas costas…

Helô sorri e as duas se abraçam e continuam conversando animadamente…

 

CORTA PARA:

CENA 6. INTERNA |NOITE |BARZINHO NA BARRA.

 

{Tocando: Love Me Like You Do – Ellie Goulding}

 

Lenita sozinha chegava no barzinho para se distrair um pouco e logo no balcão para pedir seu drink, ela deu de cara com Daniel, que sorriu pra ela…

DANIEL – Mundo pequeno esse né?

LENITA (Fria) – Demais, um ovo eu diria. Principalmente em relação às pessoas que a gente não quer encontrar, ai é que encontramos… Um saco isso.

DANIEL – Calma, baixa a bola vai… Vamos conversar um pouco e curtir a noite, já que ao que tudo indica nós estamos sozinhos. A gente pode fazer companhia um para o outro e tornar essa noite menos chata, o que acha?

LENITA – Eu acho que justo aqui e agora, pra mim ela já esta insuportável com a sua presença. E depois eu não preciso de ninguém pra me divertir ou enturmar, quer ver só?

Lenita deixa o drink e vai para a pista de dança, onde começa a dançar e sensualiza… Daniel ri da situação. Não demora muito e três marmanjos a cercam e começam a dançar em voltam dela… Daniel não gosta nada e só observa de longe. De repente os rapazes começam, a se engraçar pro lado de Lenita e querer passar a mão nela e ficam agarrado ela, que tenta se livrar deles…

LENITA – Me solta cara, para de gracinha. Eu não conheço vocês e não dei essa intimidade. Podem parar! Me solta…

CARA – Fica ai dançando que nem um biscate, se oferecendo e depois quer pagar de santinha? Eu conheço bem o seu jeito, comigo não cola…

DANIEL – Como é que é cara? Repete isso que você falou? E vocês ai podem ir largando a moça agora.

CARA – Quem você pensa que é cara? Ela tava se insinuando pra gente o tempo todo sim, só um cego não percebia… Qualquer um vê que ela é fácil, que ela gosta da coisa… Né não galera?

Nesse momento Daniel deu um soco nele, que caiu no chão, depois brigou e derrubou também os outros dois que vieram pra cima dele, deixando todos no chão… Depois ele pegou Lenita pela mão e a tirou dali, a levando para casa…

 

CORTA DIRETO PARA: IPANEMA |EDIFÍCIO BELA VISTA – TELHADO.

Bruno e Liah estavam sentados em almofadas e ele montara um telão de projeção que refletia na parede a imagem de um filme que eles queriam assistir juntos, e em meio à pipoca, refrigerante e chocolates, eles se divertiam e riam muito…  Logo o filme acabou e eles lamentaram que o mesmo tivesse acabado tão rápido…

 

BRUNO – E então gostou do filme?

LIAH – O que? Eu amei… Uma pena ter terminado tão rápido né?

BRUNO – Verdade… Mas esse foi apenas o primeiro da nossa sessão no telhado e eu adorei ver o filme aqui em cima com você. Da uma sensação de paz, tranqüilidade, sem contar que da pra ver o filme sem interrupções ou barulhos, foi ótimo e eu já quero mais… (Conclui rindo).

LIAH (Sorri) – É só marcar, que eu topo.

 

{Começa tocar: Not Today – Imagine Dragons}

 

Nesse momento, os dois ficaram calados e se encararam por alguns segundos… De tão pertos que estavam um clima surgiu e Bruno foi chegando cada vez mais perto de Liah que não se afastou em nenhum momento, de tanto que ela esperava por aquele dia, tanto quanto ele… E logos seus lábios estavam se tocando e eles se renderam ao tão sonhado e esperado, primeiro beijo… Logo atrás deles o céu estava bonito e estrelado, e uma estrela cadente passou bem atrás deles, eles não a viram, e mesmo assim era como se os seus pedidos estivesse sendo realizados…

 

CORTA DIRETO PARA: BARRA – APARTAMENTO DE LENITA.

 

DANIEL (Preocupado) – Você esta melhor agora, Lenita?

LENITA – Estou sim e graças a você… Muito obrigada, viu por tudo. Não fosse por você, eu nem o que teria acontecido comigo…

DANIEL – Esquece. Não tem que pensar nisso agora, passou… O que importa agora é que você esta bem. Bom eu vou indo… Você vai ficar bem mesmo?

LENITA – Daniel espera… Não vai não. Fica comigo… Pelo menos essa noite. O meu irmão foi dormir na casa da namorada e eu não quero ficar sozinha, a não ser que você precise ir?

DANIEL – Eu não preciso e nem quero ir embora…

 

{Começa tocar: Love Me Like You Do Ellie Goulding}

 

Nesse momento, Lenita se levanta e vai até ele… Ela o encara e depois fecha a porta. Quando ela se vira, Daniel a puxa para si e a beijar ardentemente… Ela o leva pela mão, até o seu quarto e lá eles começam a se beijar cada vez mais, ao mesmo tempo em que vão se despindo… Já nus, eles se deitam na cama e fazem amor como nunca fizeram antes em suas vidas, tamanha era a cumplicidade e a forte atração entre os dois…

 

(Cam – Fade Out)

 

CORTA DIRETO PARA: AMANHECER – CLIPE DE IMAGENS.

(Cam – Fade In)

 

{Ainda tocando: Love Me Like You Do – Ellie Goulding}

 

Cam pega as ondas do mar, em meio ao nascer do sol, a praia, pessoas no calçadão, o trânsito, prédios e termina focando na fachada do Ateliê Garota de Ipanema.

Beatriz estava na sala de reuniões com os empregados e fornecedores da marca, e aguardava a chegada da sua nova sócia…

ESTELA – Com licença, Beatriz. A dona Abigail, sua nova sócia esta ai fora, ela veio oficializar tudo. Ela trouxe uma amiga dela, tudo bem?

BEATRIZ (Sorrindo) – Claro que sim, pode mandar entrar. Então pessoal, finalmente vocês vão conhecer a nova sócia da garota de Ipanema.

Nesse momento, Estela as manda entrar e logo Flávia e Helô entrar cheias de pose e sorrindo…

BEATRIZ (Surpresa) – Helô? O que você esta fazendo aqui? Nós estamos em uma reunião séria, hoje a Abigail vai oficializar a sociedade dela aqui na Garota de Ipanema.

HELÔ – Eu sei disso. O que você não sabe, é que essa aqui não é Abigail, e sim a Flávia. A Flávia é a minha melhor amiga, e essa história toda de empresária rica e nome falso, foi tudo para que você pensasse que estava vendendo metade da empresa pra ela, quando na verdade, ela foi só uma laranja, que comprou em meu nome… Ta aqui toda papelada e a documentação. O documento é legal, foi o meu advogado que redigiu… E a partir de agora, eu sou dona da metade da Garota de Ipanema, e se prepare que muitas coisas aqui, agora irão mudar.

BEATRIZ (Histérica) – Eu não acredito nisso, isso só pode ser uma brincadeira de muito mau gosto… A Garota de Ipanema é minha, só minha. Você não tem esse direito de chegar e se apoderar dela assim…

HELÔ – Como não? Os papéis estão aqui pra provar tudo o que eu estou falando, se você quiser dê pra um advogado analisar, ele vai te confirmar tudo o que eu acabei de dizer aqui. Bom, a gora eu vou indo… Amanhã eu volto e irei trazer uma representante legal pra fazer parte da minha equipe, já que eu tenho que ficar no consultório também e não daria pra eu ficar aqui direto. Tenha um bom dia. Bom dia a todos.

Helô sai toda poderosa, deixando Beatriz arrasada e inconformada…

BEATRIZ – Vocês saiam todos daqui, agora! Vão embora seu bando de urubus… Sumam daqui! (Diz fazendo uma limpa na mesa de reuniões e jogando tudo no chão).

Beatriz fica chorando de ódio e jura acabar com a irmã…

 

CORTA PARA:

CENA 7. INTERNA |DIA |APARTAMENTO DE LENITA – QUARTO.

Lenita acabará de acordar e deu de cara com Daniel a olhando e sorrindo pra ela…

 

DANIEL – Bom dia. Você dormiu bem?

LENITA – Como uma pedra… O que você ainda esta fazendo aqui?

DANIEL – Eu estava te olhando dormir… A noite foi maravilhosa. Eu pensei em levantar e preparar o café pra você, mas como eu não sabia onde estava nada… Depois eu também pensei que seria abuso demais, né? Você poderia não gostar.

LENITA – Para. Chega de falar… É muita conversa, muita informação logo de manhã. Eu quase sempre não acordo de bom humor e hoje é um desses dias, não queira piorar a situação, vai por mim… Você não vai querer me ver mal humorada. (Diz se levantando e juntando as roupas dele) – Agora se você me da licença, eu tenho que tomar banho para ir trabalhar, e você pode ir se trocar lá na sala, enquanto isso… Ah, tem uma excelente cafeteria aqui na esquina… Obrigada por tudo e bata a porta quando sair… (Diz o colocando pra fora do quarto só de cueca e com as roupas e sapatos nas mão, e logo em seguida fechando a porta do quarto).

DANIEL – Lenita espera… (Começa a rir) – Ela é louca, só poder ser. O mulher complicada essa…

 

CORTA PARA:

CENA 8. INTERNA |DIA |MANSÃO DE TEODORA – SALA.

Débora madrugara na sala, esperando Rodrigo sair para lhe dar a notícia… Logo ele desceu as escadas…

 

DÉBORA (Sorridente) – Bom dia, meu amor…

RODRIGO (Sério) – Caiu da cama hoje é? Bom dia.

DÉBORA – Pra poder te dar uma boa notícia, eu ficaria até a noite inteira acordada se fosse preciso.

RODRIGO – Boa notícia? Do que você esta falando?

DÉBORA – Nossa… Não me diga que você já se esqueceu? Eu sei que o seu afeto e consideração comigo continuam deixados de lado, mas pelo menos com o seu filho, você poderia se mostrar um pouco mais interessado né, Papai? (Conclui sorrindo).

RODRIGO – De novo essa história, Débora? Eu já disse que só voltaria a falar nesse assunto de novo, quando você confirmasse com um médico essa suposta gravidez…

DÉBORA (Categórica) – Pois é justamente por isso que eu acordei mais cedo e fiquei aqui sentada te esperando… Eu fui ao médico ontem e esta mais do que confirmado, eu estou mesmo grávida de quatro semanas. Dá só uma olhadinha na foto do ultrasson… Parabéns papai, nós estamos grávidos! (Diz toda feliz e sorrindo atoa).

Rodrigo pega a foto do ultrasson e fica olhando pra ela e para Débora com cara de bobo e sem saber o que falar…

 

CORTA PARA:

CENA 9. INTERNA |DIA |GÁVEA – APARTAMENTO DE LEILA – SALA.

Leila já estava de saída para o trabalho, quando ao abrir a porta deu de cara com Betina que estava chegando da casa de Flávia… As duas se encararam sérias por alguns segundos…

 

LEILA (Sorri) – Bom dia, filha.

BETINA (Fria) – Bom dia. (Diz passando por ela e indo para o quarto e batendo a porta).

Leila fica pensativa e nervosa fecha a porta e deixa a bolsa em cima do sofá. Logo depois, ela vai para o quarto da filha e entra com tudo.

BETINA – Mas o que é isso, você não sabe bater antes de entrar não? Não tem educação?

LEILA – Esse tipo de cortesia, delicadeza, educação… Eu só uso com quem merece e também sabe o que é isso, o que obviamente não é o seu caso. Você disse o que bem quis ontem à noite, na frente do Marcos e da Flávia, me humilhou e ofendeu, agindo como uma menina mimada, fútil e egoísta. Depois saiu daqui como se tivesse com a razão e de nariz empinado. O mesmo que você teve a coragem de passar por mim de novo, quando entrou por aquela porta, ainda há pouco… Agora você vai sentar, e vai ouvir caladinha tudo o que eu tenho pra te dizer… E ai de você se resolver falar um ai que seja… Quem não tem educação, como você mesma disse, pode muito bem partir pra ignorância também. Quer pagar pra ver?

Leila olhou para Betina com cara de ódio e muita brava… Enquanto Betina em silêncio, encarou a mãe com receio, mas com jeito desafiador…

 

(Cam – Closes Alternados).

 

FIM DO CAPÍTULO.

(A imagem congela. Depois se transforma em um cartão postal, jogado sobre Ipanema).

{O capítulo se encerra com a música: Helium – Sia}.

 

 

Eduardo Moretti
Um cara do bem, romântico, sonhador, apaixonado pela vida e que ama o que faz... "Escrever para mim, é deixar de ser criatura para ser criador."