Garota de Ipanema – Capítulo 27

 

NOVELA DE: EDUARDO MORETTI

(CONTINUAÇÃO DO CAPÍTULO ANTERIOR).

 

HELÔ (Surpresa) – Daniel? Que surpresa…

Helô continua estática sem saber o que dizer e sem graça por estar apenas de toalha, já que ela e Daniel não tinham mais nada um com o outro.

DANIEL (Sorrindo) – Eu só espero que seja uma surpresa boa…

HELÔ (Sem graça) – Mas é claro que é boa, maravilhosa, aliás… Vem cá, me dá um abraço. (Diz abraçando ele, que retribui).

DANIEL – E será que eu posso entrar?

HELÔ – Claro. Entra e fique a vontade… Me desculpa te deixar esperando, é que realmente eu fiquei surpresa ao abrir a porta e dar de cara com você. Mas o que te trouxe até aqui? Ai meu Deus, o Bruno esta bem? (Indaga preocupada).

DANIEL – Esta sim fique tranqüila. Ele veio comigo, mas mal chegou e já ligou direto pra Flávia e foi se encontrar com ela. Você sabe como os dois são grudados…

HELÔ (Sorri) – Sim. A Flávia foi à melhor madrinha que a gente poderia ter escolhido pra batizar o nosso filho. Ela é como uma segunda mãe pra ele e o Bruno adora ela. E vocês fizeram uma boa viagem? Como estão as coisas?

DANIEL – Bom, eu viajei quilômetros e nem parei a noite toda. Eu estou morrendo de sede… Será que você poderia me arrumar um copo d’água antes de nós conversarmos?

HELÔ (Sorri) – Sim, me desculpa mais uma vez… Não sei onde que eu estou com a cabeça hoje… Você ai cansado, com sede e eu te enchendo de perguntas… Olha, façamos o seguinte, você vai até a cozinha e se serve, enquanto eu vou me trocar… Só agora eu acabei percebendo que ainda estou de toalha. Vem, é por aqui… Fica a vontade que eu já volto. (Diz sorrindo e sai).

Daniel a acompanha com os olhos e sorri, depois fica olhando tudo a sua volta, conhecendo melhor o apartamento de Flávia…

 

CORTA DIRETO PARA: HOSPITAL – QUARTO DE ANSELMO.

 

ANSELMO (Nervoso) – Tira essa mulher daqui, eu não quero ela aqui já falei…

CELINA (Preocupada) – Calma Anselmo, você não pode se exaltar… Olha o coração.

Beatriz fica atônita sem saber o que fazer e apavorada…

PEDRO – Qual é o seu problema, Beatriz? O seu pai não pode sofrer fortes emoções… Vem, sai daqui. (Diz puxando ela pra fora do quarto).

BEATRIZ – Eu não sei por que ele ficou tão agitado assim… Eu não fiz nada…

PEDRO – Será que não mesmo? Porque ele agiria assim então?

BEATRIZ (Grita) – Eu não sei, eu não faço a mínima idéia ta bom? Vai saber o que se passa na cabeça de um velho de oitenta anos? Vai ver estar ficando gagá já… Vocês são muito mal agradecidos sabia? Nada do que eu faço esta bom… Estão sempre me julgando, criticando e sem motivos nenhum. Eu cansei, cansei! (Diz gritando e sai).

PEDRO – Deve ser porque de boas intenções o inferno esta cheio. E seus antecedentes não lhe ajudam em nada.

Pedro só fica olhando pra ela indo embora e balança a cabeça…

 

CORTA PARA:

CENA 1. INTERNA |NOITE |COBERTURA DE BEATRIZ – QUARTO DE PALOMA.

 

{Tocando: O Segundo Sol – Cássia Eller}

 

Paloma esta deitada ouvindo música, quando ouve o celular tocar e vê que é Rodrigo ligando pra ela…

PALOMA (Ao celular) – Alô… Oi Rodrigo, que surpresa boa. Agora? (Diz olhando para o seu relógio de pulso) – Não. É cedo ainda… Eu te encontro na praia então em quinze minutos. Ta bom, beijo… (Desliga toda sorridente e se levanta da cama, indo até o closet e escolhe uma roupa).

 

CORTA DIRETO PARA: APARTAMENTO DE HELÔ.

Helô esta na cozinha com Daniel e prepara algo pra ele comer, enquanto conversam…

 

HELÔ – Então quer dizer que vocês vieram pra ficar mesmo no Rio?

DANIEL – Sim. Eu conversei muito com o Bruno e chegamos num acordo. Ele aceitou vir morar aqui desde que fosse pra morar só comigo e desde que eu não voltasse pra você… (Disse sem jeito).

HELÔ – Ele ainda esta com muita raiva de mim?

DANIEL – Não como antes, mas aos poucos isso vai passando… Eu tomei essa decisão radical, de vir morar definitivo no Rio, pra separar ele de vez das más companhias que ele estava andando lá em Americana. Agora eu preciso encontrar um apartamento pra nós dois, enquanto isso eu vou ficando num apart hotel e o Bruno vai ficar aqui com você e a Flávia. Ela mesma que ofereceu… Tem algum problema pra você?

HELÔ – Mas é claro que não, imagina. Eu vou amar ficar perto do meu filho, mesmo que ele não queira ficar perto de mim… (Diz triste e levando a frigideira até a mesa. Depois serve Daniel).

DANIEL (Terno) – Tenha um pouco mais de paciência com ele, no fundo o Bruno te ama e só esta confundindo as coisas, tomando as minhas dores. (Diz pegando na mão dela) – Hum, mas o cheiro está ótimo… Que iguaria é essa? (Diz cortando um pedaço e levando até a boca).

HELÔ (Ri) – Para que nem ta tão bom assim… Ta dizendo isso pra me agradar que eu sei. É omelete com presunto e queijo.

DANIEL – Pois pra mim esta delicioso… Desculpa ter chegado assim, sem avisar.

HELÔ – Desculpa eu, não ter nada melhor pra te oferecer. Mas é que hoje eu fiquei de ir ao supermercado e na correria na clínica, eu acabei esquecendo completamente. A hora que o Bruno chegar eu peço uma pizza, e amanhã vou cedinho ao supermercado e encho essa geladeira, porque eu sei como o Bruno come bem. (Diz rindo).

Nesse momento, o celular de Helô toca e ela olha pelo visor e vê que é Pedro e não atende.

DANIEL – Você não vai atender?

HELÔ (Sem graça) – Não. Não é nada importante… Só uma amiga, depois eu retorno.

Daniel a olha sério e depois sorri e volta a comer e Helô sem graça se levanta e vai até a geladeira e pega uma garrafa de água. Logo eles escutam o barulho da porta e Flávia e Bruno chegam.

FLÁVIA – Chegamos…

Helô vai até a sala e fica cara a cara com Bruno, que sem jeito fecha a cara na hora. O clima fica tenso e todos se olham…

DANIEL – Olha eu estou comendo uma omelete deliciosa que a Helô fez pra mim. Estão servidos?

FLÁVIA – Não obrigada. A gente acabou comendo na rua.

HELÔ (Sorri) – Você quer filho? Eu preparo uma pra você rapidinho, é de presunto e queijo. Ou eu posso pedir uma pizza que eu sei que você gosta.

Daniel olha sério para o filho, e por fim ele responde.

BRUNO – Não obrigado. Não precisa se dar ao trabalho que eu já comi uma pizza com a Flávia. Agora eu queria mesmo é tomar um banho e descansar Flávia, será que eu posso?

FLÁVIA – Claro, vem comigo. Você vai ficar no meu quarto e eu vou ficar com a sua mãe no outro.

DANIEL – Flávia… Obrigado por tudo. Eu prometo que logo resolvo a minha vida e encontro um apartamento pra mim e o Bruno.

FLÁVIA – Sem problemas. O Bruno pode ficar aqui o tempo que quiser. (Diz e sai com Bruno).

Helô olha sem graça para Daniel que sorri desanimado pra ela…

CORTA PARA:

 

ABERTURA:

 

CENA 2. INTERNA |NOITE |RESTAURANTE SABOR & ARTE.

{Tocando: A Canção Que Faltava – Isabella Taviani}

 

MARCOS – Você esta linda, chegou a atrair vários olhares quando entramos.

LEILA – Para Marcos, assim você me deixa sem graça. Na verdade eu acho que olharam mesmo porque na certa pensaram que somos namorados, e eu tenho idade pra ser sua mãe… (Conclui rindo).

MARCOS – Preconceito bobo… Você é uma mulher linda, inteligente, madura sim, mas quer saber? Isso pra mim a torna muito mais interessante do que dez de vinte e poucos anos, que tem por ai… Eu adoro conversar com você e te namoraria numa boa. (Diz colocando a mão sobre a dela que tira a sua na mesma hora).

LEILA – Por favor, Marcos… Você é um cara muito bacana, mas a nossa relação é estritamente profissional e eu gostaria que ela continuasse assim. Não vamos misturar as coisas ta bom?

MARCOS – Você tem medo de ser feliz? E medo de amar também… É sério e esta na sua cara. Ainda mais se for com um homem mais jovem como eu.

LEILA – Não é isso, eu só não gosto de misturar as coisas no ambiente de trabalho. Depois você é irmão da Lenita, a minha sócia, não pega nada bem a gente se envolver…

MARCOS – Bobagem. Depois eu não vou mentir Leila, eu gostei de você desde o começo. Eu me encantei pelo seu jeito simples e beleza, e não digo só estética não, mas a beleza que vem de dentro também. Você é uma mulher linda, por dentro e por fora… E depois conhecendo você melhor, eu percebi que é uma mulher encantadora e que eu gostaria sim de estar conhecendo melhor. Mas fique tranqüila que eu não vou forçar uma barra, eu vou ser paciente com você. Prometo.

LEILA (Ri) – Você não tem jeito mesmo hein? Já vi que nada do que eu disser vai fazer você mudar de idéia…

MARCOS (Sorri) – Não mesmo. Quando eu quero uma coisa, eu luto por ela e consigo. É melhor você ir se acostumando viu…

Os dois se olharam sérios e um clima surgiu… Logo o garçom trouxe os pratos e eles sorriram um para o outro.

 

CORTA PARA:

CENA 3. INTERNA |NOITE |MANSÃO DE TEODORA – SALA DE JANTAR.

Teodora e César estão jantando e Débora parece inquieta com a demora de Rodrigo…

 

TEODORA – Débora você não vai comer? A comida vai esfriar… Para de olhar pra esse celular a cada cinco minutos, que coisa…

DÉBORA – Eu estou esperando o Rodrigo me ligar, ele não disse nada se vinha pra jantar ou não.

TEODORA – Dá espaço pra ele Débora. Você sabe que a situação de vocês dois é delicada e você fica com essa perseguição que não ajuda em nada, muito pelo contrário só o afasta cada vez mais de você… Será que você não percebe que é a sua própria inimiga? Depois o Rodrigo já avisou que quando ele demorasse é porque estava terminando algum trabalho e que nós poderíamos jantar sem ele.

CÉSAR – Come sossegada, logo ele chega você vai ver… Fica tranqüila.

Débora pega o garfo e começa a mexer na comida, depois o leva até a boca, mas não consegue engolir…

DÉBORA – Não desce… Eu to enjoada, dá licença. (Diz e sobe as escadas correndo).

CÉSAR – Coitada. Eu morro de pena dela.

TEODORA – Pois eu tenho mais pena é do meu filho com toda essa marcação… E agora esse enjoou, não sei não. Tomara que não seja o que eu estou pensando…

 

(Closes alternados)

 

CORTA PARA:

CENA 4. EXTERNA |NOITE |PRAIA DE IPANEMA.

 

{Começa a tocar: O Segundo Sol – Cássia Eller}

 

Paloma esta sentada na areia olhando para o mar, quando vê Rodrigo se aproximando e sorri toda feliz… Ele vem caminhando em sua direção com o paletó e os sapatos na mão, pisando descalço na areia. Rodrigo chega perto e se senta ao lado dela… Os dois se encaram sorrindo.

RODRIGO – Demorei muito?

PALOMA – Não. Eu cheguei tem só cinco minutos… O mar estava me fazendo companhia enquanto você não chegava. (Diz sorrindo).

RODRIGO – Eu tive um dia cheio e tumultuado no trabalho hoje, que eu estava querendo ter só um pouco de paz e sossego… Ai eu me lembrei de você e me deu uma vontade louca de te ver. Na verdade há dias que eu estou louco pra te ver, desde a primeira vez que nos conhecemos naquele táxi que eu não tiro você da minha cabeça, Paloma.

PALOMA – Eu também penso muito em você desde aquele dia, apesar da nossa disputa nada amigável pelo táxi. (Diz rindo) – Lembra?

RODRIGO – Claro que me lembro, foi até engraçado depois que tudo passou… (Diz encarando-a) – Você ainda esta saindo com aquele cara, do outro dia na porta da faculdade?

PALOMA – Não. Eu terminei com ele… O Edu é apenas um amigo muito especial na minha vida que eu jamais me perdoaria se o magoasse…

RODRIGO – Que bom. Eu fico feliz em saber disso, porque eu estou completamente apaixonado por você e me desculpa, mas eu não posso mais esperar por isso…

 

{Começa tocar: Love Me Like You Do – Ellie Goulding}

 

Rodrigo chegou mais perto de Paloma e finalmente beijo-a com carinho, que retribui ao mesmo tempo em que acariciava os cabelos dele… Os dois pararam de se beijar e se olharam sorrindo ao mesmo tempo, num misto de felicidade e cumplicidade… Depois agarradinhos, eles namoravam olhando as ondas do mar e o céu estrelado, e de lua cheia…

RODRIGO – Ta uma noite linda né?

PALOMA – Maravilhosa… Ainda mais que eu estou na companhia perfeita. Eu poderia ficar assim abraçadinha com você pra sempre sabia?

RODRIGO – Isso quer dizer que agora é oficial? Nós estamos namorando?

PALOMA – Não sei… Eu ainda não recebi nenhum pedido. (Diz sorrindo pra ele).

RODRIGO – Não seja por isso… (Disse se levantando e ficando de joelhos) – Paloma você aceita namorar comigo?

PALOMA (Sorri) – Bobo… É claro que eu aceito.

RODRIGO – Eu sou o homem mais feliz do mundo!

Rodrigo beija Paloma selando o compromisso e depois a pega no colo, enquanto corre com ela pela areia… Felizes da vida, eles caem na areia e continuam se beijando apaixonadamente…

 

CORTA PARA:

CENA 5. EXTERNA |DIA – AMANHECENDO |CLIPE DE IMAGENS.

 

{Ainda tocando: Love Me Like You Do – Ellie Goulding}

 

Cam mostra uma vista panorâmica e privilegiada da cidade: Prédios, o corcovado, o pão de açúcar, o trânsito, calçadão, praia, mar. Depois foca na fachada do Hospital Memorial Dr. Afonso Moretti.

 

CORTA DIRETO PARA: QUARTO DE ANSELMO.

 

Anselmo acordara melhor e viu Celina do seu lado ainda dormindo na poltrona. Não demorou muito e ela também acordou e os dois se olharam sorrindo…

ANSELMO (Terno) – O minha querida, eu a fiz dormir de qualquer jeito ai né? Eu disse que você poderia ter ido pra casa.

CELINA – E você acha que eu conseguiria dormir melhor em casa com você aqui no hospital? Bom dia meu nego. (Diz sorrindo e dando um beijo nele) – Você nos deu um tremendo susto sabia?

ANSELMO – Bom dia nega. Olha você sabe que eu cheguei a pensar que seria o fim… Eu fecho os olhos e ainda me vejo estirado naquele tapete, com aquela dor terrível no peito e agonizando enquanto a…

CELINA – Enquanto o que? Diz meu amor. Tem alguma coisa que eu não estou sabendo?

Anselmo pensa melhor e resolve não falar nada sobre Beatriz…

ANSELMO (Triste) – Um pouco antes de eu ter sofrido o infarto, a Helô esteve lá em casa… Eu fiquei louco da vida e a toquei feito um cachorro sarnento lá de casa. Eu fiquei tão nervoso, mais tão nervoso que logo depois eu acabei enfartei…

CELINA – Isso tem que acabar Anselmo, a Helô é a sua filha e você precisa perdoá-la.

ANSELMO – Eu sei disso. Eu pensei muito e refleti depois do sonho que eu tive essa noite com a Amália, a mãe dela. (Disse emocionado) – No sonho ela estava linda em meio às orquídeas do orquidário que eu construi pra ela, lá na fazenda. Ela estava brava comigo também, dizendo que a Helô precisava muito de mim, que eu tinha que estar ao lado dela, e perdoá-la, se quisesse ter paz. Por isso, eu decidi Celina… Eu quero ver a Helô e ainda hoje. Me traga ela aqui, por favor!

Celina o abraçou emocionada e disse:

CELINA – Eu vou trazer ela aqui meu amor… Eu prometo. Eu te amo…

 

CORTA PARA:

CENA 6. EXTERNA – INTERNA |DIA |COBERTURA DE BEATRIZ.

Beatriz estava de saída para Garota de Ipanema, quando se surpreendeu com Pedro…

 

BEATRIZ – Chica, eu já vou indo para empresa. Você por favor, não esquece de acordar a Paloma às oito e meia pra ela ir pra faculdade, ta? E olha, fica de olho no que a Liah come. É pra seguir a risca a dieta que eu deixei por escrito com você.

CHICA – Sim senhora. Pode deixar que eu não vou esquecer. (Diz fazendo careta, quando Beatriz da às costas).

Beatriz vai saindo e quando chega à sala, da de encontro com Pedro descendo as escadas de bermudão, chinelo, regata e a prancha debaixo do braço…

BEATRIZ (Surpresa) – Mas que novidade é essa agora? Você não vai trabalhar hoje?

PEDRO – Olha eu não te devo mais satisfação da minha vida, mas como eu sei que você vai ficar me enchendo de perguntas, então eu prefiro acabar logo com isso… Não. Eu não vou trabalhar agora cedo, só depois do almoço, satisfeita? Essa é uma das vantagens quando se é o dono. Eu vou pegar onda.

BEATRIZ – Depois de tanto tempo sem nem encostar nessa prancha? Que foi que aconteceu pra você mudar de idéia assim e voltar aos velhos hábitos? E sem contar com essa felicidade toda estampada no seu rosto…

PEDRO – Não aconteceu nada. Eu estou vivo e sempre amei surfar, aliás, eu nem sei por que parei com essa minha paixão, que sempre me relaxou e me deu muita alegria. Depois esta fazendo um lindo dia lá fora, você quer motivo melhor pra se estar feliz e de bem com a vida? Agora da licença, que eu já estou perdendo tempo aqui. Tenha um bom dia. (Diz saindo e batendo a porta).

BEATRIZ (Pensativa) – Ai tem… E eu vou descobrir o que é, ou eu não me chamarei Beatriz Bittencourt!

 

CORTA PARA:

CENA 7. INTERNA |DIA |LEBLON – APARTAMENTO DE FLÁVIA – SALA.

 

FLÁVIA – Bom dia, Helô. (Diz vendo a amiga entrando na sala).

HELÔ – Bom dia, amiga. O Bruno já acordou? Eu passei pelo quarto e não vi ele…

FLÁVIA – Já sim. Ele tomou café e acabou de sair. Estava louco pra ver o mar… Eu sei que esta sendo difícil pra você Helô, mas eu pensei no melhor pra todos, quando convenci o Daniel a vir pro Rio. Assim o Bruno ficaria longe das más companhias e das drogas e poderia recomeçar aqui, quem sabe até fazer um tratamento aqui no Rio, já que existem várias clínica especializadas…

HELÔ – Claro, eu entendo. E não precisa se desculpar Flávia. Imagina, ter o meu filho por perto agora, ainda que ele não queira me ver nem pintada de ouro, é um peso a menos pra mim. O único problema vai ser manter em segredo que eu e o Pedro estamos juntos… Já imaginou quando o Daniel e o Bruno souberem?

FLÁVIA – Eu não tinha pensado nisso, amiga. Realmente vai ser difícil pra eles entenderem…

HELÔ – No mínimo vão pensar que eu vim para o Rio definitivamente atrás do Pedro e de caso pensado. O que não é verdade. Eu nem imaginava que ele tivesse por aqui e que eu iria reencontrá-lo, ainda mais sob as circunstâncias que tudo ocorreu né?

FLÁVIA – É Helô… Se prepara que vai vir mais bomba pelo jeito, amiga. Mas no fim, tudo acaba dando certo, você vai ver… E depois você sabe que pode contar comigo né?

HELÔ – Sei sim e obrigada por tudo. (Conclui sorrindo).

 

CORTA PARA:

CENA 8. EXTERNA |DIA |PRAI DE IPANEMA.

 

{Começa tocar: Not Today – Imagine Dragons}

 

Bruno chega à praia e parece maravilhado com o que vê no seu primeiro contato com o mar. Ele imediatamente tira o tênis e a camiseta e vai até a beira do mar sentindo a água molhar seus pés, ele sorri satisfeito… Depois fica agachado e toca a água… Ele fica admirando toda a imensidão do mar e decide mergulhar, pulando na água e se refrescando… Bruno fica hipnotizado com os caras pegando onda e em especial admirando um que pra ele era o melhor de todos, já que esta pegando altas ondas… Quando o cara para e vem saindo do mar, Bruno o parabeniza…

BRUNO – Você é muito fera, cara. Parabéns. Pegou cada onda que eu nunca vi igual…

PEDRO – Que nada, eu to enferrujado… Tinha que ver quando eu era mais jovem, não tinha onda que me derrubasse não.

BRUNO (Simpático) – Eu gostaria de poder aprender a surfar… Eu sempre tive vontade, mas onde eu morava não tinha praia, agora morando no Rio quem sabe.

PEDRO – Bom, de repente se quiser mesmo, eu posso te dar umas aulas. Prazer, eu me chamo Pedro. (Diz estendendo a mão).

BRUNO – O prazer é todo meu. Eu sou o Bruno. (Diz sorrindo e apertando a mão de Pedro) – Olha sabe que eu vou querer sim… Quando podemos começar?

Os dois continuam conversando em off e parecem se dar muito bem, iniciando uma bela amizade, pelo menos enquanto Bruno não sabia quem Pedro era na verdade…

 

CORTA PARA:

CENA 9. INTERNA |DIA |INSIGHT PUBLICIDADE – SALA DE LEILA.

Helô chega na Insight e bate na porta da sala de Leila, a fim de fazer uma surpresa pra amiga.

 

LEILA – Pode entrar. (Diz distraída olhando o seu laptop).

HELÔ (Sorrindo) – Será que você tem tempo pra receber uma velha amiga?

LEILA – Não acredito… Helô! (Diz se levantando e indo de encontro a Helô a abraçando) – Que saudades minha amiga e como você esta linda, eu vi a sua foto no jornal outro dia, mas pessoalmente ta muito melhor… Eu vou te dar uma surra por sumir tanto tempo e nos deixar sem notícias viu… (Diz rindo).

Nesse momento Lenita entra na sala…

LENITA – Pronto… Já mataram a saudade, agora posso entrar no clube da luluzinha também?

HELÔ – Claro amiga… Você sabe que é muito especial pra mim, é a irmã que eu sempre quis ter. Ainda mais agora que eu to descobrindo que a minha irmã de sangue mesmo nunca foi quem eu pensei que fosse…

LENITA – Esquece a Beatriz. O importante agora é que nós estamos juntas de novo. (Diz sorrindo).

LEILA – Verdade. E temos que marcar de sair juntas qualquer dia desses pra curtir a noite. Podemos levar também a Betina e a Paloma e fazermos a noite só das mulheres, que tal?

LENITA – Excelente idéia vamos marcar sim.

HELÔ – Essa Paloma é a minha sobrinha?

LENITA – Sim ela mesma. Um amor de pessoa… Não sei como pode ser filha da Beatriz, quer dizer, mesmo que ela seja adotada, definitivamente ela não se deixou corromper pelos valores errados da mãe.

LEILA – É verdade, eu adoro a Paloma. Eu fico só com pena dela por ter um talento tão bonito, e não poder mostrar ele pro mundo…

LENITA – Mas ela esta disposta agora a acabar com isso, e a Beatriz não vai levar mais os créditos por ela, em cima do dom dela mais não…

HELÔ (Surpresa) – Como assim? Que história essa gente?

LENITA – Mais uma da Beatriz minha amiga. Ela não desenha pra marca, nem estilista ela é. Ela só divulgou isso pra fazer a fama em cima dos desenhos que a Paloma faz… A Paloma é a verdadeira estilista da Garota de Ipanema.

HELÔ – Eu não posso acreditar nisso… Me conta essa história direito.

Lenita e Leila contaram tudo pra Helô que foi ficando perplexa com tudo o que ouviu…

 

CORTA DIRETO PARA: COZINHA DA INSIGHT.

Leila esta tomando água quando Marcos a surpreende…

 

MARCOS – Bom dia, linda.

LEILA – Que susto Marcos! E para com esse negócio de linda, com essas intimidades, que uma hora a Lenita ou a Betina podem ouvir… Nós somos sócios e apenas isso, entendeu?

MARCOS – Eu não estou acreditando que você não vai mesmo me dar uma chance? Qual o problema da gente ser sócio e namorados?

LEILA – Você esta misturando as coisas Marcos e eu não quero isso.

MARCOS – Não. Eu não aceito isso, você esta é com medo. Esta se sentindo insegura em relação à diferença de idade entre nós, mas eu não vou desistir de você. Eu não consigo tirar você da cabeça Leila. (Diz se aproximando dela, que se afasta).

LEILA – Eu tenho que visitar um cliente agora, Marcos. Com licença.

Leila sai e deixa Marcos pensativo e aborrecido…

 

CORTA PARA:

CENA 10. INTERNA |DIA |HOSPITAL.

Helô chega ao hospital e fala com Celina que a esperava no corredor…

 

HELÔ – E então Celina, eu vim assim que recebi o seu telefonema. Aconteceu alguma coisa? Meu pai esta bem?

CELINA – Que bom que você veio Helô. Não se preocupe minha querida, o seu pai esta ótimo. Eu te chamei aqui porque o Anselmo me pediu… Ele quer tiver. (Diz sorrindo).

HELÔ (Emocionada) – O que? Você tem certeza de que ele quer mesmo me ver, Celina?

CELINA – Absoluta. Ele me contou tudo do encontro de vocês e ele esta muito arrependido do que fez, te tocando lá de casa. Vem comigo, que ele esta ansioso pra te ver… (Disse dando a mão pra ela).

Celina foi entrando na frente, enquanto Helô vinha logo atrás receosa.

 

{Começa tocar: Instrumental Triste}

 

CELINA – Anselmo meu amor, olha quem veio te ver… Pode entrar.

Anselmo estava com lágrimas nos olhos, pois sabia que era Helô, e quando ela entrou no quarto ele não conseguiu se conter e chorou igual criança, tapando o rosto… Helô também bastante emocionada se aproximou do pai e sentou-se na cama… Helô sem nada dizer, pegou nas mãos do pai que estavam sobre o rosto dele e as tirou devagar. Anselmo manteve os olhos fechados de vergonha da filha, mas aos poucos foi abrindo e vi a sua filha predileta, depois de vinte e dois anos, novamente na sua frente, desde que fora embora… Helô sorriu para o pai em meio a lágrimas, e Anselmo sorriu de volta. Celina que acompanhava tudo de perto, não demorou muito para chorar também… Pai e filha se olharam ainda por alguns segundos, enquanto lágrimas eram derramadas, depois Anselmo sorriu e abriu os braços para filha… Helô riu tranqüila como se tivesse tirando um peso das costas e foi até o pai e o abraçou bem forte, que também retribui… E agora tudo se misturava, o choro, o riso e a felicidade. Finalmente a paz estava selada entre pai e filha.

ANSELMO – Me desculpa por tudo minha filha, por ter te virado as costas quando você mais precisou de mim, por ter te colocado ontem pra fora de casa daquele jeito, me desculpa, por favor! Só Deus sabe o quanto eu sofri todos esses anos longe de você… Eu cheguei a pensar que iria embora desse mundo sem te ver de novo… Minha filha predileta. E como você esta linda! A minha menina cresceu, e agora é uma mulher. (Disse sorrindo).

HELÔ (Emocionada) – Obrigada pai. E não tem que pedir desculpas de nada não, o que passou, passou. Eu amo o senhor e também senti muito a sua falta. E se eu magoei o senhor, eu peço desculpas por tudo. (Diz dando um beijo no rosto do pai).

ANSELMO – Que nada minha filha, como você mesma disse, o que passou, passou… E nós agora temos que viver o presente. Celina amanhã eu terei alta e quero que você prepare um delicioso jantar lá em casa, pra eu receber a minha filha, a Garota de Ipanema. (Diz todo orgulhoso) – E não se preocupe que a sua irmã e o Pedro não irão participar desse jantar, não tem cabimento né? Você convide as nossas netas e só. Ta me ouvindo Celina.

CELINA – To sim. (Diz limpando o rosto).

ANSELMO – Deixa de ser chorona mulher. Chora atoa feito uma sanfona… (Diz rindo).

CELINA – E o senhor não chorou não né?

HELÔ – Todos choramos gente e de felicidade, não vamos brigar por causa disso agora. Ah papai, não sei a Celina comentou com o senhor, mas eu me casei e tive um filho nesses anos todos que se passaram, ele tem dezoito anos. Mas eu e pai dele, já não estamos mais casados, nos divorciamos recentemente, enfim, e eles agora vieram morar no Rio também. Será que eu poderia levar o Bruno nesse jantar também?

ANSELMO – Mas é claro que sim, minha filha. Aliás, deve levar. Eu vou adorar conhecer meu neto varão, vai ser um prazer… Depois de duas lindas princesas, descobrir que eu tenho um neto é muita alegria pro meu coração. Leve o menino e se você não fizer nenhuma objeção, leve o pai dele também. Eu adoraria conhecer os dois.

HELÔ – Objeção nenhuma. Eu e o Daniel ficamos amigos e nos damos super bem, pode deixar que eu o levo sim, ele também sempre teve vontade conhecer o senhor.

ANSELMO – Ótimo, então. Fica marcado pra amanhã à noite. (Diz todo sorridente, pegando na mão da filha).

 

CORTA PARA:

CENA 11. EXTERNA – INTERNA |TARDE |ATHELIÊ GAROTA DE IPANEMA.

 

{Começa tocar: Let’s Stay Togheter – Tina Turner}

 

(Cam mostra paisagens do Rio, depois pega a fachada da empresa Garota de Ipanema).

 

ESTELA – Nossa amiga, esta cada vez mais perigoso o bairro aqui viu… Imagina que na fila do banco, duas senhoras estavam comentando que foram assaltadas em casa essa semana em plena luz do dia, fora mais três lojas que também foram saqueadas, também essa semana.

BEATRIZ – E você ainda se espanta com isso Estela? Em que país e cidade você acha que vivemos? Brasil sua boba, terra de bárbaros e ladrões, a começar lá por Brasília… O povo tem preguiça de trabalhar e ganhar dinheiro honesto e suado, então roubam… Esse país é uma vergonha. Não sei como tem uns imbecis que ainda batem no peito falando de patriotismo e que tem orgulho de ser Brasileiro… Bando de idiotas, isso sim. Eu não, desse país tupiniquim só tenho é vergonha mesmo… Uma vez eu estava na praia, eu me lembro até hoje e um casal de turistas vinha na minha direção, quando dois pivetes passaram por eles correndo e levaram a bolsa deles… Mas eles ficaram indignados, revoltados, precisava ver. Quando eu cheguei perto, eles vieram falar comigo me pedindo informação sobre delegacia e contando o ocorrido. A mulher dizia que não voltava mais nesse país de ladrões, que bem que tinham falado pra ela. E eu morri de vergonha na hora, e comecei a falar em inglês também, dizendo que eu não era daqui, que tinha vindo da Europa pra esse país que era uma porcaria, que nem adiantava ela ir na delegacia que os policiais também não resolviam nada, enfim meti o pau no Brasil. E olha, eu nunca me senti tão bem em toda minha vida. Esse país não merece créditos e muito menos respeito… Como disse uma grande vilã numa novela uma vez: “O Brasil, é uma mistura de raças que não deu certo”, e eu concordo plenamente com ela.

ESTELA – É pode ser, mas a gente tem que se proteger também. Não da pra ficar de bobeira não… Eu já te falei várias vezes pra colocar pelo menos um segurança aqui, nós nos sentiríamos mais tranqüilas e protegidas.

BEATRIZ – Eu não. Você acha que eu vou gastar dinheiro com isso? Vem um delinqüente ai, mata o segurança e nos rouba do mesmo jeito, ou nos mata também… Eu confio na proteção divina e ela esta sempre do meu lado e nunca me faltou, querida. Esquece esse negócio de segurança, que eu não irei gastar com dinheiro com isso.

ESTELA – Você é quem sabe… Depois não diz que eu não avisei…

 

CORTA PARA:

CENA 12. EXTERNA |TARDE |LAGOA RODRIGO DE FREITAS – PEDALINHO.

 

{Começa a tocar: Sorte e Azar – Cazuza}

 

RODRIGO – Você é perfeita sabia? Eu adoro ficar te olhando e admirando… Eu amo o seu sorriso, ele ilumina tudo em nossa volta e me deixa feliz. (Diz fazendo um carinho no rosto dela).

PALOMA – Assim você me deixa sem graça, Rodrigo. Mas eu confesso que gosto quando você fica me olhando, porque eu também adoro te olhar… O seu olhar transmite verdade, e eu sei pelo seu jeito de ficar me olhando que você também ama, assim como eu te amo. E não há sensação melhor no mundo do que amar e ser amado…

Os dois se encaram por alguns instantes e depois se beijam apaixonadamente… Logo depois, eles já estão no pedalinho, passeando pela lagoa…

RODRIGO – Sabe o que eu estava pensando? Minha mãe tem uma casa em Angra. O que você acha da gente passar esse fim de semana lá, só nós dois, em meio aquele paraíso, a calmaria, sol, mar, tem também um sala com projetor enorme, pra gente poder levar uns filmes e assistir juntinhos debaixo do edredom no friozinho da serra a noite, hein… Que tal?

PALOMA (Sorri) – Eu acho a idéia ótima e irrecusável. Mas com duas condições…

RODRIGO – Quais? Eu faço qualquer coisa pra te agradar e te fazer feliz, meu amor.

PALOMA – Na parte do edredom, com direito a pipoca e chocolate quente… E um bom e assustador filme de terror, que eu amo. (Diz sorrindo).

RODRIGO (Sorri) – E você diz isso assim, com essa cara de felicidade? E eu que achei que você fosse perfeita? Filme de terror, Paloma… Jura? Eu pensei numa comédia, ação, tiros, até mesmo um romance pra você, que toda mulher adora, mas terror…

PALOMA – E qual o problema com o meu gênero de filme favorito, hein? Ah não Rodrigo, eu não posso acreditar nisso… (Diz começando a rir sem parar) – Você tem medo de filmes de terror?

RODRIGO – Medo eu? Imagina, eu tenho é nojo, receio… Mas medo definitivamente não.

PALOMA (Ri) – Ah ta, sei… Você morre é de medo mesmo. Mas eu protejo você, eu prometo. Ah vamos, vai ser divertido… (Diz indo até ele e fazendo cosquinhas no namorado).

RODRIGO – Para que o pedalinho vai virar, Paloma… Sua maluca linda… Ta bom, eu concordo com o filme de terror vai, fazer o que… Eu te amo muito,desde a primeira vez que eu te vi sabia? Foi amor a primeira vista.

PALOMA – Eu também senti a mesma coisa quando te vi… E eu que não acreditava que existia esse tipo de amor… Cai do cavalo bonito. (Diz dando um tapa no braço dele).

RODRIGO – É assim mesmo… Ninguém resiste ao meu charme. (Diz rindo, depois a puxa e os dois se beijam com carinho).

 

(Cam vai recuando aos poucos, mostrando os dois em meio a Lagoa Rodrigo de Freitas, no pedalinho e apaixonados).

 

CORTA PARA:

CENA 13. EXTERNA |TARDE |CLÍNICA DE MÉDICOS ASSOCIADOS – LEBLON.

Lenita acabara de sair toda feliz da sala de Flávia e carregava com ela uma pasta com os perfis dos possíveis candidatos a serem doadores de esperma, para seu futuro filho, que seria fruto de reprodução assistida… E de frente com ela vinha um homem distraído com um copo de café e olhando mensagens no celular, Lenita por sua vez também estava distraída, absorta em seus pensamentos sobre seu bebê, que nem se deu conta da trombada que mudaria sua vida…

 

LENITA – Ai… Seu idiota, estúpido. Olha só o que você fez? Manchou todo meu vestido, por pouco não molha a minha pasta… Você não olha por onde anda não?

DANIEL – Me desculpa, não foi minha intenção. Eu realmente me distrai um pouco… Deixa eu tentar limpar… (Disse pegando um lenço no seu bolso).

LENITA – Hei, pode parar. Ta pensando o que? Que vai encostar a sua mão em mim agora e ficar me limpando? Tira essa mão daqui já… Isso é mancha de café, só na lavanderia agora pra dar jeito, ou nem sei, acho que é perca total. Pior que era a minha blusa nova que eu tanto amei…

DANIEL – Me desculpa… Também não precisa se exaltar, né? Faz o seguinte, manda pra lavanderia que eu pago tudo. Ok?

LENITA – Não precisa. Você já fez o suficiente por hoje. Só fica longe do meu caminho que ta tudo certo ta bom?

DANIEL – Nossa como você é grossa… Eu cometi um erro admito, mas eu só estava querendo ajudar.

LENITA – Porque não é você que vai ter andar por ai com um vestido manchado. Eu só consegui vaga pra estacionar na outra quadra. Agora me desculpe se você é sensível, mas eu tive motivos pra ser grossa. Agora com licença e passar bem. (Diz passando por ele feito um furacão e nem nota que deixou um exame cair).

DANIEL – Pois você passe muito mal! Que mulher… O que tem de linda tem de grossa. (Diz meneando a cabeça e depois se vira, vendo o exame caído e vê o nome gravado) – Lenita Martins. O moça, você deixou cair seu… (Mas Lenita já sumiu e ele guarda o exame dentro do paletó).

 

CORTA PARA:

CENA 14. EXTERNA – INTERNA| TARDE – NOITE |CLIPE DE IMAGENS DO RIO |LEBLON – APARTAMENTO DE HELÔ.

 

{Começa a tocar: Um Amor Puro – Djavan}

 

Cam mostra os mais belos postais do Rio, imagens panorâmicas e privilegiadas entre o entardecer e o anoitecer na cidade maravilhosa… Depois mostra o Leblon e foca no prédio onde moram Flávia e Helô… Helô e Pedro estão namorando no sofá, e ela o apressa pra ir embora.

 

HELÔ (Preocupada) – Nossa Pedro, já são quase oito horas. É melhor você ir agora… A Flávia ficou de ir no cinema com o Bruno, mas nunca se sabe, vai que eles aparecem mais cedo.

PEDRO – Nossa pra mim era mais cedo… É tão bom estar com você que eu nem vejo o tempo passar meu amor… (Diz dando um beijo em Helô).

HELÔ – Chega. Agora vai…

Pedro então se levanta e vai abraçadinho com Helô até a porta. Ela que vai na frente abre e de repente eles dão de cara com Daniel que ia tocar a campainha naquele momento e fica surpreso ao ver sua amada abraçada com outro homem… Pedro e Helô ficam sem saber o que fazer e super sem graça…

HELÔ (Sem graça) – Daniel… (Todos se encaram).

(Cam – Closes Alternados).

 

 

FIM DO CAPÍTULO.

(A imagem congela no rosto de Helô. Depois se transforma em um cartão postal, jogado sobre Ipanema).

{O capítulo se encerra com a música: Só Vejo Você – Tânia Mara}.

 

Eduardo Moretti
Um cara do bem, romântico, sonhador, apaixonado pela vida e que ama o que faz... "Escrever para mim, é deixar de ser criatura para ser criador."