Garota de Ipanema – Capítulo 30

Garota de Ipanema – Capítulo 30

 

NOVELA DE: EDUARDO MORETTI.

 

(CONTINUAÇÃO DO CAPÍTULO ANTERIOR)

 

Helô ainda sem saber o que responder para Pedro, fica sem palavras…

PEDRO – E então, meu amor… Eu estou esperando a sua resposta, o seu sim. Você aceita morar comigo né?

HELÔ – Bom, eu confesso que você me pegou de surpresa agora com esse convite que eu nem sei o que dizer, Pedro.

PEDRO – É só dizer que sim , meu amor… Eu não pensei que fosse tão difícil assim pra você, decidir se quer ou não morar comigo depois de tanto tempo que nós já perdemos…

HELÔ – Não é que seja difícil, me entenda… A decisão é fácil de ser tomada e é claro que eu adoraria morar com você, mas eu só não acho que seja o mais adequado nesse momento que estamos vivendo, tem os nossos divórcios, e os nossos filhos que não sabem de nada ainda sobre a gente e toda a nossa história. Enfim, eu acho que isso só causaria mais tumulto ainda.

PEDRO – Sabe o que eu acho de verdade? Que os nossos filhos já estão bem crescidinhos pra entenderem perfeitamente que os pais deles precisam viver a vida e serem felizes… Você se preocupa demais com as pessoas, meu amor… Ta na hora de pensar mais em você, em nós dois. A vida é curta e nós já perdemos tempo demais. Só a Liah que ainda é menor de idade, mas daqui alguns meses já faz dezoito também, vai entrar pra faculdade, trabalhar e seguir com a vida dela, como a Paloma já fez e logo o seu filho também fará… Ninguém mais depende de nós tanto assim Helô, e nós precisamos um do outro… A gente espera por isso, pra viver esse amor há mais de vinte anos.

HELÔ (Sorri) – Você não tem jeito mesmo hein… Sempre bom de argumentos. Deveria tentar carreira na política sabia?

PEDRO – Deus me livre! Não quero dor de cabeça pro meu lado não, do jeito que anda a economia do nosso país… Só se você votasse em mim? (Indaga sorrindo).

HELÔ – Ah mais disso você não tenha dúvidas, meu amor… O meu voto será sempre pra você. (Diz dando um beijo nele) – E olha só, quanto ao seu convite pra morarmos juntos, eu prometo que vou pensar com carinho ta? E te falo assim que eu decidir.

PEDRO – Ta ok. Só não demora pra me falar, porque senão eu morro de ansiedade… E eu quero deixar o apartamento com a sua cara também né? Já que iremos morar juntos.

HELÔ – Pode deixar. Agora para de falar e vem me esquentar vem… Me beija.

Pedro vai pra cima de Helô e os dois se beijam com amor…

 

{Começa a tocar: Everything I Own – Bread}

 

(Cam Fade Out)

 

CORTA PARA:

CENA 1. EXTERNA |DIA |RIO DE JANEIRO – PÃO DE AÇÚCAR. (Cam Fade In).

{Começa a tocar: True Colors – Marina And The Diamonds}

 

(Legenda: Três dias depois…)

 

Liah e Bruno se encontravam no Pão de Açúcar para um passeio… Ela ficara de mostrar alguns pontos turísticos da cidade pra ele fotografar… Liah olhava a paisagem distraída que nem percebeu quando Bruno chegou atrás dela. E ele foi chegando de mansinho e quando já estava bem perto, Bruno tapou os olhos de Liah com as mãos…

BRUNO – Um milhão se adivinhar quem é? (Diz sorrindo).

LIAH (Sorri) – É o Bruno… Tudo bem? (Diz se virando e dando um beijo no rosto dele).

BRUNO – Tudo ótimo e você? (Indaga olhando nos olhos dela, a admirando e sorri).

LIAH – Eu estou bem… (Diz e depois fica sem saber o que falar).

Bruno e Liah se encaram por alguns instantes e sem graça…

LIAH – E então… Animado para o passeio?

BRUNO – Muito. Eu quase não dormi a noite passada de tanta ansiedade pra tirar fotos incríveis dos pontos turísticos dessa cidade maravilhosa… Além de estar com você, claro.

Liah sorri e fica corada…

BRUNO – Vamos então? (Diz estendendo a mão para ela) – Qual o nosso primeiro destino?

LIAH – Andar de bondinho… Acho que você vai gostar e da pra tirar fotos incríveis de lá de cima.

BRUNO (Sorri) – Já gostei.

Bruno e Liah já dentro do bondinho conversavam e riam muito, e ele não perdia a oportunidade de tirar um só foto…

 

CORTA PARA:

CENA 2. INTERNA |DIA |CAFÉ LEBLON.

Edu tomava o seu café da manhã como de costume na cafeteria, e passou a observar uma moça no balcão que parecia ser uma conhecida dele. Na dúvida, ele se levantou e foi até ela…

 

EDU – Luciana?

LUCIANA – Edu? (Diz sorrindo toda animada e o abraça) – Quanto tempo cara.

EDU – Pois é… Que loucura! Eu pensei que você estivesse em São Paulo, o que você faz perdida aqui no Rio?

LUCIANA – Eu vim a trabalho. Surgiu uma oportunidade boa, enfim… Tem dois meses que eu voltei a morar aqui. E você como esta?

EDU – Bem graças a Deus… Me formei advogado, trabalho no fórum, além de ser o advogado do meu padrinho e também estou montando o meu próprio escritório.

LUCIANA – Que bacana. Tempos bons aqueles de faculdade, da até saudades… Eu como você sabe, me formei em nutrição e estou atuando na área graças a Deus. Eu amo o que faço.

EDU – Eu também amo advogar… Mas agora você vai sentar na minha mesa e tomar um café comigo. Você esta com tempo?

LUCIANA (Sorri) – Pelo menos uma hora de folga, depois voltar ao trabalho.

EDU – Ótimo. Vem comigo… Garçom traz outro café pra gente. Como você prefere o seu?

LUCIANA – Descafeinado cremoso.

EDU – Um descafeinado cremoso pra moça aqui, o meu preto normal… Mas me conta mais da sua vida, o que tem feito…

Edu e Luciana continuaram a conversa animadamente, enquanto tomavam seus cafés e recordavam do passado…

 

CORTA PARA:

CENA 3. INTERNA |DIA |INSIGHT PUBLICIDADE.

Depois de rodar com o seu GPS e finalmente encontrar o endereço certo, Daniel entrava na agência procurando por Lenita…

 

DANIEL – Bom-dia. É aqui que trabalha a Lenita?

BETINA – Sim é aqui mesmo. Quem gostaria? O senhor tem hora marcada?

DANIEL – Não. Na verdade eu nem sei se ela vai se lembrar de mim, mas a gente se conheceu outro dia e eu vim entregar um documento que ela perdeu. Eu me chamo Daniel.

BETINA – Ah sim… Eu vou ver se ela pode receber o senhor.

Betina se levanta e vai até a sala da amiga…

BETINA – Licença amiga. Nossa mais tem um cara ai fora que olha se eu fosse hétero eu pegava. Gato demais… E ele quer falar com você.

LENITA (Surpresa) – Comigo? Mas eu não tenho nada marcado pra agora de manhã… Quem é?

BETINA – Não é cliente. Ele disse que se chama Daniel, e que veio trazer um documento que você perdeu na rua outro dia quando estavam conversando.

LENITA – Mas que papo mais estranho… Eu não me lembro de nada disso. Bom, pede pra ele entrar.

BETINA – Ta bom. Ah e eu vou dar um saída rápida até o banco e já volto ta?

LENITA – Tudo bem.

Betina saiu e pediu que Daniel entrasse… Lenita de imediato ainda não o reconheceu logo de cara.

DANIEL (Simpático) – Oi tudo bem?

LENITA – Tudo. Me desculpe, mas eu não o estou reconhecendo, acho que deve estar havendo algum engano aqui…

DANIEL – Engano nenhum… A gente se esbarrou aquele dia em que você estava saindo da clínica e eu derrubei café na sua blusa, lembra?

LENITA – Ah, mas é claro… Agora eu me lembro perfeitamente. Eu amava aquela blusa e acabei perdendo ela por sua causa.

DANIEL – Eu me ofereci pra pagar a lavanderia ou até mesmo te dar uma blusa nova, mas você toda orgulhosa não aceitou…

LENITA (Categórica) – É porque eu sou uma mulher independente e auto-suficiente em todos os sentidos, e não preciso de homem nenhum pra cuidar de mim, graças a Deus. Muito menos pra me dar uma blusinha.

DANIEL – Mas que você lamentou muito a perda da sua blusinha aquele dia, isso lamentou… Enfim, mas isso não vem ao caso.

LENITA – Realmente. Eu tenho mais o que fazer, então por isso eu agradeceria se você fosse direto ao ponto, por favor.

DANIEL – Nossa… Porque você esta sempre na defensiva hein? Custa ser mais simpática, educada, prestativa… Afinal de contas eu vim te fazer um favor. Eu vim trazer essa ficha da clínica que você deixou cair no chão aquele dia. Só depois que você foi embora que eu a percebi caída perto de onde eu estava. (Diz entregando para ela que fica sem graça).

LENITA – É uma das fichas que a doutora me deu… Eu nem tinha percebido que estava faltando uma.

DANIEL – Como você vê, eu só vim até aqui te entregar isso. Tem seu nome ai, eu resolvi fazer uma busca no Google e encontrei a sua agência… Eu já vou indo, minha missão foi cumprida. Tenha um bom dia.

LENITA – Espera… Obrigada por ter trazido a ficha e… Me desculpa qualquer coisa.

DANIEL (Seco) – De nada. Tchau…

Daniel foi embora sem dar maior atenção para Lenita que fora rude com ele e se sentira envergonhada depois… Olhando a ficha em sua mão, ela ficou pensativa…

 

CORTA PARA:

 

ABERTURA:

 

CENA 4. INTERNA |DIA |RESTAURANTE SABOR & ARTE.

Marcos e Leila almoçavam juntos e estavam mais apaixonados do que nunca, apesar da insegurança de Leila sobre a diferença de idade entre os dois…

 

MARCOS – Que foi meu amor? Você parece preocupada…

LEILA – Nada. Eu só me distrai um pouco… Eu estou com dor de cabeça, acho que não foi uma boa idéia ter vindo almoçar fora.

MARCOS – Bobagem. Eu sei bem o motivo da sua dor de cabeça viu… Se chama insegurança. Você não para de olhar ao redor pra ver se as pessoas estão nos olhando, observando, medindo, julgando… Para com isso meu amor. Você não sabe que muitas vezes o preconceito começa na nossa cabeça?

LEILA – Pra você é fácil falar, você é homem e no caso o mais jovem aqui… Eles vão falar é de mim e não de você. Vão dizer que eu tenho idade pra ser sua mãe, que eu deveria procurar um homem da minha idade, etc.

MARCOS – E você esta ligando pra isso? São eles que pagam as suas contas? Leila você não pode viver a vida em função dos outros meu amor… Seu único compromisso é com você mesma, principalmente o de ser feliz, porque ninguém irá fazer isso por você.

LEILA (Sorri) – Tem razão. Aliás, você tem toda razão. Tenha um pouco mais de paciência comigo, Marcos. Por favor, eu te peço.

MARCOS – Toda paciência do mundo meu amor… Mas você também tem que se ajudar. Ok?

LEILA – Pode deixar…

Marcos sorri para a amada e acaricia a mão dela, em seguida ele a beija de forma carinhosa. Leila retribui, mas fique um pouco embaraçada…

 

CORTA PARA:

CENA 5. INTERNA |TARDE |COBERTURA DE ANSELMO – COZINHA.

Maroca lavava a louça do almoço, quando Elias chegou de mansinho…

 

MAROCA – Pode dar meia volta que eu não tirei o seu prato hoje. Se quiser comer, vai até a cantina da sua tia Carlota. (Diz séria, sem olhar para ele) – Lá pelo que eu saiba também é de graça não é mesmo?

ELIAS – Por favor, me perdoa Maroca. O que vale é a intenção, e eu juro que eu tive a melhor das intenções quando te levei pra jantar… Você sabe que eu gosto de você poxa.

MAROCA – E você começou muito bem ontem… Tinha que estragar tudo? Vai embora daqui, Elias… Vai porque eu não to podendo olhar pra sua cara.

ELIAS – Me desculpa… Eu te adoro ta? Eu sou louco por você… (Diz dando um beijo na rosa que trouxera para ela e a deixa em cima da mesa).

Depois que Elias sai, Maroca vai até a mesa e pega a rosa. Ela fica olhando pra ela e em seguida vai até o lixo da cozinha e joga a flor fora.

 

CORTA PARA:

CENA 6. EXTERNA |TARDE |PARQUE LAGE – RIO DE JANEIRO.

Bruno e Liah continuavam o passeio, agora no belíssimo Parque Lage, onde a arquitetura e o verde se misturavam num local lindo, e um dos pontos turísticos mais visitados do Rio… Bruno não se cansava de tirar fotos…

 

BRUNO – Nossa eu vejo à hora de revelar essas fotos… Eu fiz fotos incríveis hoje, graças a você. Muito obrigado por ser minha guia turística. (Diz sorrindo).

LIAH – Disponha sempre que precisar. Eu às vezes tenho o tempo livre até demais e confesso que me diverti muito hoje saindo com você. Ocupei o meu dia de maneira agradável…

BRUNO – Que bom, eu fico feliz de saber que de alguma forma eu contribui para que você se divertisse também. E pode ir se preparando porque eu ainda pretendo abusar muito da sua paciência e boa vontade, além do seu tempo claro, em outros passeios por essa cidade maravilhosa, em mais sessões de fotos. Mas pra hoje ficar bacana e eu fechar legal o dia, ainda faltaram algumas fotos…

LIAH – Bom ainda é cedo, dependendo do lugar da pra gente ir tranqüilo. (Diz olhando para o relógio de pulso).

 BRUNO – Bom vai ser rápido até porque é aqui mesmo… Tudo o que eu preciso esta aqui.

LIAH – Aqui? Mas eu pensei que você já tivesse fotografado tudo por aqui…

BRUNO (Sorri) – Não você. Faltou fotografar você…

LIAH (Tímida) – Eu? Melhor não, eu não gosto muito de tirar fotos.

BRUNO – E porque não, se você é linda? Por favor, confia em mim… As suas fotos vão ficar incríveis e eu prometo a você que não irei vê-las. Você será a primeira a ver e depois me mostra se quiser…

LIAH – Se é assim, tudo bem então. Pode tirar. (Sorri tímida).

 

{Começa tocar: Not Today – Imagine Dragons}

 

Bruno começa a orientar Liah, que mesmo tímida foi se soltando aos poucos e até fazendo poses… Era incrível como Bruno a fazia se sentir bem e protegida, por isso ela adorava estar na companhia do primo…

 

CORTA PARA:

CENA 7. INTERNA |TARDE |INSIGHT PUBLICIDADE – SALA DE LENITA.

Lenita estava pensativa em sua sala, que nem notou a presença de Betina, que chegara da rua…

 

BETINA – Lenita… Lenita, oi amiga. Mas que cara de paisagem é essa?

LENITA – Oi. Desculpa amiga, eu nem vi você chegando… Tava distraída. Resolve tudo lá no banco?

BETINA – Sim, deu tudo certo. Mas me diz, e o bonitão já foi embora?

LENITA – Já sim. Aquele insuportável! E não me olha com essa cara não hein Betina, por favor!

BETINA (Sorri) – Tanto ódio assim, não sei não… Dizem que é amor.

LENITA – Que amor o que Betina, só se eu tivesse louca. Você ta careca de saber que eu não quero relacionamento sério, muito menos homem no meu pé… Mas eu tenho meus desejos, vontades, afinal eu sou humana e estou viva né? E eu confesso que… (Ela para de falar e depois pega na mão de Betina e a puxa para o sofá) – Eu confesso que esse Daniel mexe e muito comigo, pronto falei.

BETINA – Eu sabia, tava estampado na sua cara isso pra quem quisesse ver… E se quer saber a minha opinião, vai em frente amiga. Vocês formam um lindo casal, ainda que você não pense nisso, mas pelo menos o sexo sem compromisso já ta garantido.

LENITA – Mas que maneira de falar garota. Me respeita viu… Acha que eu sou de ficar por ai transando com quem aparece?

BETINA – Não. Mas se ele te atrai e eu tenho certeza de que você também atrai ele, qual o problema de vocês ter uma amizade com bônus? Sem maiores envolvimentos, só sair, curtir e transar. Depois cada um segue o seu caminho e todos ficam felizes… Eu já tive muitas amizades assim quando não queria um envolvimento mais sério, e elas são ótimas pra nos tirar o estresse e nos deixar com a pele mas viçosa. (Diz rindo).

LENITA – Só você mesmo… Eu não sei se consigo. E se depois ele ficar no meu pé? Estragaria tudo, porque eu detesto homem grudento. Melhor nem começar…

BETINA – Você quem sabe… Mas ele tem cara de quem tem uma boa pegada, se eu fosse você pensaria duas vezes…

Lenita fica pensativa e depois reage…

LENITA – Chega. Já deu o seu palpite, agora ao trabalho que eu só vou terminar de revisar esse projeto e depois vou pra casa… Vai garota…

Betina sai da sala rindo e Lenita continua pensativa e depois encosta o projeto, sem conseguir se concentrar…

 

CORTA PARA:

CENA 8. INTERNA |TARDE |LEBLON – APARTAMENTO DE FLÁVIA.

 

BRUNO – Gente sem essa cara de velório, pelo amor de Deus! Eu só estou indo morar com o meu pai, que, aliás, eu já morava antes de chegar ao Rio né? E depois eu vou continuar morando aqui pertinho, na mesma cidade, a gente vai se ver sempre. (Diz a Helô e Flávia com as malas na mão).

DANIEL – Deixa elas chorarem, filho. Então você não conhece mulher? São manteigas derretida por natureza mesmo… (Diz rindo).

HELÔ (Emocionada) – E com muito orgulho viu… Isso mostra que temos sentimentos. Vem cá filho, se cuida ta? Se alimenta direitinho… Qualquer coisa me liga, me procura, seja a hora que for…

FLÁVIA – E eu também. Conta com a sua dinda sempre e juízo nessa cabecinha. Abraço de urso, Helô?

HELÔ (Sorri) – Abraço de urso…

BRUNO – Ah não gente, que mico… Para.

Helô e Flávia o envolveram num abraço triplo e riram emocionadas… Bruno e Daniel saíram e as duas ficaram jogadas no sofá…

FLÁVIA – É… Daqui uns dias é você e eu ficarei sozinha de novo.

HELÔ – Eu ainda não sei se vou aceitar o convite do Pedro, amiga. Eu estou pensando, mas de qualquer forma, um dia eu vou ter que me mudar daqui né? Você precisa ter seu espaço, sua liberdade e eu também. Logo você arruma um cara bacana, e vai querer trazer ele aqui, ficar a vontade, enfim… Vai ser bom pra você ter o seu espaço também.

FLÁVIA – É pode ser… Eu to conhecendo uma pessoa ai, estamos saindo. Vamos ver no que vai dar… (Diz sorrindo sem graça).

HELÔ – Mas que notícia boa, amiga. Olha eu torço por você viu, e quero conhecer ele qualquer dia.

FLÁVIA (Insegura) – Claro. Pode deixar…

 

CORTA PARA:

CENA 9. INTERNA |TARDE |IPANEMA – COBERTURA DE ANSELMO – ESCRITÓRIO.

Anselmo esta sentado e tenta ler o seu jornal, mas ele não se concentra e a sua mente volta para o dia em que ele sofreu o infarto e caído no chão, não teve a ajuda de Beatriz…

 

CELINA – Anselmo… Anselmo meu amor… (Diz tocando no braço dele, que se assusta).

ANSELMO – Que foi Celina? Você me assustou… (Diz colocando a mão no coração).

CELINA – Eu trouxe o seu remédio. Esta na hora da sua medicação… (Diz entregando para ele na bandeja os comprimidos e o copo com água).

Anselmo toma os remédios e Celina fica observando o marido que parece estar angustiado…

CELINA – O que esta acontecendo, Anselmo? Há dias que eu tenho notado você preocupado, angustiado, pensativo às vezes… E tudo isso começou desde que você saiu do hospital e chegou em casa. O que você não esta me contando hein? E não adiante me dizer que não é nada, porque eu te conheço há mais de trinta anos pra saber quando você esta mentindo.

ANSELMO (Emocionado) – Eu não posso mais ficar guardando isso comigo… Eu preciso dividir com alguém toda a minha dor… É sobre a Beatriz.

CELINA – Se acalme meu amor, respira fundo e me conta tudo. O que tem a Beatriz?

ANSELMO – Ela esteve aqui em casa no dia que eu sofri o infarto… Depois que a Helô saiu, eu comecei a passar mal…

Nesse momento, imagens do ocorrido em flashback vão se passando enquanto Anselmo fala…

ANSELMO – A Beatriz chegou logo em seguida e me viu já estirando no chão, implorando por socorro…

CELINA – Não pode ser… Você tem certeza disso Anselmo? Quando eu cheguei na sala você estava sozinho. Se a Beatriz estivesse ali, ela teria me chamado, te socorrido… A não ser que…

Celina leva a mão até a boca e fica de olhos arregalados…

ANSELMO – Ela não me socorreu, Celina. Ela no início até tentou, mas depois me deixou ali pra morrer… Ela queria que eu morresse! A minha própria filha, meu Deus! (Diz emocionado e agoniado).

CELINA – Calma Anselmo, você não pode se exaltar agora… Olha o coração meu amor. Eu to chocada com toda essa história, como a Beatriz foi capaz de uma monstruosidade dessas? Ela passou de todos os limites… E ela vai ter que ser comigo, ah vai… (Diz abraçando o marido e tentando acalmá-lo).

 

CORTA PARA:

CENA 10. EXTERNA |DIA |CLIPE DE IMAGENS – RIO.

 

{Começa tocar: Garota de Ipanema – Melim}

 

Cam – Mostra imagens lindas do Rio e os seu pontos turísticos. Depois mostra a cidade, os prédios, trânsito, calçadão, praias… Copacabana.

 

{Legenda: Três dias depois…}

 

CORTA DIRETO PARA: APARTAMENTO DE LENITA.

A campainha toca e Lenita vai correndo atender…

 

LENITA – Oi Helô. Ai que bom que você veio rápido, amiga. Entra…

HELÔ (Agitada) – Eu vim o mais rápido que eu pude, depois que você falou que tinha uma coisa muito importante pra falar comigo sobre a Beatriz… E então, o que é?

LENITA – Eu fiquei sabendo pela Paloma, que a Beatriz esta com dificuldades em manter a marca Garota de Ipanema, por causa do roubo que ela sofreu, enfim… Ela esta vendendo metade da empresa. Ela esta procurando uma sócia. E eu pensei em você na mesma hora.

HELÔ (Surpresa) – Em mim? Não sei não Lenita… Eu sócia da Beatriz? Tudo que eu mais quero é distância dela.

LENITA – Helô, pensa bem. Você ainda tem contas a acertar com ela, depois você se tornando sócia da Garota de Ipanema, fica mais fácil estando perto do inimigo, de você acabar com ele. Essa sociedade caiu do céu, imagina quantas coisas você pode descobrir convivendo com ela, dia a dia?

HELÔ (Sorri enigmática) – Tem razão… Essa é a minha oportunidade de me aproximar do inimigo e a fazerela pagar por tudo o que me fez… E eu não irei perder essa chance por nada. Depois como dizem, é preciso estar sempre um passo a frente do inimigo… Agora resta saber como eu irei conseguir essa sociedade. Sim porque se ela souber que é pra mim, ela não vende.

LENITA – Mas ela vende se for pra um laranja… Alguém que nos ajude, se passando por um possível comprador. Eu pensei em tudo… Só precisamos arrumar a pessoa certa e livre de qualquer suspeita.

HELÔ – Pois então deixe essa parte comigo que eu sei quem pode nos ajudar… Eu só terei que convencê-la disso. Muito obrigada, amiga. É muito bom saber que eu posso contar com você.

LENITA – Sempre minha querida, sempre…

Helô e Lenita sorriem entusiasmadas e se dão as mãos felizes com o plano…

 

CORTA PARA:

CENA 11. INTERNA |DIA |COBERTURA DE BEATRIZ – SALA.

Bruno esperava ansioso por Liah e depois de cinco minutos ela desceu radiante e toda feliz…

 

BRUNO (Sorrindo) – Oi. Tudo bem?

LIAH (Sorri) – Tudo e você?

BRUNO – Tudo ótimo. Desculpa aparecer sem avisar, mas é que eu acabei de revelar as fotos e vim correndo te mostrar… Olha. (Diz entregando um envelope para ela) – Essas são as que eu tirei dos lugares onde a gente foi… Não ficaram ótimas? Diz se eu sou ou não um bom fotógrafo?

LIAH (Entusiasmada) – Você é ótimo! As fotos ficaram incríveis… Parabéns, Bruno. (Diz dando um abraço nele).

Bruno e Liah se encararam de pertinho por alguns segundos e depois ele se lembrou de algo importante…

BRUNO – Ah, eu já ia me esquecendo… Que cabeça a minha. (Fala e entrega outro envelope para Liah) – Abre. Essas são pra você…

LIAH (Surpresa) – Que isso?

BRUNO (Sorri) – Essas são as fotos que eu tirei de você… Como combinamos, eu não vi nenhuma. Pode ver que o envelope ainda esta selado… Se você achar que ficaram boas e que eu mereço ver, você me mostra.

Bruno estava ansioso, enquanto Liah de costas abria o envelope curiosa…

 

{Começa tocar: True Colors – Marina And The Diamonds}

 

Depois de abrir o envelope, Liah começa a ver as fotos uma a uma e sorri emocionada…

BRUNO – E então… Você gostou? As fotos ficaram boas?

Liah então se vira pra ele e com lágrimas nos olhos vai até ele e o abraça forte…

LIAH (Chorando) – Obrigada, Bruno. Muito obrigada por tudo… Eu quase não me reconheci nessas fotos, eu fiquei… (Diz respirando fundo) – Eu fiquei bonita. Pela primeira vez em toda minha vida, eu me achei bonita numa foto, no caso em várias fotos e você fez isso pra mim… Você fez esse milagre, e eu fiquei bonita…

BRUNO (Emocionado) – Não tem milagre nenhum Liah. Não nesse caso. Você é e sempre foi linda, ta aqui a prova nessas fotos que não me deixam mentir. Não faz isso com você, por favor! Eu te imploro… Não faz mais isso… Você tem que se enxergar como você é de verdade, e como eu te enxergo e as outras pessoas também… Como a garota mais linda e incrível que eu já conheci em toda minha vida.

Bruno a abraça e os dois choram juntos e depois se olham e riem ao mesmo tempo… Bruno carinhosamente enxuga as lágrimas de Liah, que retribui enxugando as dele… Depois Liah pega as fotos e entrega para Bruno, que olha todas com um brilho intenso no olhar e um sorriso imenso nos lábios…

BRUNO – Linda… Você é linda!

Os dois continuam olhando as fotos entusiasmados e nem percebem o olhar acusador e de raiva de Beatriz do alto da escada…

 

CORTA PARA:

CENA 12. INTERNA |NOITE |ZONA SUL DO RIO – CASA NOTURNA.

 

{Tocando: Love On The Brain – Rihanna}

 

Betina levara Flávia para dançar em uma casa noturna GLS, e ela dançava com a namorada ainda com um pouco de receio…

BETINA – Relaxa e curte a noite.

FLÁVIA – O quê? O som ta alto, eu não te ouvi…

BETINA (Grita) – Eu disse pra você relaxar, se soltar e curtir a noite.

FLÁVIA – Eu to tentando, mas é que eu não curto muito esse tipo de ambiente.

BETINA – Que tipo de ambiente… Gay? (Diz e para de dançar, indo até o bar) – Uma tequila, por favor! (Pede ao garçom).

FLÁVIA – Que foi Betina? Eu me expressei de maneira errada, me desculpa. O que eu quis dizer, é que eu não gosto de lugares tumultuados, música alta, só isso… Não tem nada a ver com as pessoas que freqüentam o lugar, nem com o ambiente ser Gay.

BETINA – Tem certeza? Porque você não me pareceu à vontade em nenhum momento… Nem quando eu te beijei.

FLÁVIA – Me desculpa, Betina. Eu to me esforçando… Você tem que entender que pra mim tudo é novidade ainda, eu estou me soltando e isso é um processo que vai ser feito aos poucos. Não adianta eu forçar uma barra também, você me entende?

BETINA – Sim, claro. E peço desculpas também se eu exagerei em alguma coisa… Eu só não estou disposta a esconder minha namorada e nem que eu estou amando de ninguém. Eu não sou assim e já te falei isso… Eu vou ter mais paciência com você, eu prometo. Mas não tenta esconder o que esta sentindo, muito menos negar que esta comigo, num relacionamento sério e normal, como outro qualquer. Porque senão eu juro que eu vou embora e sem olhar pra trás… (Diz e se aproxima dela, fazendo um carinho no rosto de Flávia) – E quando não gostar de alguma coisa, ou de algum programa fale, seja sincera. Numa relação saudável, são os dois que decidem e entram num acordo e não um só. Você não tem que querer me agradar sempre fazendo o que você não gosta. Eu gosto de dançar em casas noturnas, mas também amo programas mais light, como ficar em casa e ver um filminho por exemplo. Estamos entendidas?

FLÁVIA – Sim. Combinado então.

BETINA (Sorri) – Agora vem, vamos dançar que eu adoro essa música e eu quero mostrar pra todo mundo aqui que eu tenho a namorada mais linda de todas… Vem…

Betina puxa Flávia e as duas vão para o meio da pista e dançam muito, em meio a beijos e carinhos…

 

CORTA PARA:

CENA 13. INTERNA |NOITE |BARRA DA TIJUCA – MANSÃO DE TEODORA.

Rodrigo chega em casa cansado e sobe direto para o quarto, onde encontra Débora deitada em sua cama…

 

RODRIGO (Surpreso) – Débora… O que você esta fazendo aqui?

DÉBORA – Eu estava te esperando. (Diz se levantando da cama) – Pensei até que você não fosse chegar cedo hoje, que pudesse resolver dar uma saída para relaxar, de repente um happy hour, sei lá… Você tem andado muito estressado ultimamente, enfim… Mas eu estava disposta a te esperar aqui no seu quarto a noite toda se fosse preciso, afinal nós ainda somos noivos e estamos precisando nos acertar.

RODRIGO – Olha Débora, hoje eu não estou pra conversa, muito menos para os seus joguinhos psicológicos. Você sabe muito bem que o nosso relacionamento acabou… Eu não quero mais me casar com você, namorar, ser noivo ou até mesmo dividir esse teto contigo. Acabou… Entenda isso de uma vez por todas.

DÉBORA – Acabou coisa nenhuma. Só acaba se eu quiser, e eu não quero. Eu amo você, Rodrigo. (Diz indo pra cima dele e o pegando pela camisa) – Eu dediquei anos da minha vida a você, pra agora você chegar e me descartar assim, como se descarta um móvel velho. Não, eu mereço mais que isso, eu mereço o seu amor e eu vou ter. Custe o que custar, você esta me entendendo?

RODRIGO (Grita) – Me solta! Você é louca, Débora… É digna de pena, mas agora chega! Você vai arrumar suas malas agora e amanhã eu te despacho pra França no primeiro vôo e você vai morar com os seus pais.

DÉBORA – Ah, mas não vou mesmo… (Diz subindo em cima da cama e dando show) – Quero ver quem é que vai me tirar dessa casa. Você esta assim, porque ta de cabeça virada, que eu sei. Quem é ela? Quem é a vagabunda com quem você esteve ontem no cinema? Me fala seu traidor, sem vergonha… A minha amiga viu você de mãos dadas com ela e me contou tudo… Imagina a vergonha que eu passei, a humilhação de saber pela boca dos outros que eu estou sendo traída. Me responde, seu canalha! (Grita) – Quem é ela?

RODRIGO – Eu não te devo mais satisfação nenhuma da minha vida. Eu não te amo mais, eu sequer te suporto. Nem mesmo pra sua cara eu posso olhar mais… Você é uma garota fútil, mimada, egoísta e louca que precisa de tratamento ou então de uma boa lição pra aprender como se trata as pessoas… (Diz tirando o cinto da calça) – Agora você escolhe, ou vai sair dessa casa por bem ou por mal… Escolhe! (Berra, nervoso com o cinto na mão).

Rodrigo segura o cinto firme e arregala os olhos, rodeando a cama… Enquanto Débora olha para ele apavorada…

 

CORTA PARA:

CENA 14. INTERNA |NOITE |MUSEU DE ARTES MODERNAS DO RIO.

Adna esta muito feliz em ter o museu cheio com as suas telas expostas, e mais ainda cheio de pessoas prestigiando o seu trabalho… Para ela que sofrera anos com o vício do álcool e várias recaídas, além de enfrentar o preconceito das pessoas, aquela noite tinha um significado especial para ela… Vitória. Ela conseguira dar a volta por cima, e se descobrir com um talento e vencer na vida. E aquela noite de exposição do seu trabalho que fora elogiadíssimo pelo seu professor de artes, a deixara orgulhosa de si mesma. Foi sorrindo distraída e olhando para o enorme cartaz na entrada do museu com a sua foto estampada e os seguintes letreiros: Exposição de Arte Moderna – Belezas do Rio por Adna Fonseca, que Helô a fez voltar a si…

 

{Tocando: Samba da Benção – Bebel Gilberto}

 

HELÔ (Sorri) – Um milhão pelos seus pensamentos…

ADNA (Emocionada) – Ah se eles valessem tanto assim… Que bom que você veio minha querida. (Diz abraçando a sobrinha).

HELÔ (Sorri) – E a senhora acha que eu iria perder a oportunidade de ver o seu sucesso? Só se eu fosse louca… Nossa, mas ta tudo lindo aqui. Parabéns tia, a senhora merece.

ADNA – Obrigada, minha filha.

HELÔ – O Pedro esta vindo ai… Ele fez questão de dar um abraço na senhora também. A gente ta junto de novo…

ADNA – Jura? Mas que maravilha, Helô. Vocês esperaram tanto por isso… Eu fico muito feliz por vocês, de coração viu…

HELÔ (Sorri) – Obrigada. Bom, deixa eu para de monopolizar a senhora agora, que tem muitos convidados esperando a sua atenção. E eu vou aproveitar e ver as telas. Ah, olha lá a Leila e a Lenita, eu vou lá falar com elas… Até mais tia.

ADNA – Até…

Enquanto Helô conversava com Leila e Lenita, Adna conversava com um casal e dava maiores explicações sobre o material usado para o tipo de pintura na tela do Cristo Redentor… A poucos metros dali, uma mulher vinha se aproximando de Adna, com sapatos de salto alto e um vestido preto e elegante abaixo do joelhos. Ela parou perto do garçom que passava com uma bandeja e pegou duas taças de champanhe… Depois andou mais um pouco e parou bem atrás de Adna, que terminando de conversar com o casal, se virou e ficou espantada ao ver Beatriz na sua frente.

ADNA (Feliz) – Fiquem a vontade… Beatriz? (Diz surpresa) – O que você esta fazendo aqui?

BEATRIZ (Sorridente) – Como assim? Eu vim te prestigiar lógico… Mesmo não tendo sido convidada. Ah titia, mas eu fiquei tão chateada da senhora ter se esquecido de mim, mas eu entendo. Muita gente né? Você deve ter se esquecido… E só por isso eu perdoou a senhora. E pra mostrar que eu não guardo ressentimentos e vim em paz… Olha só. (Diz estendendo uma taça de champanhe a Adna) – Eu trouxe até champanhe pra gente brindar o seu sucesso, afinal de contas não é todo dia que vemos uma ex-alcóolotra, se tornando uma pintora de artes modernas, não é mesmo? (Indaga Cínica).

 

(Cam – Closes Alternados)

 

FIM DO CAPÍTULO.

(A imagem congela. Depois se transforma em um cartão postal, jogado sobre Ipanema).

{O capítulo se encerra com a música: Beija Eu – Silva}.

 

Eduardo Moretti

Um cara do bem, romântico, sonhador, apaixonado pela vida e que ama o que faz… “Escrever para mim, é deixar de ser criatura para ser criador.”