Garota de Ipanema – Capítulo 22

Garota de Ipanema – Capítulo 22

 

NOVELA DE: EDUARDO MORETTI

(CONTINUAÇÃO DO CAPÍTULO ANTERIOR).

 

PALOMA – Essa é a moça que eu bati no carro dela outro dia mãe, acho que eu não cheguei a comentar nada com a senhora… Eu só não estou me lembrando do seu nome agora. Eu estava esperando você me ligar pra falar do conserto do seu carro…

BEATRIZ (Séria) – O nome dela é Helô… Essa é a sua tia, filha.

 

{Começa a tocar: Instrumental Emoção}

 

PALOMA – Eu não to acreditando nisso… Meu Deus! Que coincidência… Eu sempre quis conhecer a senhora, a famosa Garota de Ipanema… (Diz emocionada).

Helô também sorri emocionada e abre os braços para Paloma que vai até ela e a abraça forte… Beatriz olha as duas de longe com ódio da irmã e vai até elas…

BEATRIZ – Agora chega de abraço Paloma. (Fala puxando a filha) – Vocês estão dando um espetáculo gratuito no corredor… Vem Helô entra, fecha a porta filha.

HELÔ (Sorri) – Mas que coincidência gostosa Paloma, a gente ter se conhecido daquela maneira inusitada no trânsito, sem imaginar que éramos parentes… Eu li em algum lugar uma vez que: “As coincidências muitas vezes são soluções que a vida encontra para mudar o rumo da história.” – Que loucura tudo isso.

PALOMA (Simpática) – Muito louco mesmo, eu jamais poderia imaginar que você fosse a minha tia Helô… E que por sinal é muito bonita como todos dizem.

HELÔ (Ri) – Que isso bonita mesmo é você, aliás, linda… Dizem que eu já fui mais bonita, quando moça. Agora eu já não sou mais aquela garota boba e inocente de vinte anos atrás… (Diz séria olhando para Beatriz).

BEATRIZ – Bom, já chega né? Vocês já se conheceram, já falaram sobre as coincidências da vida… Agora você precisa terminar de se arrumar filha que o Edu logo passa ai…

PALOMA – Nossa é verdade. Eu acabei me esquecendo do Edu… Foi um prazer tia Helô. Eu posso te chamar assim né?

HELÔ (Sorri) – Mas é claro que sim, à vontade. E o prazer foi todo meu de conhecer uma moça tão linda e educada como você. (Diz acariciando o rosto dela e depois a abraça e beija).

PALOMA – Obrigada. Ah e eu não esqueci do seu carro viu… Me liga depois e fala quanto eu lhe devo pelo conserto.

HELÔ – Por favor, não há necessidade mesmo eu juro. Foi só um arranhãozinho de nada, esquece isso…

PALOMA – Ta bom então… Me liga qualquer dia desses que marcamos um café, um cinema, eu gostaria muito de te conhecer melhor.

HELÔ (Sorri) – Pode deixar que eu ligo sim… Beijo. Simpática ela, um amor de pessoa.

BEATRIZ (Seca) – É… Ela foi muito bem educada. Mas eu presumo que não foi pra falar da minha filha educada que você veio até aqui e ainda por cima sem avisar.

HELÔ – Se eu tivesse avisado você me receberia?

BEATRIZ – E porque eu não te receberia? (Devolve a encarando firme).

HELÔ (Sorri) – Não sei… Me diz você?

BEATRIZ – Escuta aqui Helô, eu não tenho tempo, muito menos paciência pra joguinhos… Além do mais eu tenho um compromisso na Garota de Ipanema. Por isso eu agradeceria se você fosse direto ao ponto.

HELÔ – Claro, eu também prefiro que seja assim… Eu vim até aqui cobrar uma explicação sua, por ter se casado com o Pedro. Tem muita coisa não fazendo sentido pra mim nessa história toda, e como você é a pessoa em quem eu mais confiava há vinte anos atrás. Acho que eu tenho o direito de saber como as coisas chegaram nesse ponto… E já vou avisando que não saio daqui sem respostas.

BEATRIZ – E você terá todas que veio buscar… Mas isso não é conversa pra se ter aqui no meio da sala. Me acompanhe até o escritório, por favor. (Diz passando por ela, e Helô a segue).

Depois que Helô entra, Beatriz fecha a porta…

 

CORTA PARA:

CENA 2. INTERNA |NOITE |BARZINHO – LEBLON.

 

{Tocando: Só Vejo Você – Tânia Mara}

 

Betina e Flávia ainda conversavam animadas e se conheciam melhor…

BETINA – Nossa quanta responsabilidade… Médica especialista em reprodução humana? Eu não levo jeito pra um trabalho muito caxias assim não, eu prefiro mais a liberdade, e conversas descontraídas… Por isso eu prefiro trabalhar com a minha mãe na agência publicitária dela. Eu sou uma espécie de secretária e faz tudo, sabe como é… Faço serviços bancários, acompanho clientes, mostro projetos, dou meus palpites, aliás palpite é o que mais eu dou… (Ri).

FLÁVIA (Sorri) – Eu sei como é… Ser médica realmente exige uma postura mais séria e comedida, principalmente quando lidamos com casos delicados. Ter que falar pra uma mulher que não importa o tratamento que ela faça, que ela não vai conseguir engravidar, é a pior parte do meu trabalho, porque você meio que mata os sonhos de uma pessoa… Acaba com as possibilidades que ela achava que tinha… E hoje foi um dia desses, ai não tem jeito. Eu fico mal e acabo sempre nesse barzinho no fim do dia, bebendo pra relaxar.

BETINA – Poxa, que chato isso. Mas você sempre bebe sozinha? Eu nunca te vi com ninguém aqui…

FLÁVIA – É que eu sou nova na cidade… Tem quatro meses que me mudei pra cá e ainda não conheço ninguém. Só uma amiga que chegou tem quatro dias e que esta morando comigo.

BETINA (Sorri) – Bom agora você tem mais uma amiga pra um happy hour, pra conversar e desabafar sobre a vida… (Diz colocando a mão em cima da mão de Flávia e fazendo um carinho).

Flávia fica sem graça… E tira a mão devagar.

 

CORTA PARA:

CENA 3. INTERNA |NOITE |SALÃO DE FESTAS – GÁVEA.

 

{Tocando: A Sky Full Of Stars – Coldplay}

 

Edu e Betina já estavam entediados na festa, onde eles eram os únicos mais novos no local…

EDU – Desculpa ter te trazido nessa festa horrível… Ta dando até sono ver esse monte de coroas desanimados né?

PALOMA (Sorri) – Pra ser sincera um pouco viu, o pessoal é muito desanimado… Nessa firma só trabalha você de mais novo?

EDU – E o boy que não esta aqui… Pelo jeito ele foi mais esperto que eu e foi fazer um programa melhor. Bom mas nem tudo esta perdido, vem comigo… (Diz puxando ela pela mão e pegando uma garrafa de champanhe da bandeja do garçom que passava).

PALOMA (Ri) – Espera seu maluco… Pra onde você vai me levar?

 

CORTA DIRETO PARA:

CENA 4. INTERNA |NOITE |COBERTURA DE BEATRIZ – ESCRITÓRIO.

Cena já iniciada e um clima tenso…

 

BEATRIZ (Tom) – Mas o quê você quer que eu diga hein Helô? Que eu sinto muito? Que foi um erro eu ter ficado com o Pedro e ter engravidado dele? Me desculpa minha irmã, mas infelizmente aconteceu… Você não estava aqui, tinha ido embora deixando ele com o coração partido, sozinho e ele precisava de apoio…

HELÔ (Tom) – E você correu pra dar esse apoio pra ele não é mesmo? Eu também fui embora sozinha e com o coração partido. Aliás, eu fui à maior vítima nessa história toda… Fui traída pelo homem que eu amava e pela minha melhor amiga, pelo menos era isso que eu acreditava até ontem à noite na praia, quando eu recebi o pior golpe de todos… Saber que você, a minha própria irmã estava casada com o Pedro.

BEATRIZ – Como eu já disse aconteceu… Nos aproximamos, ficamos amigos, até que um dia, num momento de carência, nós fizemos amor. Eu fiquei grávida e nos casamos, ponto. O que você queria Helô? Que o Pedro te esperasse todo esse tempo? Você também seguiu com a sua vida, se casou, tem um filho… Esquece tudo isso e vamos cada uma seguir com as nossas vidas, antes que alguém saia machucado de tudo isso.

HELÔ (Pasma) – Meu Deus! Como pode… Pra você é tão fácil falar, parece que você não fez nada de errado. De repente eu acho que me enganei a seu respeito esse tempo todo, não era a Lenita com quem eu tinha que me preocupar, era com você! Você sempre foi a minha inimiga… (Grita).

BEATRIZ – Calma… Baixa o tom, que aqui é uma casa de família e não um mercado de peixe. E não me compare com a traíra da sua amiga Lenita, que eu não sou da laia dela… E se você quer saber, pra mim a maior culpada dessa história toda é você. Sim… Você que foi uma covarde desde o momento em que escondeu a gravidez do seu namorado! Então pare de culpar os outros e assuma a sua parcela de culpa nisso tudo. Se você não tivesse fugido e falado com o Pedro da sua gravidez, hoje você poderia estar casada com ele e quem sabe até a sua filhinha ainda estivesse viva!

Helô nesse momento perdeu a cabeça e deu um tapa na cara de Beatriz…

BEATRIZ – Isso coloca tudo pra fora… Extravasa toda essa raiva que você esta sentindo irmãzinha e esbofeteia pela segunda vez a única pessoa que te estendeu a mão quando você mais precisou…

HELÔ – Será mesmo? Eu fico me perguntando se esse tapa ainda não foi pouco perto do que você realmente merece. Eu não fui uma covarde… Eu agi sim, no impulso, com medo da reação do Pedro porque naquela época ele sempre me dizia que não queria ter filhos naquele momento, e que caso acontecesse… Ele me pediria pra tirar. A minha filha já existia dentro de mim, e como toda boa mãe, eu a escolhi ao invés do meu amor. Doeu muito pra mim ter que tomar essa decisão, mas eu faria de novo e quantas vezes fosse preciso pra salvar a vida da minha filha… Porque é assim que mães de verdade pensam e agem.

BEATRIZ – Engraçado… Você nunca parou pra pensar que colocou em cheque o caráter e o amor do Pedro por você? E com isso você colocou tudo a perder, sim porque se mesmo sem querer estar comigo e ter um filho meu, ele nos assumiu no momento em que eu contei pra ele e com direito a vim conversar com o papai e pedir a minha mão em casamento como manda o figurino hein… Você acha mesmo que o homem que você amava e que também te amava loucamente, te deixaria na mão se você contasse sobre a gravidez ou até mesmo seria capaz de te pedir pra tirar o bebê?

HELÔ – Não importa o que teria sido ou não. O tempo não volta mais… Mas pra ter se casado com você e assumido o seu filho, sabe se lá Deus o que você foi capaz de fazer pra que tudo isso acontecesse não é mesmo? Você não me convenceu em nada do que disse aqui hoje Beatriz, e a partir de agora a minha guerra com você esta declarada… Eu vou atrás de respostas com a Celina, a tia Adna, o Pedro e até mesmo com a Lenita. Eu vou querer saber de tudo, inclusive da morte da minha filha naquele hospital em Niterói, que pra mim ficou muito mal explicada… Se prepara que a caça as bruxas vai começar, e se você for culpada de tudo o que eu passei e sofri, incluindo a perda da minha menina… Você irá sentir saudades desse tapa que eu te dei hoje na cara, porque eu vou arrebentar com você. Eu acabo com a tua raça… Passe bem! (Diz pegando a bolsa e saindo).

BEATRIZ – Você voltou por causa dele não é? Do Pedro? Admite! (Grita) – Você ainda o ama?

HELÔ – Eu voltei por vários motivos, inclusive saudades da minha família, ou pelo menos parte da minha família, já que eu não mais tenho certeza de que você se encaixa nesse perfil… E respondendo a sua última pergunta… Sim. Eu ainda amo o Pedro, aliás, eu nunca deixei de amá-lo todos esses anos… Mas não se preocupe com isso, porque eu não irei te apunhalar pelas costas como você fez assim que eu virei as minhas e fui embora. Eu não vou tirar o Pedro de você, mas sendo honesta, é bom que você saiba que eu também não vou fugir mais, se for pra acontecer… Eu lutarei por ele e pelo nosso amor com todas as minhas forças, e passando por cima até de você como um trator se for preciso. Boa noite!

Helô passa por ela com tudo e sai batendo a porta… Beatriz desaba no chão em prantos e grita:

BEATRIZ – Eu te odeio… Eu te odeio, sua miserável! Você devia ter morrido naquele maldito acidente… Você não vai tirar o Pedro de mim, não vai…

 

CORTA PARA: ABERTURA.

Abertura da Novela

 

CENA 5. EXTERNA |NOITE |CLUBE – ÁREA EXTERNA.

 

{Tocando: Secret Love Song – Little Mix}

 

Edu e Paloma estão sentados na beira da piscina do clube, tomando champanhe e com os pés na água.

EDU – Esta bem melhor aqui fora né?

PALOMA – Muito… Nem se compara a estar la dentro. Noite agradável né? O céu esta lindo…

EDU – Você é que esta linda hoje… Mais do que os outros dias.

PALOMA (Sorri) – Estou normal, não tem nada de diferente em mim hoje… Devem ser os seus olhos, bobo…

 

{Começa a tocar: Quando Eu Te Encontrar – Biquini Cavadão}

 

Edu fica sério e vai se aproximando cada vez mais de Paloma. Ele coloca a mão no rosto dela e faz um carinho, ela tenta se afastar dele, mas ele a segura pela nuca…

EDU – Não se afasta eu te peço… Eu vou te roubar um beijo agora, só deixa acontecer. Por favor!

Edu beijou Paloma, primeiro de leve, com carinho… E depois percebendo que ela não oferecia mais resistência, ele a beijou pra valer e com muita vontade…

PALOMA – Edu, por favor… Eu não quero que te dar falsas esperanças a nosso respeito. (Diz se afastando) – Você sabe que os meus sentimentos por você são diferentes do seu…

EDU – Eu sei sim, fica tranqüila. Você já me disse um milhão de vezes, que me vê como um irmão, um amigo muito querido… Mas o que eu sei também, é que eu não tenho e nem quero ninguém… E você esta sozinha e não tem ninguém pelo que eu saiba, então porque a gente simplesmente não tenta? Eu sei que eu posso te fazer muito feliz… É só você deixar. Sem cobranças, sem pressão, só curtindo os momentos bons da vida. Se for pra ser ótimo, senão a gente pelo menos tentou né?

Diante do silêncio de Paloma, Edu a beija de novo…

 

CORTA PARA:

 

CENA 6. INTERNA |NOITE |LEBLON |APARTAMENTO DE FLÁVIA – SALA.

Helô conta para Flávia como foi o seu último encontro com Beatriz…

 

FLÁVIA – Eu não acredito nisso Helô… O mesmo nome da sua filha? Não, essa sua irmã só pode ser obcecada por você, não tem outra explicação. Isso é caso de internação… E agora com a sua volta ameaçando o mundinho dela, vai saber do que ela é capaz de fazer, é isso que me preocupa.

HELÔ – Pois não se preocupe que eu sei me cuidar. Aquela Helô inocente e boba de vinte anos atrás morreu… Depois a Beatriz não seria louca de tentar nada contra mim, correndo o risco de perder tudo sendo presa né?

FLÁVIA – Deus te ouça amiga…

HELÔ – Mas e você, saiu hoje? Nós chegamos praticamente juntas…

FLÁVIA – É eu tive um dia difícil hoje no trabalho. Ai quando sai da clinica, eu passei naquele barzinho que eu te falei pra uma happy hour, eu tava precisando desestressar um pouco. Acabei fazendo até uma amiga lá e ficamos conversando horas… No fim, foi bom ter ido.

HELÔ – Que bom Flávia. Eu fico feliz por você… Tem que se distrair mesmo. E olha quando quiser, é só me chamar que eu faço as honras da casa e te levo em lugares ótimos aqui no Rio.

FLÁVIA – É você esta me devendo mesmo um tour pela cidade maravilhosa… E eu irei cobrar.

Nesse momento o celular de Helô toca…

HELÔ – Pode cobrar… Quem será? Ah… É a Maroca, que trabalha na casa do meu pai. (Fala sorrindo) – (Ao celular) – Oi Maroca, tudo bem? Não, você não me acordou… Fica tranqüila. Amanhã? Que horas? Sei… Eu vou sim, vê lá o que a senhora vai me aprontar hein? Ta bom. Boa noite… Beijos. – Que figura essa Maroca… Ela me convidou pra tomar café da manhã com ela e a Celina amanhã, parece que o meu pai vai até a fazenda e o sinal verde estará liberado pra mim.

FLÁVIA – Bom que você se distrai um pouco e mata mais as saudades de casa e da sua família, vai sim.

HELÔ – Ela me disse que tem uma surpresa pra mim… Vindo da Maroca, não sei não. Ai vem coisa… (Conclui rindo).

 

CORTA PARA:

CENA 7. EXTERNA |NOITE |PRAIA DE IPANEMA.

 

{Começa tocar: Everything I Own – Bread}

 

Pedro com roupa social e pasta na mão caminha pela praia pensativo… Ele tira os sapatos e a meia, depois joga a pasta e o paletó em cima, arregaça as barras da calça e começa a andar na beira da praia, perto do mar, sentindo a água bater e molhar seus pés… Ele começa a lembrar de Helô e em como ela esta bonita e começa a sorrir, e a chutar a água e correr, enquanto a imagem de Helô não sai da sua mente… Por fim, ele não se cabe de tanta felicidade e se joga no mar de roupa e tudo… Dando risada e agora também chorando de tanta felicidade, como há muito tempo ele não sentia…

 

CORTA PARA:

CENA 8. INTERNA |NOITE |CASA DE TEODORA – QUARTO.

 

{Começa a tocar: Tigresa – Luana Mallet}

 

César esta deitado na cama e com as mão algemadas só de cueca… Ele aguarda ansioso, quando Teodora mostra só o braço com uma luva preta comprida e segurando um chicote na porta do banheiro. Depois ela sai dançando sensual para ele, enquanto chicoteia os pés da cama… Vestida de tigresa, com direito a rabinho e orelhinhas, ela sobe em cima da cama e começa a dançar pra ele, enquanto bate de leve com o chicote nele todo…

CÉSAR – Isso… Bate mais minha tigresa gostosa. Judia do teu homem que eu mereço, vai…

TEODORA – E merece mesmo… Ta pensando o que? Comigo ou dá ou desce, tem que andar na linha cachorrão… (Diz e começa a chicoteá-lo mais ainda) – Quem é a tua dona, diz? A quem você deve ser obediente sempre? Responde! (Grita).

CÉSAR – Você minha deusa, só você… A mais poderosa, linda e gostosa de todas… Você manda e eu obedeço…

TEODORA – Muito bem. Assim que eu gosto…

Nesse momento o celular de Teodora toca…

TEODORA – Droga. Quem será uma hora dessas?

CÉSAR – Não atende não amor… Deixa tocar, por favor!

TEODORA – Vai que é algo urgente ou de trabalho? Eu preciso atender sim. (Ao celular) – Alô… Sim é ela mesma. Quem está falando? Maroca… Ah sim, claro. Eu me lembro vagamente de você. Um furo de reportagem para a capa da Atrevida? Pode falar… O quê? Isso é mesmo verdade, você não esta brincando comigo? Mas essa é a notícia do ano e em décadas! Milhares de pessoas esperavam pela volta dela… Amanhã as dez? Ok. Combinado, obrigada por avisar. (Desliga o celular).

CÉSAR (Curioso) – Que foi meu amor? Que notícia é essa tão importante assim?

TEODORA – Você nunca vai adivinhar… Eu tenho uma bomba nas mãos e que vai estourar amanhã em todo Brasil… A Helô, a nossa Garota de Ipanema voltou! (Diz entusiasmada) – Depois de mais de vinte anos ela esta de volta… Isso é nitroglicerina pura, meu amor. Agora o mercado da moda praia vai estourar de novo. E eu preciso preparar um bela entrevista de capa pra Atrevida da próxima segunda feira… (Diz e vai tirando a luva e entrando no banheiro).

CÉSAR – Espera Teodora… Aonde você vai? Você não vai me deixar aqui nesse estado né? Eu detesto quando você para a brincadeira no meio… Teodora, pelo menos me solta… Amor… Sobrou pra mim… (Diz fazendo cara de coitado).

 

{Toca Instrumental Comédia}

 

CORTA PARA:

CENA 9. EXTERNA | NOITE |PORTARIA – EDIFÍCIO BELA VISTA.

 

{Tocando no Carro: O Segundo Sol – Cássia Eller}

 

Edu e Paloma chegam de carro na porta do edifício. Ele desce do carro e vai abrir a porta para Paloma, que desce com a ajuda dele… Nesse momento Pedro também esta chegando da praia todo molhado…

EDU (Sorri) – Me desculpa pela noite que foi um porre… Eu fico te devendo um encontro melhor.

PALOMA (Ri) – Ta bom. Mas se serve de consolo, a noite não toda ruim… É sempre muito bom estar na sua companhia Edu.

Nesse instante Edu vai beijar Paloma e ela se afasta…

PALOMA (Sem graça) – Edu, por favor! Eu não me sinto a vontade com tudo isso. Parece que eu estou te enganando em relação aos meus verdadeiros sentimentos por você…

EDU – Shhh… (Faz sinal de silêncio, colocando o dedo nos lábios dela) – Não se preocupe, eu já sou grandinho e sei de tudo. Você não está me enganando, nós só estamos nos dando uma oportunidade, e sem cobranças. A gente vai ter uma espécie de amizade com bônus e ver o que rola… A gente sai, fica, se curti e ponto. Se for pra se tornar algo mais sério com o tempo, melhor ainda, senão cada um segue o seu caminho, cortamos os bônus e ficamos só na amizade.

Sem esperar que ela diga uma palavra, Edu então a beija… E Pedro os observa de longe. Paloma vê o pai e se afasta de Edu, que também vê Pedro…

PALOMA – Hora de entrar. Eu vou aproveitar que o meu pai ta aqui e subir com ele. Boa noite, Edu.

EDU – Boa noite, linda. Dorme com Deus e até amanhã. (Diz dando um beijo no rosto dela e indo para o outro lado do carro) – Boa noite, Pedro.

PEDRO – Boa noite, Edu. Vai devagar com esse carro hein…

Paloma se aproxima do pai e estranha vê-lo todo molhado…

PALOMA (Sorri) – Eu ia te dar um abraço, mas vendo a sua situação agora, nem vou chegar perto… Porque o senhor esta todo molhado?

PEDRO – Eu resolvi tomar um banho de mar, antes de vir pra casa… Eu estava precisando lavar a alma. (Diz sorrindo).

PALOMA – De roupa e tudo? (Ri) – E conseguiu?

PEDRO – Foi num momento daqueles de fazer o que nos da na telha, sabe como é… E quanto a sua pergunta se eu conseguir lavar a alma. (Suspira) – Estou caminhando pra isso… Logo se Deus quiser eu consigo. Agora me explica uma coisa, o que foi aquele beijo?

PALOMA – É uma longa história que eu te conto depois, prometo. Agora vamos, antes que o senhor pegue um resfriado ainda…

PEDRO – Sim senhora. Espero que a sua mãe esteja dormindo já, porque caso contrário, ela vai ficar uma fera comigo todo molhado assim encharcando os tapetes pérsia dela. (Conclui rindo).

Os dois entram no prédio rindo de mãos dadas e conversando. (Off).

 

CORTA DIRETO PARA: COBERTURA DE BEATRIZ – SALA.

Pedro e Paloma entram sem fazer barulho, mas Beatriz esta acordada e esperando por eles na sala.

 

BEATRIZ – Ah, finalmente chegaram e juntos. Vocês sabem que eu não durmo enquanto vocês dois não chegam… As maiores preocupações da minha vida. E meus maiores amores também. (Diz sorrindo).

PEDRO (Sério) – Você esqueceu de mencionar a Liah… A sua outra filha.

BEATRIZ – A Liah nem sai de casa, vive sempre enfurnada naquele quarto. Com ela eu não me preocupo nem um pouco…

PEDRO – Pois devia… Afinal ela também é sua filha. E filhos para um pai e uma mãe de verdade são todos iguais.

O clima pesa e Paloma decide ir para o quarto.

PALOMA – Bom, eu to subindo… Boa noite.

Pedro e Beatriz se encaram sérios, enquanto Paloma sobe as escadas…

 

{Começa a tocar: O Segundo Sol – Cássia Eller}

 

Já no quarto, Paloma deita na cama e começa a pensar em Rodrigo… Imagens vem a sua cabeça do dia em que se conheceram na rua. Eles brigando pelo táxi e depois se entendendo e decidindo dividir o mesmo…

PALOMA (Off) – Onde será que você ta Rodrigo? Será que eu nunca mais vou te ver?

 

CORTA PARA:

CENA 10. INTERNA |NOITE |MANSÃO DE TEODORA |QUARTO DE DÉBORA.

Rodrigo vai até o quarto de Débora pegar seu notebook e a encontra preparada para dormir só de camisola…

 

DÉBORA – Pode entrar. (Diz ao escutar alguém batendo na porta).

RODRIGO (Sem graça) – Oi. Desculpa incomodar, eu só vim buscar o meu notebook que eu esqueci aqui…

DÉBORA (Sorri) – Que bobagem Rodrigo, até dois dias atrás esse quarto também era seu… Pode entrar e ficar a vontade…

Rodrigo pega o notebook e vai saindo, quando Débora o chama…

DÉBORA – Será que você podia me ajudar… Eu queria escovar os dentes e preciso de ajuda pra me levantar, com esse gesso fica impossível ás vezes…

RODRIGO – Claro. (Diz e vai até ela a ajudando).

Débora coloca o braço em volta do pescoço dele e o encara…

RODRIGO – Você esta melhor, não tem sentido mais dor?

DÉBORA – Às vezes ainda sinto um pouquinho, mas o pior mesmo é quando coça… Eu não vejo à hora de tirar esse gesso…

RODRIGO – Agora falta pouco, dois dias né? O que você precisar até lá é só me chamar…

DÉBORA – Obrigada. Você é um cavalheiro… Mas o que eu preciso mesmo é de você, de volta aqui no quarto comigo, dividindo essa cama como sempre foi.

RODRIGO – Nós já falamos sobre isso…

 

{Começa a tocar: Pra Te Lembrar – Luiza Possi}

 

DÉBORA (O interrompe) – Me desculpa meu amor… Eu te amo. Eu prometo que eu vou mudar e maneirar nesse meu ciúme louco que eu sinto de você… (Diz e começa a beija o rosto dele).

RODRIGO – Débora, por favor…

Nesse momento, ela tira a camisola e fica só de lingerie vermelha pra ele…

DÉBORA – Me ama Rodrigo… Eu quero você. Me ama agora. (E volta a se jogar nos braços dele).

Rodrigo não resiste e a deita na cama com cuidado… Depois ele tira a camiseta e se deita ao lado dela, a beijando com paixão e deslizando sua mão pelo corpo dela, indo parar na coxa que ele aperta com vontade…

 

CORTA DIRETO PARA: COBERTURA DE BEATRIZ – SALA.

 

BEATRIZ – É incrível como você sempre arruma um jeito de me criticar, não o importa o que eu faça ou o quanto eu me esforce… Nada ta bom pra você não é mesmo?

PEDRO (Tom) – Quando se trata da sua implicância gratuita com a nossa filha, não mesmo. A Liah é um amor, um doce de garota que esta numa fase difícil da vida dela. Será que você não percebe isso? Tudo o que ela precisa é de uma mãe ao lado dela, uma amiga que a compreenda e ajude, e não de uma inimiga que vive a criticando o tempo todo, a colocando pra baixo… Que espécie de mãe é você Beatriz? O que você tem no lugar do coração, uma pedra?

BEATRIZ – Eu não vou discutir maternidade com você a essa hora da noite… As minhas criticas são positivas, eu as faço para ela se tornar uma mulher mais forte, linda e decidida na vida, é tudo para o bem dela.

PEDRO – As suas criticas são cruéis… Você faz diferença da Liah com a Paloma, sempre fez e sempre fez questão de deixar isso bem claro. Mas agora acabou… Eu vou colocar um fim nessa história toda… Nesse erro que foi a nossa união desde o começo. Eu vou sair dessa casa e vou levar a Liah pra morar comigo.

BEATRIZ (Séria) – Como assim? Do que você está falando?

PEDRO – Eu quero o divórcio Beatriz… Eu quero acabar com o nosso casamento.

 

(Cam – Flashes alternados entre os dois).

 

FIM DO CAPÍTULO.

(A imagem congela. Depois se transforma em um cartão postal jogado sobre Ipanema).

{O capítulo se encerra com a música: Complicamos Demais – Alinne Rosa}.

 

Eduardo Moretti

Um cara do bem, romântico, sonhador, apaixonado pela vida e que ama o que faz… “Escrever para mim, é deixar de ser criatura para ser criador.”