Garota de Ipanema – Capítulo 32

Garota de Ipanema – Capítulo 32

 

NOVELA DE: EDUARDO MORETTI

(CONTINUAÇÃO DO CAPÍTULO ANTERIOR)

 

PALOMA (Chorando) – É verdade isso mãe? A senhora foi capaz de fazer uma monstruosidade dessas?

BEATRIZ – A Celina esta louca, filha… Não acredita em nada do que ela diz.

CELINA – Louca? Louca você vai ver quando eu acabar com você de tanto te bater sua miserável! O Anselmo é um homem tão bom, que nunca fez mal pra ninguém… Que ódio é esse que você tem do seu pai, a ponto de deixar ele pra morrer? Sim porque se eu não estivesse em casa, se eu não descesse aquela hora, o seu pai não estaria mais entre nós.

PALOMA – Eu não to acreditando nisso, meu Deus! A minha própria mãe… Eu não te conheço mais, eu tenho nojo de você… Bem fez o papai que te deixou… Você não merece ser amada. Você não merece o amor de ninguém. (Grita).

BEATRIZ (Desesperada) – Filha, você tem que acreditar em mim, isso não é verdade… Na certa o seu avô estava delirando, ele pensou que me viu, mas eu não estava lá. Essas coisas acontecem, dizem que quando uma pessoa esta a beira da morte, passa um filme na cabeça dela… Vai ver foi isso que aconteceu com o seu avô… (Diz de joelhos, aos pés de Paloma).

CELINA – O seu avô não tinha visto a Helô ainda desde que ela voltou… Aquele dia foi a primeira vez, quando ela entrou com você no edifico. Vocês vinham da praia, estava um tumulto lá embaixo com a nota do jornal sobre a volta da Garota de Ipanema…

PALOMA – Sim, eu me lembro daquele dia… Eu estava vindo da faculdade e vi aquele tumulto todo na praia e decidi ver o que estava acontecendo… Tinha um monte de gente em volta dela, querendo autógrafo, tirar fotos, enfim… Eu que a ajudei a sair de lá e viemos direto pra cá. Mas ela não quis entrar aqui em casa e decidiu passar na casa do vovô…

CELINA – E ela entrou… A porta estava aberta. E seu avô que estava no escritório a viu e fez o maior escândalo, gritando e perguntando quem ela era… O seu avô e ela estavam brigados, ela foi embora do Rio com seu avô de mal dela, enfim… Quando ela revelou quem era, o seu avô teve um acesso de raiva e a tocou pra fora do apartamento. Quando entrou, ele começou a sentir umas fortes dores no peito e enfartou, caindo no chão em seguida… Ai apareceu sua mãe, e no momento em que ele estendeu a mão para ela, ela simplesmente se negou a ajudá-lo e disse com todas as letras que queria que ele morresse, foi ou não foi sua infeliz?

BEATRIZ – Não. Não foi como você falou… Eu fiquei desesperada quando o vi estirado no chão e tentei socorrê-lo, sim. Mas acontece que quando eu estendi a mão pra ele, ele chamou pela Helô…

CELINA – O Anselmo estava desesperado… Ele só tentava dizer que ela esteve ali, ele não estava chamando por ela…

BEATRIZ – Que seja… Como eu poderia saber? A vida toda sempre foi Helô pra cá e pra lá, nunca eu, parece que a Beatriz nem existia… Eu não pensei duas vezes, depois de tudo que a Helô fez e ele dizendo que ela havia morrido pra ele, eu não conseguia aceitar que até naquele momento, perto da morte era ela e não eu, quem ele chamava.

CELINA – Nada justifica o que você fez Beatriz. Mais uma vez, você foi egoísta e agiu tomado pelo ódio que sente da sua irmã.

PALOMA – Pra que tanto ódio assim da sua própria irmã, hein? A tia Helô é um amor de pessoa, a irmã que todos gostariam de ter… Não dá pra acreditar nisso, não dá. Eu vou ficar com o papai essa noite, eu não quero ter que olhar pra sua cara tão cedo.

BEATRIZ (Chorando) – Filha volta aqui, Paloma me perdoa… Eu agüento tudo, menos viver sem o teu amor… Viu só o que você fez? Sua velha maldita!

CELINA – Cala essa boca imunda! E não se dirija mais a minha pessoa, se não eu te arrebento. Só de pensar que eu sempre fui a primeira a te defender e a passar a mão na sua cabeça… Eu sinto raiva de mim mesma… Você esta proibida a partir de agora de pisar lá em casa, ta me ouvindo? Você não é mais bem vinda lá. E se insistir, eu juro que te coloca pra fora a tapas… Tudo que você colher vai ser pouco perto do que você plantou… Aqui se faz, aqui se paga. Fica bem longe de nós… Eu quero te ver rastejando no chão que é o seu lugar, sua cobra peçonhenta.

Celina sai batendo a porta, enquanto Beatriz chora e depois pega o vaso em cima do criado mudo e o arremessa na porta, quebrando-o em pedacinhos…

BEATRIZ (Grita) – Eu te odeio! Sua velha ordinária… Vamos ver quem é que vai rastejar, se sou eu no chão ou você nos meus pés.

 

CORTA DIRETO PARA: APARTAMENTO DE LENITA – GÁVEA.

Todas se olham por alguns segundos, esperando o anúncio de Flávia que faz cara de suspense e depois sorri, entregando um envelope para Helô, que abre imediatamente, enquanto Lenita ansiosa do lado dela tenta ver do que se trata…

 

HELÔ (Feliz) – Mas isso quer dizer que…

FLÁVIA (Entusiasmada) – Parabéns Helô! Você é a nova sócia da Garota de Ipanema.

LENITA – Eu não acredito… Então você conseguiu Helô?

HELÔ (Sorrindo) – Nós conseguimos… Eu não teria conseguido sem a ajuda de vocês duas. Minhas melhores amigas e irmãs, que eu amo de paixão! (Diz abrindo os braços).

As três se juntam num abraço triplo e emocionado…

LENITA – Isso merece uma comemoração… E eu tenho uma champanhe geladinha. Vou buscar.

FLÁVIA – Nossa por um momento, eu pensei que não fosse conseguir… A sua irmã não é nada boba, ela ficou me enchendo de perguntas o tempo todo. Mas foi só eu bancar a empresária rica que ela logo deu o seu preço, um pouco alto, mas enfim… Pelo menos, ela resolveu vender.

LENITA – Aquela ali é cobra criada, na certa já esta pensando no que fazer para arrancar mais dinheiro de você. (Diz servindo champanhe para as amigas).

FLÁVIA (Ri) – Meu não… De Abigail Campos Salles, vulgo Helô.

HELÔ (Ri) – Mas o dinheiro não importa. O que importa agora é que eu vou poder ficar perto da inimiga e vigiá-la, além de poder ajudar a Paloma também… Aquela garota me conquistou, e eu não irei permitir que a Beatriz continue tirando proveito dela, como sempre fez comigo.

LENITA – Assim é que se fala amiga… Eu proponho um brinde ao futuro da Garota de Ipanema e a derrocada da Beatriz!

TODAS – Tim-Tim!

 

CORTA DIRETO PARA: LEBLON – APARTAMENTO DE DANIEL.

Daniel de pensar, da a sua opinião sincera ao filho…

 

DANIEL – Todo amor é possível, filho. Um amor entre primos já foi sim um tabu, os pais e familiares de antigamente não aceitavam bem, eles não viam esse tipo de relacionamento com bons olhos… Diziam que as crianças nasciam com deficiências e que era um ato de pecado até. Mas pesquisas sobre genética revelam que o risco de um casal sem parentesco gerar um filho com deficiência é de 3%. Já para casais que têm consangüinidade, ou seja, o mesmo sangue, o risco sobe para 6 a 8%, caso eles não apresentem histórico de doenças genéticas na família. Todos nós carregamos conosco genes bons e ruins, e o fato do casal ser ou não primos independe disso. Depois hoje em dia, existem exames que os casais antes de ter filhos fazem, pegando todos os seus históricos médicos e comparando com esses exames, cruzando os seus DNAs, fazendo um mapeamento genético sobre os futuros filhos, e se os mesmos têm chance ou não de desenvolver algum tipo de deficiência tanto na barriga da mãe ou no futuro.

BRUNO (Aliviado) – Obrigado pai… O senhor tirou um peso das minhas costas.

DANIEL (Sorri) – Viu só como é bom ter pais médicos? Quanto a esse fator filho, você pode ficar sossegado. Agora é melhor você se preparar se quiser mesmo viver esse amor… Porque em relação ao preconceito e a cabeça das pessoas, desses infelizmente você não estará livre.

Bruno olha sério para o pai, que da um tapa no seu braço em sinal de apoio…

 

CORTA PARA:

CENA 1. INTERNA |NOITE |COPACABANA – APARTAMENTO DE PEDRO E HELÔ – QUARTO.

Pedro e Helô estão deitados na cama, agarradinhos e namorando, enquanto conversam…

 

PEDRO – É tão bom ter o nosso canto agora, poder curtir toda essa paz e sossego… Eu sonhei com isso a vida toda, sabia? Você, eu e o nosso refúgio.

HELÔ (Sorri) – Eu também… Em cada passo que eu dava na vida, eu ficava imaginando você do meu lado, como seriam as coisas… A vida, o destino e uma série de coisas não foram justos com a gente, com o nosso amor, e mesmo assim aqui estamos nós dois juntinhos. Quando é pra ser, passe o tempo que passar, esteja a gente onde estiver, vai acontecer… Muitas pessoas dizem isso, eu particularmente confesso que nunca acreditei em destino, mas tai a nossa história pra comprovar que ele existe sim.

PEDRO – Verdade. É só uma pena que ele demore um pouco as vezes né? Por isso, eu quero de agora em diante aproveitar cada segundo do seu lado, pra compensar todo tempo perdido…

HELÔ – Mas quem é que esta com pressa, hein? A gente tem a vida toda pela frente…

 

{Começa a tocar: Everything I Own – Bread}

 

Pedro e Helô começam a se beijar com paixão, mas antes das coisas esquentarem, eles são interrompidos pelo som da campainha…

PEDRO – Ué, mas quem será uma hora dessas? Justo na nossa primeira noite aqui no apê? Eu voto pra gente ignorar, o que você acha?

HELÔ – Melhor não, vai atender. Pode ser importante… De repente é uma das suas filhas.

PEDRO – Mais ai o que eu faço? Elas não podem te ver aqui comigo, pelo menos até que a gente conte toda a verdade…

HELÔ – Bom, se for mesmo uma delas, acho que não deve demorar. Eu fico aqui no quarto te esperando. Agora vai…

PEDRO – Eu te amo. Não sai daí…

HELÔ (Sorri) – Como? Nem se eu quisesse… Também te amo, bobo.

Pedro pulou da cama e foi ver quem era… Quando chegou à porta e abriu, era Paloma que o abraçou chorando…

PEDRO (Espantado) – Paloma… Que foi que aconteceu filha?

PALOMA – Deixa eu ficar aqui essa noite, pai? Por favor! (Diz e vai entrando).

PEDRO – Aqui em casa? Bom, eu nem sei o que dizer filha… Você me pegou de surpresa agora. Eu me mudei hoje, o apartamento ainda esta uma bagunça… Mas porque você quer dormir aqui hoje, aconteceu alguma coisa? Você brigou com a sua mãe?

PALOMA – Mais que isso, pai… Foi o maior rolo, a Celina teve lá em casa, acusando a mamãe, ela estava fora de si, precisava ver. Eu nunca vi a Celina daquele jeito. Ela deu até um tapa na cara da mamãe.

PEDRO (Chocado) – A Celina? Eu não posso acreditar nisso, então foi sério mesmo? O que aconteceu pra Celina ter uma atitude dessas? O que foi que a sua mãe aprontou dessa vez?

PALOMA – Ela acusou a mamãe de ter deixado o vovô pra morrer… Ela esteve no apartamento, viu o vô Anselmo estirado no chão e se negou a socorrê-lo.

PEDRO – Como é que é? Eu to chocado com essa atitude da Beatriz… Não socorrer o próprio pai? Agora eu entendo porque o Anselmo não queria nem vê-la no hospital.

PALOMA – Eu não conheço mais a dona Beatriz… Eu acabei falando um monte coisas pra ela também e vim correndo pra cá. Eu não queria ter que olhar pra cara dela mais hoje… E então, será que eu posso ficar aqui essa noite?

Pedro ficou sem graça e sem saber o que falar para a filha, mas por fim acabou deixando… Depois que Paloma se acalmou mais, ele foi até o quarto falar escondido com Helô…

PEDRO – Me desculpa, meu amor… A Paloma me pegou de surpresa com essa história toda. Não teve como eu falar não, você entende né?

HELÔ – Claro que sim, Pedro. Pode ficar tranqüilo… Eu vou pegar umas coisas, coloco numa bolsa e saio pela área de serviço. Eu durmo na casa da Flávia hoje. Nós vamos ter muitas noites pela frente ainda… Agora eu só te peço que me conte direitinho essa história toda amanhã, porque a Beatriz não pode ficar impune. Isso que ela fez foi muito grave. O papai poderia ter morrido.

PEDRO – Sim com certeza. Mas amanhã eu te explico melhor e nós conversamos com calma, não adianta agirmos de cabeça quente também, fazendo outra besteira. E você me promete que vai se segurar?

HELÔ – Prometo. Eu não sou nenhuma louca como a Beatriz, não. O que é dela esta guardado e na hora certa, ela vai ter o que merece. Bom, eu já vou indo. Cuida bem da Paloma, beijo até amanhã.

PEDRO – Pode deixar. Beijos…

Helô saiu pela área de serviço, enquanto Pedro distraia Paloma, conversando com ela que estava muito nervosa… A noite prometia ser longa.

 

CORTA PARA:

 

ABERTURA:

 

CENA 2. INTERNA |NOITE | APARTAMENTO DE LENITA – APARTAMENTO DE DANIEL.

 

{Começa tocar: Mais Um Na Multidão – Erasmo Carlos e Marisa Monte}

 

Lenita sem conseguir dormir abre a porta do terraço gourmet e fica sentada na varanda, tomando ar fresco e olhando para o céu, as estrelas, o mar lá embaixo… Ela começa a pensar em Daniel e a rever imagens na sua cabeça das vezes que esteve com eles, nas brigas, nele derramando café na sua blusa e por fim começa a sorrir… Algo nele mexia e muito com ela, mas para o bem deles e principalmente dela que não queria envolvimento sério com homem nenhum, era melhor que eles nunca mais se vissem…

Do outro lado da cidade, Daniel também acordado e vendo TV na sala, parecia não encontrar nada de interessante passando na telinha, cansado de zapear, ele logo desligou o aparelho e foi pra varanda do apartamento. Estava uma noite quente e logo ele tirou a camiseta e ficou admirando a céu… Logo Lenita veio em sua mente e ele sorria sem parar de pensar na bela morena, em como ela era bonita e tinhosa. Daniel queria vê-la de novo, conhecê-la melhor, mas ela era muito arredia e ele não sabia como chegar até ela… Depois de muito pensar, ele chegou à conclusão de que era melhor deixar pra lá, e partir pra outra, com Lenita seria impossível um relacionamento sério e ele queria ser feliz ao lado de uma mulher, que buscasse as mesmas coisas que ele…

 

CORTA DIRETO PARA: LEBLON |APARTAMENTO DE FLÁVIA.

{Tocando: Beija Eu – Silva}

 

Flávia e Betina estão namorando no sofá, aos beijos e carícias, quando a campainha toca…

BETINA – Ué quem será? Você estava esperando alguém?

FLÁVIA (Surpresa) – Eu não. Bom, de repente é só o porteiro que esqueceu de entregar alguma correspondência e veio me trazer… Deixa eu ver. (Diz se levantando do sofá e indo até a porta).

Flávia abre a porta e surpresa da de cara com  Helô…

FLÁVIA (Sem graça) – Helô?

HELÔ – Desculpa chegar assim, sem te avisar amiga… Eu vim numa má hora?

FLÁVIA – Não, claro que não. Entra… Eu estava conversando com uma amiga.

Nesse momento Betina olhou torto pra Flávia que sem graça desviou o olhar dela…

FLÁVIA – Essa é a Betina.

HELÔ (Simpática) – Ah, mas espera ai… Eu acho que conheço você. Você não é filha da Leila?

BETINA (Sorri) – Sim, sou eu mesma. E você é a famosa Garota de Ipanema? Prazer.

HELÔ (Sorri) – Nem tão famosa assim… O prazer é todo meu. Bom eu espero não ter atrapalhado o programa de vocês, na verdade eu queria saber se eu posso ficar aqui essa noite, Flávia? Mas por favor, eu não quero atrapalhar. Senão puder, eu vou pra casa do meu pai…

FLÁVIA – Imagina Helô. Você nunca atrapalha e depois esse apartamento esta sempre de portas abertas pra te receber.

HELÔ – Obrigada.

BETINA – Bom, eu já vou indo.

FLÁVIA – Mais já? Fica mais um pouco…

BETINA – Não dá mesmo. Amanhã eu tenho que acordar cedo e resolver umas coisas na Insight que estão pendentes, enfim… Boa noite pra vocês.

HELÔ – Boa noite. Da um abraço na sua mãe por mim.

Flávia acompanhou a namorada até a porta que saiu sem nem olhar pra cara dela…

HELÔ – Espero que ela não tenha saído por minha causa…

FLÁVIA – Não. Ela já estava de saída mesmo. Mas me conta o que foi que aconteceu pra você deixar o Pedro logo na primeira noite de vocês no apartamento novo? Vocês não brigaram não né?

HELÔ – Não. Graças a Deus esta tudo bem entre a gente… A Paloma apareceu por lá, estava aflita, chorando, querendo saber se podia dormir lá essa noite. Ai como ela não sabe ainda de mim e o Pedro, eu sai escondida pela área de serviço.

FLÁVIA – Mas chorando? O que aconteceu com ela?

HELÔ – Nem te conto menina, mais uma da Beatriz… Senta ai, que eu vou te falar tudo.

Flávia sentou-se perto da amiga, e Helô foi lhe contando tudo…

 

CORTA PARA:

CENA 3. INTERNA |NOITE |BARRA – MANSÃO DE TEODORA – SALA.

Rodrigo esta pensativo sentado no sofá e César que ia passando vê o enteado cabisbaixo e resolve dar uma força…

 

CÉSAR (Sorri)  – Dia difícil? (Indaga batendo na perna dele e senta no sofá).

RODRIGO – Vida difícil… Ta complicado pro meu lado viu César. E o pior é que eu não sei como vai ser de agora pra frente…

CÉSAR – Essa gravidez da Débora te pegou de surpresa não é mesmo?

RODRIGO – Muito. Eu não a amo mais, e se ela estiver realmente grávida, eu só assumirei o meu filho. Eu não vou viver o resto da minha vida do lado de uma mulher sem amor, isso eu não vou fazer mesmo. O duro vai ser ela entender isso e me deixar em paz… E o pior você não sabe, eu conheci uma garota bacana, bonita, a gente ta namorando sério e eu amo ela. Com essa sim eu me casaria e formaria uma família. Mas com a Débora, nem pensar…

CÉSAR – Isso é o que eu chamo de uma sinuca de bico, Rodrigão. Cara, eu não queria estar na tua pele não viu…

RODRIGO – Nem eu queria, César… Nem eu. Tudo o que eu não quero agora é perder a Paloma por causa dessa história toda. É só isso que eu quero. (Diz desanimado).

 

CORTA PARA:

CENA 4. EXTERNA |DIA AMANHECENDO |CLIPE DE IMAGENS DO RIO.

{Começa tocar: O Segundo Sol – Cássia Eller}

 

Cam pega imagens panorâmicas e privilegiadas do Rio – O arpoador, pão de açúcar, o Cristo, montanhas, praias, mar…

 

CORTA DIRETO PARA: FACULDADE DE ARTE E MODA.

Paloma levou Bruno para conhecer a sua faculdade e ver se ele se interessava pelo curso de fotografia…

 

BRUNO (Entusiasmado) – Nossa o espaço aqui é grande, as pessoas são bem descoladas, eu to gostando bastante.

PALOMA – Que bom, eu fico feliz por você… Mas você ainda não viu nada, e a julgar pelo seu entusiasmo primo, eu acho que nós iremos nos tornar colegas de faculdade.

BRUNO – Tomara. Mas e o laboratório de fotografia que você me falou?

PALOMA – Eu vou te levar até lá, vem comigo…

 

{Começa tocar: Esquecimento – Skank}

 

Paloma começou mostrar tudo para Bruno que mais parecia uma criança num parque de diversões, de tão feliz que ele estava. E foi no laboratório de fotografia que ele se sentiu mais a vontade e se deu super bem conversando com o professor, que ia lhe explicando tudo sobre o curso… Paloma de longe sorria ao ver o entusiasmo do primo…

 

CORTA PARA:

CENA 5. INTERNA |DIA |CONSULTÓRIO MÉDICO.

Celina levara Liah até a doutora Luciana em mais uma consulta de acompanhamento…

 

DRA. LUCIANA – Nossa Liah, você esta de parabéns! Os seus exames melhoraram bastante, você perdeu dois kilos e esta mais bonita, mais pra cima… A terapia tem feito muito bem pra você também. Você é outra garota.

CELINA (Sorri) – Eu disse a ela… Graça a Deus, esta tudo caminhando muito bem.

DRA. LUCIANA – Se continuar assim, dentro em breve nós chegaremos ao seu peso ideal e ai o acompanhamento passa a ter um intervalo maior. Continue assim, que você me deixou muito feliz mesmo, parabéns.

LIAH (Sorri) – Obrigada Doutora.

 

CORTA PARA:

CENA 6. INTERNA |TARDE |IPANEMA – COBERTURA DE ANSELMO – SALA.

Helô e Pedro conversavam com Anselmo e Celina sobre a situação deles…

 

HELÔ – Então é isso gente… Eu e o Pedro nos amamos e estamos juntos de novo. Nós resolvemos nos dar uma segunda chance.

CELINA (Sorri) – E fizeram muito bem. Eu fico muito feliz por você dois e dou todo meu apoio.

HELÔ (Sorridente) – Obrigada Celina.

PEDRO – E o senhor, não vai dizer nada seu Anselmo?

ANSELMO – Sabe meu filho, eu já abençoei a união de vocês há mais de vinte anos atrás… Na época eu confesso que não fui muito com a sua cara, pra mim você era só mais um surfista desses vagabundos que vivem na praia e que não quer nada com a vida. O tempo foi passando, você se tornou um grande arquiteto e me provou o contrário, que existe sim rapazes sérios e bem intencionados seja aonde for… Você e a Helô acabaram se separando e você engravidou a Beatriz e se casou com ela. Vocês nunca tiveram nada a ver um com o outro, diferente de você com a Helô, que a gente vê que foram feitos um pro outro. Quando você se casou com a Beatriz, novamente você caiu no meu conceito. Mas com o passar dos anos, eu fui vendo o surfista se tornando um grande arquiteto, um ótimo pai para as minhas netas e dentro do possível um bom marido para minha filha, foi um santo até eu diria. Eu no seu lugar não teria suportado a Beatriz nem metade do tempo que você suportou… Você se tornou um homem honrado, honesto, digno e do qual eu me orgulho e muito Pedro. E a vida agora se encarregou de colocar você e a Helô novamente no mesmo caminho, como deveria ter sido desde o começo e eu estou muito feliz com isso. O que eu posso dizer do fundo do meu coração é que sim… Eu abençoou a união de vocês novamente e desejo do fundo do meu coração que vocês sejam muito felizes.

Todos se emocionam e Helô abraçou o pai… Pedro também abraçou Anselmo e Celina e todos juntos brindaram a felicidade de Pedro e Helô…

 

CORTA PARA:

CENA 7. INTERNA |NOITE |APARTAMENTO DE LEILA.

Depois de conversarem e se entenderem, Flávia prometera a Betina que a apresentaria como namorada pra quem quer que fosse, e Betina a convidara para jantar em sua casa e assim apresentá-la a Leila, sua mãe…

 

FLÁVIA – Ainda chateada com a minha atitude ontem diante da Helô?

BETINA – Sinceramente eu nem sei mais se fico brava, chateada ou até triste comigo mesma… Você sabe que eu nunca tive problema nenhum em ser quem eu sou, e entendo que pra você seja difícil, mas pelo amor de Deus, Flávia! Nós somos adultas, vacinadas, pagamos as nossas contas… A gente não deve satisfação pra ninguém não. Vamos viver a vida do nosso jeito e ser felizes enquanto há tempo, porque o futuro, o amanhã, a Deus pertence.

FLÁVIA – Tem razão, meu amor. E mais uma vez, eu te peço desculpas ta? Eu prometo melhorar cada vez mais, e pra provar que é verdade o que eu estou falando, eu to aqui hoje né? Na sua casa, prestes a ser apresentada pra sua mãe, num jantar em família… É ou não é um grande passo pra quem esta começando a sair do armário, hein?

BETINA (Sorri) – Tem razão… Eu confesso que é sim.

FLÁVIA – E o meu próximo passo será me revelar para a Helô que é a pessoa mais importante da minha vida…

BETINA – E os seus pais né? Você nunca fala deles, quando é que eu irei conhecer os meus sogros? (Indaga sorrindo).

Flávia fica séria de repente e muda de assunto ao ver Leila chegando…

FLÁVIA – Olha a sua mãe ai…

LEILA (Simpática) – Boa noite. Você deve ser… Mas espera ai, eu acho que estou conhecendo você de algum lugar? Mas é claro, do consultório médico… Você não é especialista em reprodução humana? Dra. Flávia não é isso?

FLÁVIA (Sorri) – Sim, sou eu mesma. Agora me desculpe, mas a minha memória é péssima e eu não estou me lembrando da senhora…

LEILA – Eu estive no seu consultório tem quase dois meses, eu fui acompanhando a Lenita minha sócia, que deseja engravidar, na primeira consulta dela.

FLÁVIA – Mas é claro, agora eu estou me lembrando. Prazer, Flávia.

LEILA – O prazer é todo meu… Mas, por favor, sente-se e fique a vontade. Você bebe alguma coisa? Uma água, um suco, champanhe…

FLÁVIA (Sorri) – Olha se tiver, eu aceito uma cervejinha gelada pra relaxar…

LEILA (Ri) – Você é das minhas… Filha, por favor, pega lá uma cerveja pra gente na geladeira.

BETINA (Sorri) – Pode deixar. Que bom que vocês me pouparam o trabalho de ter que apresentar vocês duas… Assim ficamos mais a vontade.

LEILA – Com certeza. Mas que mundo pequeno esse né? Nós todos numa certa roda de convivência e com amigos em comum… A vida é mesmo uma caixinha de surpresas.

FLÁVIA – Verdade… E quando são surpresas boas, melhor ainda.

LEILA – Você é um encanto de pessoa, a minha filha esta mais feliz desde que te conheceu… Muito obrigada por isso ta? (Diz baixinho e emocionada a Flávia).

Nesse momento, Betina veio da cozinha trazendo a bandeja com as taças de cerveja…

BETINA – Nossa mãe ta um cheirinho tão bom lá na cozinha, que esta me dando até fome… O que a senhora fez de especial hoje, hein dona Leila?

LEILA – Surpresa… Só revelo na hora do jantar. Em dez minutos eu coloco a mesa. É o tempo de tirar o assado do forno e terminarmos a nossa cervejinha. (Diz bebendo um gole) – Bom eu queria aproveitar esse jantar, pra fazer um comunicado muito importante também, filha… Tem quase um mês, que eu estou namorando e eu irei apresentá-lo hoje também pra você.

BETINA (Empolgada) – Que danada você… Um mês! E eu não sabia de nada. Mas se você esta feliz, isso é o que realmente importa, e eu fico muito feliz pela senhora também. Quem é ele, eu conheço?

LEILA (Sorri) – De certa forma conhece sim… Mas eu não falo mais nada, meus lábios estão selados. Você vai ter que esperar pra ver… Tudo bem de trazer ele hoje aqui? Eu não quero atrapalhar o seu momento hein?

BETINA – Imagina mãe… Você não poderia ter escolhido ocasião melhor pra isso. Mãe e filha apresentando uma pra outra, o seu namorado e namorada num jantar? É perfeito. (Diz sorrindo e beijando Leila).

FLÁVIA (Sorri) – Eu também acho.

Nesse momento a campainha toca e todas ficam eufóricas…

LEILA (Sorridente) – Deve ser ele… Deixa que eu atendo. (Diz indo abrir a porta).

Betina e Flávia se levantam e ficam esperando para cumprimentá-lo… Leila abre a porta e Marcos que esta nervoso só sorri…

MARCOS (Nervoso) – Boa Noite!

BETINA – Não é ele… (Cochicha no ouvido de Flávia).

LEILA – Entra Marcos e fica a vontade.

BETINA – Nossa mãe esse seu namorado esta demorando muito, eu estou louca de fome.

Leila e Marcos começam a rir e Betina fica sem entender o motivo…

LEILA – Filha… Você não entendeu nada ainda. Mas também sempre apressada né? Marcos, a minha filha Betina você já conhece da Insight…

MARCOS (Sem graça) – Como vai Betina?

BETINA – Bom apesar da gente já ter se visto hoje na agência, eu estou bem e você?

MARCOS (RI) – Bem também…

LEILA – E essa é a Flávia, a namorada da Betina.

FLÁVIA (Sorri) – Prazer, Marcos.

MARCOS – O prazer é todo meu.

LEILA – E finalmente filha… Esse é o Marcos, o meu novo namorado.

Betina fica de boca aberta e logo em seguida tem um acesso de riso… Deixando todos confusos e sem graça.

 

CORTA DIRETO PARA: LEBLON – APARTAMENTO DE DANIEL – SALA.

Bruno chega em casa animado e encontra o pai preparando o jantar…

BRUNO – Boa noite, pai.

DANIEL – Finalmente chegou, hein Bruno… Onde o senhor estava até uma hora dessas?

BRUNO – Eu passei o dia tirando umas fotos e também fui na faculdade com a Paloma pra conhecer melhor o ambiente, ela me apresentou o professor do curso de fotografia e eu fiquei louco com o laboratório deles, tudo de primeira linha, tinha que ver… Que cheiro é esse? O que você esta cozinhando ai?

DANIEL – Eu decidi fazer uma macarronada com salsicha para o jantar, e estou apurando o molho aqui… Por quê? O cheiro não esta bom?

BRUNO – Já vi que quem esta em apuros sou eu hoje né? Com esse seu molho apurando ai… Desculpa a sinceridade pai, mas o cheiro não esta bom não.

DANIEL – Ah deixa de implicância vai, você nem experimentou ainda… Eu aposto uma pizza com você que esta delicioso, quer ver? (Diz pegando um pouco de molho na colher e experimentando) – Nossa… O pior é que esta ruim mesmo filho. (Diz fazendo careta).

BRUNO (Ri) – Eu sabia, vamos de pizza então.

DANIEL – Definitivamente não dá pra continuarmos sem uma moça aqui em casa pra nos ajudar e fazer uma comida decente. Eu preciso ver isso o quanto antes, eu vou pedir pra sua mãe ou a Flávia me ajudar na contratação de uma empregada, que elas entendem melhor disso. O que não pode é ficarmos nessa bagunça e viver só de pizza né?

BRUNO – Por mim, tudo bem a parte da pizza.

DANIEL – Engraçadinho… Vai pede a pizza, enquanto eu tomo uma ducha rápida. E me diz uma coisa, o que você decidiu sobre o curso de fotografia?

BRUNO (Entusiasmado) – Eu decidi fazer, claro. Já até me matriculei pra próxima turma que deve fechar nos próximos dias.

DANIEL – Que bom filho. Eu fico feliz por você ter encontrado algo pra fazer e que você goste né? Que te dê prazer… Você tem dinheiro ai?

BRUNO – Tenho sim.

DANIEL – Bom se precisar de mais algum pega na minha carteira lá no quarto… Já volto.

BRUNO – Vai lá… (Diz se jogando no sofá com o celular na mão e ligando pra pizzaria).

CORTA DIRETO PARA: APARTAMENTO DE LEILA.

 

{Começa tocar: Instrumental Tensão}

 

O clima pesa diante do comportamento de Betina e Leila a enfrenta…

LEILA – Que foi? Qual o motivo da graça que eu não entendi?

BETINA – É sério isso mãe?

LEILA – É sério sim, porque não seria?

BETINA – Bom pra começar porque a palavra “Novo” se encaixa perfeitamente em seu namorado… Você pirou né? O Marcos tem idade pra ser seu filho.

FLÁVIA – Betina! (Diz a repreendendo).

BETINA – Não. Vocês me desculpem a sinceridade, mas eu não posso ficar calada diante de uma situação dessas… Se trata da minha mãe se expondo ao ridículo.

LEILA (Grita) – Chega! Cala essa boca, Betina. Se você não esta de acordo comigo namorando o Marcos, pelo menos me respeite, ouviu? Eu sou sua mãe. Me desculpa Marcos, me desculpa Flávia, mas eu estou tão surpresa quanto vocês com essa atitude mesquinha da minha própria filha, que sempre foi a primeira a me apoiar para que eu arrumasse um namorado, e quando eu arrumo um é assim que você se comporta? De maneira egoísta e preconceituosa, logo você?

BETINA – Entenda como quiser. Eu sempre te apoiei sim, para que você namorasse e encontrasse um homem legal e bacana, mas que fosse da sua idade, que pudesse ser um marido pra você e não um filho.

MARCOS – Olha me desculpa, Betina… Mas você esta equivocada ao meu respeito e você não me conhece direito pra me julgar assim…

BETINA – Cala a boca, que eu não estou falando com você.

LEILA – Mas falou sobre ele e ele tem todo o direito de se defender. Na minha casa, eu não aceito que ninguém seja maltratado, ouviu? Não foi essa a educação que eu te dei. O Marcos é o meu namorado e eu exijo que tanto ele, quanto eu sejamos respeitados.

BETINA – Ok. Ta certo… Só não conte comigo pra confraternizar com essa palhaçada toda. Vamos embora daqui Flávia? De repente eu perdi o apetite.

FLÁVIA (Sem graça) – Boa noite, pra vocês. Tchau. (Diz e sai acompanhando Betina).

LEILA (Inconformada) – Eu não estou acreditando nesse comportamento da Betina… Meu Deus!

MARCOS – Calma, meu amor… Eu estou aqui com você e estarei sempre do seu lado, ta? (Diz dando um beijo no rosto de Leila e a abraçando).

 

CORTA PARA:

CENA 8. INTERNA |NOITE |IPANEMA |COBERTURA DE BEATRIZ – SUÍTE MASTER.

Beatriz estava distraída olhando a noite carioca pela varanda do seu quarto, quando foi surpreendida por Paloma…

 

PALOMA – Mãe…

BEATRIZ (Surpresa) – Filha? Que surpresa boa, eu pensei que você ainda não fosse voltar pra casa hoje… (Diz sorrindo e indo de encontro a ela para abraçá-la, mas Paloma se esquiva dela).

PALOMA – Por mim eu não voltava mesmo. Mas eu não achei justo ficar incomodando o papai também, ele acabou de se mudar, esta ajeitando tudo ainda, enfim… E depois tem a Liah, eu só voltei por causa dela também.

BEATRIZ – Entendi… E o seu pai, como ele esta? Já esta morando com outra mulher? (Sorri sem graça).

PALOMA (Fria) – Ele esta bem, agora quanto a estar ou não com outra mulher, eu sinceramente não sei… Mas se estiver e ela o fazer feliz é o que importa, porque o meu pai merece tudo de bom nessa vida. Olha só, não foi pra falar dele que eu vim até aqui. Eu ainda estou muito chocada com a história que a Celina contou, e eu vim até aqui pra tentar entender um pouco tudo isso. Do que se passa na sua cabeça… Eu queria saber, porque a senhora sente tanto ódio e rancor da tia Helô? O que foi que ela te fez, pra você ter chegado ao ponto de deixar o vovô pra morrer, implorando por ajuda, sem socorrê-lo hein? Eu não entendo, e juro que nada do que eu possa imaginar, faz sentido pra mim, em você ser essa pessoa tão egoísta, rancorosa, infeliz e má… Então me explica por favor, o porquê de você odiá-la tanto assim…

BEATRIZ – Você não entenderia… Nunca ninguém entendeu. Basta apenas que você saiba que a Helô não é essa pessoa tão boa assim como todos vocês pensam. Você sabia que era pra ter sido eu, a Garota de Ipanema? A Helô sempre me roubou tudo, ela sempre quis tudo o que era meu… Agora me responde, como eu posso amar uma irmã assim como ela, que me tirou tudo o que ela tirou, hein?

PALOMA – Eu não acredito nisso. Porque se fosse verdade mesmo, tudo o que você me falou… As pessoas estariam do seu lado e não do lado dela. E o que eu vejo, é exatamente o contrário, todo mundo ama a tia Helô. Eu mesma adoro ela, e olha que faz pouco tempo que eu a conheço.

BEATRIZ – Pega ela pra ser sua mãe então.

PALOMA – Se eu pudesse escolher… Mas quer saber? Pra mim chega, eu não quero mais discutir com você, cansei… Eu espero de verdade que você faça um exame de consciência e reflita melhor sobre o que fez, sobre as suas atitudes com todo mundo, porque uma hora não vai ter mais volta e ai será tarde demais pra querer se arrepender ou consertar qualquer coisa… Pensa nisso ta? Boa noite.

Paloma saiu do quarto apressada, e Beatriz ficou se roendo de tanto ódio…

 

CORTA PARA:

CENA 9. INTERNA |NOITE |LEBLON – APARTAMENTO DE FLÁVIA – SALA.

Betina estava desnorteada de tão nervosa e decidiu dormir no apartamento de Flávia. Quando chegaram, ela se jogou no sofá e Flávia abismada com tudo aquilo, falaria com ela…

 

FLÁVIA – O que foi aquilo na casa da sua mãe, hein? Eu fiquei muito surpresa com a sua reação, eu confesso que não te reconheci hoje, Betina.

BETINA – Deve ser porque não era a sua mãe né? Ah me poupe Flávia… Qualquer um se escandalizaria com a diferença de idade entre eles.

FLÁVIA (Nervosa) – Sim, mas pessoas preconceituosas, ignorantes, que existem aos montes por ai e que não precisa ser a filha da gente por exemplo. Cadê a bandeira que você sempre levanta, sobre ser feliz, não se importar com a opinião dos outros, muito menos em ser diferente… Você é gay! Você deveria ser a primeira a apoiar a sua mãe, o namoro dela… Você já sofreu preconceitos, sabe como as coisas funcionam, poxa…

BETINA – Chega Flávia, por favor! Eu não quero mais falar nesse assunto. Foi pensando no bem da minha mãe, que eu agi da maneira que agi. Depois esse Marcos, pode estar só querendo tirar proveito dela, ou brincando com os sentimentos dela… E eu não quero que ela sofra. Eu posso dormir agora?

FLÁVIA – Claro que pode… Bom pra encerrarmos o assunto de vez, eu só acho que a Leila merece ser respeitada e feliz. Ela precisa de apoio… O mesmo apoio que ela te deu a sua vida inteira, sabendo que você era diferente e te aceitando como você era. Nem todas as mães têm essa atitude, sabia? Boa noite… Ah, você dorme no sofá hoje, quem sabe assim você reflete melhor sobre a burrada que fez.

Flávia vai para o quarto e Betina se deita emburrada no sofá…

 

CORTA DIRETO PARA: AMANHECER – CLIPE DE IMAGENS.

{Começa tocar: A Sky Full Of Stars – Coldplay}

 

Em meio às paisagens do Rio, praias, mar, céu, prédios, calçadão, montanhas… Vemos Pedro e Helô animados e felizes, saindo com o carro para passar o fim de semana em Angra dos Reis, na casa de praia dos Bittencourt…

 

CORTA PARA:

CENA 10. INTERNA |DIA |ATELIÊ GAROTA DE IPANEMA – SALA DE BEATRIZ.

Beatriz e Estela estavam em reunião com os organizadores do desfile que aconteceria em três semanas. Depois de tudo finalizado, Beatriz o acompanharia até a saída…

 

BEATRIZ (Simpática) – Bom acho que é isso… Tudo certo então. Qualquer dúvida, vocês entrem em contato comigo ou com a Estela, a minha assistente aqui. Me acompanhem, por favor. Estela, eu vou dar uma conferida na produção, como estão com as meninas lá no barracão e já volto pra assinar os documentos que você me falou.

ESTELA – Ok.

Beatriz saiu da sala e logo Estela se levantou e fechou a porta correndo… Depois ela se sentou na cadeira de Beatriz e começou a fuçar em seu notebook…

ESTELA (Ri) – Bingo! Quem diria… A safada chorando os dólares roubados aqui do cofre, falando em falência e tudo, e com uma conta exorbitante dessas na Suíça… Trinta milhões de dólares. Agora é descobrir a senha pra que eu e o Jonas possamos sumir daqui e pra sempre. Com essa quantia, a gente pode recomeçar em qualquer lugar do mundo! Se prepare para o grande golpe, Beatriz Bittencourt… Se você acha que já perdeu muito, espere até ver essa conta zerada. É no fim das contas até que vai ter valido a pena ter te aturado todos esses anos…

 

CORTA PARA:

CENA 11. EXTERNA |TARDE |TELHADO DO EDIFÍCIO BELA VITA – IPANEMA.

Bruno e Liah se encontravam mais uma vez no lugar preferido deles, o telhado do edifício… Ela o esperava distraída, quando ele chegou já tirando fotos dela…

 

{Começa tocar: Not Today – Imagine Dragons}

 

LIAH (Sorri tímida) – Para Bruno… Você gosta mesmo de tirar fotos hein? Tantos lugares e paisagens lindos por ai, você fica gastando filme comigo?

BRUNO – É que você e a sua beleza superam tudo… No brilho dos seus olhos, por exemplo, eu vejo tudo a minha volta refletido como na emoção de uma foto, só que em movimento.

Os dois se encaram sérios por alguns segundos e Liah disfarça…

LIAH – Eu trouxe o meu som, pra gente ouvir música…

BRUNO – Que bom. Então solta o som ai, enquanto eu faço umas imagens só pra descontrair um pouco… Afinal, você esta falando com o mais novo integrante do curso de fotografia da Faculdade de Artes do Rio de Janeiro! (Diz todo orgulhoso e sorrindo).

LIAH (Eufórica) – Eu não acredito… Meu Deus! Meus parabéns, Bruno. Você merece…

BRUNO (Sorri) – Obrigado… O som agora DJ, por favor!

 

{Começa tocar: Let Her Go – Passenger}

 

Bruno começa a fotografar o Rio de cima do telhado do prédio, a praia, o mar, as pessoas e claro… Liah. Ele tira muitas fotos dela que sorri tímida, ora fazendo poses, ora tapando o rosto ou se escondendo dele, que ia atrás dela e a fotografava mesmo em seus momentos descontraídos…

 

CORTA PARA:

CENA 12. INTERNA |TARDE |IPANEMA – EDIFÍCIO BELA VISTA.

Beatriz chegava da empresa e estava pegando o elevador, quando uma mulher chegou logo atrás dela e segurou o a porta… Ela sorriu para Beatriz, que retribuiu secamente.

 

LAURA – Dia cansativo?

BEATRIZ – Você esta falando comigo?

LAURA (Sorri) – Bem só estamos nós duas aqui dentro, então sim… Eu estou falando com você.

BEATRIZ (Sorri) – É que eu não costumo falar sobre a minha vida com estranhos, sabe. Eu não me interesso pela vida de ninguém e também dispenso quem se interesse pela minha.

LAURA (Ri) – Você não mudou nada mesmo… O mesmo nariz empinado de quem tem o rei na barriga e o sorriso sarcástico de vinte anos atrás…

BEATRIZ (Espantada) – Como assim? De onde você me conhece? Quem é a senhora?

LAURA (Sorri) – O meu nome é Laura… Mas você me conhece e me chamava mesmo é de enfermeira. Ta lembrada de mim, madame? (Indaga sarcástica).

Beatriz fica branca e com o olhar desesperado, sem conseguir falar nada. E Laura só ri da cara dela…

 

CORTA PARA:

CENA 13. INTERNA |TARDE |ANGRA DOS REIS – CASA DE PRAIA DOS BITTENCOURT – SALA.

Pedro e Helô estavam chegando em Angra e assim que desceram do carro, foram recepcionados pelo casal de caseiros, Matilde e Donato. Além da beleza da natureza, o ar puro e fresco de Angra. O lugar era paradisíaco, a casa enorme, com uma piscina grande e gramados vastos, cercados de árvores e flores… Sem contar que transmitia uma paz e tranqüilidade como há muito tempo Helô e Pedro não sentiam…

 

MATILDE (Simpática) – Dona Helô, quanto tempo… Que saudades eu tava da senhora. (Diz abraçando Helô) – Não disse que ela vinha Donato? O Donato estava duvidando que a senhora viesse mesmo…

HELÔ (Sorri) – Saudades também, Matilde… Quando eu prometo, eu venho. Tudo bem por aqui?

DONATO – Tudo tranqüilo e solitário demais… Há anos que ninguém vem aqui, dá até dó não aproveitar uma belezura dessas, viu.

PEDRO – Verdade viu, nós precisamos vir mais vezes. Como vai Donato, Matilde? (Diz cumprimentando-os.

MATILDE (Sorri) – Tudo bem graças a Deus! Vamos entrando, eu abri a casa cedo ontem, dei uma boa limpada, ta fresquinha que só agora… Eu preparei um lanche da tarde pra vocês também, é só servir. Eu fico muito feliz da senhora estar com o seu Pedro de novo… Vocês sempre formaram um casal tão lindo, que dava até gosto de ver. (Disse baixinho a Helô).

HELÔ – Obrigada Matilde.

Pedro e Helô entraram abraçadinhos e foram olhar a casa toda… Era incrível como os cômodos, os móveis, tudo estava bem conservado, limpo e arejado. Matilde era muito caprichosa e detalhista, ela teve até a delicadeza de colocar flores do campos distribuídas pela casa, deixando o ambiente mais alegre e perfumado… Depois que chegaram ao quarto, Helô logo foi para o banho e Pedro depois de desfazer as malas, voltou para a sala e ficou esperando Helô sair do banho e Matilde passar um café fresquinho para o lanche deles, enquanto ele folheava uma revista… Passados cinco minutos, Pedro ouviu um barulho de carro chegando, mas nem foi ver, achando ser Donato que ficou de ir até a cidade comprar carnes e bebidas para fazer um churrasco logo mais a noite. De repente Pedro foi surpreendido…

PALOMA (Surpresa) – Pai? Eu não sabia que o senhor vinha pra cá…

Pedro fica sem saber o que dizer, pensando em Helô que esta no quarto… Depois olha para a porta e vê Rodrigo entrando também…

RODRIGO (Sorri) – Oi Pedro. Tudo bem? Já vi que vai ser um fim de semana agitado…

Nesse momento de clima tenso, Helô surge na sala só de roupão e cabelos ainda molhados…

HELÔ (Feliz) – Meu amor a água esta quentinha, uma delícia… Se eu fosse você aproveitava e já tomava um banho, antes que esfrie… (Helô parou de falar ao dar de cara com Paloma e Rodrigo) – Oi Paloma. (Diz sem graça).

Todos se olham sem saber o que dizer, até que Paloma quebra o gelo…

PALOMA (Atônita) – O que esta acontecendo aqui? E que história é essa de meu amor, hein pai? Dá pra alguém me explicar o que significa tudo isso?

 

(Closes Alternados – Por último, Cam foca no rosto com expressão de surpresa de Paloma).

  

FIM DO CAPÍTULO.

(A imagem congela. Depois se transforma em um cartão postal, jogado sobre Ipanema).

{O capítulo se encerra com a música: I Was Made For Loving You – Tori Kelly & Ed Sheeran}.

 

Eduardo Moretti

Um cara do bem, romântico, sonhador, apaixonado pela vida e que ama o que faz… “Escrever para mim, é deixar de ser criatura para ser criador.”