Garota de Ipanema – Capítulo 15

Garota de Ipanema – Capítulo 15

 

NOVELA DE: EDUARDO MORETTI

CENA 1. CONTINUAÇÃO DO CAPÍTULO ANTERIOR – EXTERNA |DIA |ACIDENTE.

 

{Tocando: Instrumental Tensão}

 

Rodrigo corre até Débora, enquanto uma multidão de pessoas que passavam e mais as que estavam dentro do restaurante se juntam em volta para ver o acidente. Débora tem escoriações nos braços e rosto, além de um corte na cabeça que esta sangrando.

RODRIGO (Nervoso, com lágrimas nos olhos) – Débora, fala comigo Débora… (Fala pegando na mão dela e sentindo o seu pulso).

MOTORISTA (Desesperado) – Olha todo mundo viu, eu não tive culpa… Ela atravessou de repente, sem olhar… Eu ainda tentei freiar, mas tava muito em cima, não deu.

Rodrigo pega a cabeça de Débora e a coloca em seu colo. Uma mulher o repreende…

MULHER – É melhor não mexer nela que o caso pode se agravar ainda mais…

Atônito, Rodrigo começa a procurar o celular no bolso e não encontra.

RODRIGO (Grita) – Alguém liga pra emergência, rápido!

Uma mulher começa a telefonar, enquanto Rodrigo não para de chorar e acariciar o rosto de Débora desacordada.

 

CORTA PARA:

 

CENA 2. INTERNA |DIA |CIDADE DE AMERICANA – CASA DE HELÔ – QUARTO DE BRUNO.

 

BRUNO (Espantado) – Como é que é? Eu não to acreditando nisso… Quer dizer que você resolveu se separar do papai e ir morar no Rio? Você vai atrás dele, do seu amor eterno? (Indaga sarcástico) – Sim, por que agora ficou muito claro que você não o esqueceu esse tempo todo. Ou vai continuar negando?

HELÔ – Agora você esta sendo radical e infantil comigo. O fato de eu ir morar no Rio não tem nada a ver com aquele cara do meu passado. Tudo aquilo ficou pra trás, você e o seu pai que volta e meia insistem em me fazer lembrar dele. Eu nunca mais o vi na vida, nem sei se ele mora mais no Rio, de repente pode estar até na Cochinchina ou no raio que o parta! Não me interessa, eu não quero saber. (Grita) – Acabou! Eu não penso mais nele, eu não amo mais ele e quero continuar sem vê-lo pro resto da minha vida.

BRUNO (Indiferente) – Se você diz…

HELÔ – O Rio pra mim é a minha casa… É onde eu vivi desde os meus dez anos de idade. Tem a praia que amo, Ipanema, o jardim botânico, corcovado, pão de açúcar… O cristo! (Diz sorrindo) – Como eu sinto falta daquilo tudo. Sem contar nos amigos e na minha família que eu deixei lá e nunca mais os vi… É por tudo isso que eu quero voltar. Americana é linda, uma cidade calma e acolhedora, mas nunca foi o meu lar. Aqui, eu apenas sobrevivi esses anos todos. E já esta na hora de voltar pra casa, de sentir o cheiro da maresia, de ficar presa no trânsito e enfrentar um calor de quarenta graus… De colocar os pés na areia e sentir a água do mar. Ta na hora de eu voltar a viver e ser feliz… E é exatamente isso, que eu vou fazer. E você esta convidado a vir comigo… O que você acha?

BRUNO – Jamais eu deixarei o meu pai sozinho e sofrendo… Eu sempre vou ficar do lado dele.

HELÔ – Muito bem. Se é o que você quer… Por mim, tudo bem. Eu virei a cada quinze dias te ver e você também poderá ir me visitar quando quiser. Eu viajo essa noite e chego lá pela manhã…

BRUNO (Seco) – É só isso? Você já terminou?

HELÔ – Já sim, eu só queria te deixar a par de tudo… Ah tem mais uma coisa, a gente ainda não conversou sobre aquele assunto, a sua prisão… Enfim, você precisa de ajuda filho. E nós iremos encontrar uma melhor maneira de fazer isso… Conta com a gente ta? (Diz se aproximando dele, mas ele se vira na cama).

Bruno nem da bola e já coloca os fones no ouvido de novo… Helô sai arrasada e fecha a porta. Quando chega ao lado de fora do quarto, ela começa a chorar muito… Ela não queria que tudo terminasse daquele jeito e estava doendo muito essa separação do filho e a indiferença dele.

 

CORTA PARA:

 

CENA 3. EXTERNA |DIA |RIO DE JANEIRO – RUA – ACIDENTE.

Pedro que saiu do banheiro e não viu ninguém no restaurante, viu a aglomeração de pessoas lá fora e foi ver o que tinha acontecido…

 

PEDRO – O que aconteceu aqui? (Indaga a uma mulher).

MULHER – Uma moça que atravessou a rua sem olhar e foi atropelada. Ela e o namorado saíram brigando do restaurante… Coitadinha, eu acho que ela não escapa dessa.

Pedro foi chegando mais perto e ficou chocado ao ver Rodrigo em volta da moça…

PEDRO – Rodrigo? Mas o que foi que aconteceu? Quem é essa moça?

RODRIGO – É a minha noiva, Pedro… (Grita) – Cadê essa maldita ambulância que não chega?

PEDRO – Calma, procure ficar calmo. Ela já deve estar chegando, vai ficar tudo bem… Olha só, eu não disse.

Falou Pedro ao ver a ambulância vindo… Os paramédicos chegaram abrindo espaço e afastando os curiosos. Depois tomaram todos os cuidados possíveis para remover Débora. Enquanto Pedro confortava o amigo… Rodrigo foi dentro da ambulância com a noiva, e Pedro os seguiu de carro.

 

CORTA PARA:

 

CENA 4. INTERNA |DIA |INSIGHT PUBLICIDADE – SALA DE LENITA.

Depois de se encararem por alguns segundos, Lenita é quem quebra o gelo…

 

LENITA – Bom aqui esta o catálogo da Campanha de Verão da Garota de Ipanema 2017! (Diz entregando para Beatriz que começa a folheá-lo) – A Leila já finalizou tudo, só falta a sua aprovação pra iniciarmos a divulgação.

BEATRIZ (Sorridente) – Realmente a Leila é muito competente no que faz… Olha só, cada vez mais ela me surpreende… As cores, tudo… Esta excelente e aprovado!

LENITA – É a Leila é uma excelente profissional sim… Eu aprendi muito com ela nesses anos todos. Mas você esta sabendo que essa é a última campanha sua que a Insight pega né?

BEATRIZ – Sim, a Leila já falou comigo. O que é uma pena, mas eu encontro outro agência tão boa quanto ou até melhor que a Insight pra continuar assinando as campanhas da Garota de Ipanema.

LENITA – Você devia é desistir dessa loucura toda… A marca nunca mais foi à mesma desde que a Helô foi embora…

Beatriz fica séria de repente e Lenita continua…

LENITA – Ela nunca mais deu notícias? Mesmo depois de tantos anos…

BEATRIZ (Sarcástica) – A sua amiguinha de praia? Não, nunca mais. Também dar notícias pra que não é mesmo? Ela perdeu o namorado, a amiga, sem contar na família dela… Sabe, eu acho que se fosse comigo, nem eu voltaria… A Helô não tem porque e muito menos pra quem voltar.

LENITA – Acontece que ela perdeu tudo por sua causa… Pelo menos a minha amizade e o amor do Pedro, eu sei que foi. Você armou tudo de maneira tão baixa, sórdida e cruel, para uma pessoa boa, que só te amava e queria o seu bem. A sua própria irmã… (Diz se levantando e andando de um lado pra outro) – Eu nunca vou entender isso. A Helô sempre foi tão pura, de bom coração que nunca enxergou a megera que você é de verdade! Como você pode ser capaz de fazer tudo o que fez com ela hein Beatriz? Por causa de ciúmes e inveja? Vocês sempre foram ricas, as mesmas oportunidades que ela teve, você também teve… Mas não bastou para a Bia não é mesmo? Ela queria ser a Helô! Essa sua obsessão por ela sempre foi ridícula, assim como você também é. A Helô sempre foi melhor que você mesmo, e jamais você chegará aos pés dela, sua recalcada ordinária, miserável e infeliz.

BEATRIZ (Grita) – Chega! Agora chega! Eu sou uma cliente aqui como qualquer outra e exijo ser tratada com respeito. Eu não vim até aqui pra ouvir os seus insultos e muito menos as suas lamúrias de amiga que não consegue aceitar até hoje que a melhor amiga foi embora e que ela não vai voltar nunca mais. Agora se me dá licença, eu vou embora que eu tenho mais o que fazer, do que ficar perdendo o meu tempo com você… Depois eu converso a Leila e trago o cheque do pagamento pessoalmente. Tchau. (Diz virando as costas e saindo).

LENITA – Beatriz espera… (Diz indo até ela, que se vira e ganha um tapa na cara de Lenita) – Isso é por mim e pela Helô… Por você ter estragado uma amizade tão bonita e verdadeira, a fazendo acreditar que eu a tivesse traído com o Pedro… E no entanto, olha quem esta casada com ele agora. Ah e considere-se quites comigo agora, porque eu estava lhe devendo esse tapa há mais de vinte anos.

BEATRIZ (Furiosa) – Você vai se arrepender por isso. (Diz segurando o rosto, com expressão de raiva) – Ah vai, pode apostar. (E sai como um furacão).

 

CORTA PARA:

 

CENA 5. INTERNA |DIA | HOSPITAL – CORREDOR.

 

{Começa a tocar: Instrumental Tensão}

 

Débora deu entrada no hospital em estado grave e Rodrigo aguardava na sala de espera desesperado, até que finalmente o médico veio falar com ele…

RODRIGO (Nervoso) – Doutor o que houve? Como ela esta?

DOUTOR – Sendo preparada para cirurgia. Ela tem fraturas múltiplas nas pernas, traumatismo craniano, um pulmão afetado, costelas quebradas e uma forte hemorragia.

RODRIGO (Preocupado) – Mas ela vai ficar bem? Vocês vão salvar ela?

DOUTOR – Com um trauma dessa magnitude, nós iremos fazer tudo que é possível… Fique calmo. A prioridade agora é salvar a sua noiva. Nós o manteremos informados. (Diz e sai).

Rodrigo fica preocupado. Depois ele pega o celular e liga para a mãe avisando…

RODRIGO (Ao celular) – Alô, mãe… Escuta, ta tudo bem agora, mas a Débora sofreu um acidente. Eu estou no hospital, vem pra cá agora…

Quando desliga o telefone, ele vê Pedro chegando…

PEDRO – E aí como ela esta?

RODRIGO – Nada bem Pedro… Ela esta entrando em cirurgia agora. (Conclui emocionado).

Pedro o abraça, dando forças ao amigo…

 

CORTA PARA:

 

CENA 6. INTERNA |DIA |EDIFÍCO BELA VISTA |COBERTURA DE ANSELMO – ESCRITÓRIO.

Anselmo está lendo em seu escritório quando ouve a campainha tocar. Maroca vem da cozinha apressada e atende a porta.

 

PALOMA (Sorridente) – Surpresa! Oi boa tarde! Como vai Maroca?

MAROCA – Eu vou bem garota e você? Faz tempo que você não aparece aqui… Seu avô estava reclamando outro dia.

PALOMA – Eu andei ocupada… Mas apareci e não vim sozinha não, trouxe outro sumido comigo. (Diz rindo, quando Edu aparece).

EDU – Sentiu saudades de mim, Maroca?

Maroca vai até ele e o abraça forte…

MAROCA – Mas é claro que sim, seu desnaturado. (Diz dando um tapa no braço dele) – Esqueceu da gente foi? Seu Anselmo, dona Celina… Vem ver quem ta aqui…

Anselmo e Celina entram na sala e sorridentes vão de encontro a Paloma e Edu, e os abraçam.

 

CORTA DIRETO PARA – TODOS SENTADOS NA SALA.

 

ANSELMO – Mas até que enfim, o senhor apareceu né Edu? O que você tem feito, meu filho?

EDU – Estudando causas, defendendo casos, comparecendo no fórum, indo a audiências, enfim… Advogando muito, graças a Deus.

ANSELMO (Sorridente) – Mas que orgulho viu… Você pra mim, é o filho homem que eu nunca tive. Seu pai se estivesse aqui estaria muito orgulhoso também.

MAROCA (Emocionada) – Grande Juvenal… Ele falava mesmo do sonho que ele tinha em te ver formado pra doutor, de poder dar a você os estudos que ele não tinha…

CELINA – É, mas hoje é dia de alegria e de celebrar. Você vai ficar até a noite com a gente, e vai jantar conosco hoje Edu…

EDU (Sorrindo) – Bom, por acaso hoje a minha agenda esta encerrada… Então, eu fico com o maior prazer e assim aproveitamos para colocar o papo em dia.

PALOMA – Que recepção hein meu amigo… Ta com mais moral do que eu aqui nessa casa. Bom eu vou dar um pulo em casa, tomar um banho que eu estou desde cedo na rua, e descansar um pouco. Mas eu volto pra esse jantar hein…

MAROCA – É pra voltar mesmo, por que eu vou fazer tudo que você e o Edu mais gostam. Agora eu vou lá na cozinha trazer um pedaço de pudim de leite que eu fiz e sei que você adora, Edu.

EDU – É hoje que eu saio uns dez quilos mais gordo dessa casa…

Todos riem…

 

CORTA PARA:

 

CENA 7. INTERNA |TARDE |INSIGHT PUBLICIDADE – SALA DE LEILA.

 Leila e Lenita conversam sobre o almoço que Leila teve com um cliente…

 

LENITA (Chocada) – Eu não acredito… Mas ele teve coragem de te cantar assim, na cara dura?

LEILA (Ri) – Sim… E ainda me convidou pra ir morar na França na com ele, pode uma coisa dessas? Ele disse que me achava linda. E eu lá na maior saia justa, não sabendo aonde enfiar a cara.

LENITA (Ri) – Que chique hein cherry… França! E como você conseguiu sair dessa situação toda, e o mais importante, sem perder o cliente?

LEILA – Com o jeitinho brasileiro né? Dizendo que eu me sentia lisonjeada com o convite, mas que não podia me ausentar agora devido ao trabalho, e que também já estava conhecendo um homem, enfim… Graças a Deus, funcionou. Imagina eu conhecendo um homem a essa altura do campeonato?

LENITA – E por que não? Você é linda, ta inteirassa ainda amiga… Eu conheço mulheres mais novas que você e que não tem todo esse pique, a sua jovialidade e beleza não. Você ficou viúva há mais de quinze anos, já esta na hora de conhecer alguém e amar de novo sim! E faz tempo que eu te falo isso… Eu dou a maior força.

LEILA – Bom se acontecesse de repente e valesse a pena tudo bem. Mas eu não vou sair por ai procurando. Eu não tenho mais tempo e nem paciência pra isso viu… Mas e a senhorita? Não ta na hora também de arrumar um pretendente e se casar não?

LENITA – Deus me livre! Eu não tenho saco para agüentar homem em casa, com todos os seus defeitos e manias, não. Eu sempre fui e pretendo continuar sendo uma mulher independente. Saio com um aqui, outro ali, mas na hora de dividir casa e cama, eu prefiro cada um na sua. Sempre funcionou melhor assim pra mim. Tem mulheres que são mais românticas, sonham em se casar e ter filhos… Eu pra dizer a verdade nunca sonhei com isso. A única coisa que eu quero é ser mãe independente, e pra isso eu não preciso ter um homem do lado.

LEILA – Corajosa você hein amiga… Nos dias de hoje, ter filho com marido do lado, sendo criado por mãe e pai já esta difícil, imagina criando sozinha sendo mãe solteira? Se eu fosse você repensava isso melhor…

LENITA – Pode até ser, mas eu prefiro correr o risco pra realizar esse sonho… Ah antes que eu me esqueça, eu recebi um e-mail do meu irmão caçula hoje, ele chega ao Brasil na semana que vem. Tem uns dois anos que eu não o vejo desde que ele foi morar e trabalhar na Europa. Ele é publicitário também, fez grandes campanhas lá fora.

LEILA – Olha que bacana… Morar e estudar fora do país nos da uma bagagem muito boa, de conhecimento, cultura e costumes. A gente querendo ou não, já recebe um choque cultural quando chega nesses países de primeiro mundo. Eu admiro muito pessoas que vão pra morar, estudar ou trabalhar lá fora, os leques de visão e sabedoria aumentam muito. E ele vem pra ficar de vez agora no Brasil?

LENITA – Acho que sim, vai depender dele arrumar um sócio aqui e montar o próprio negócio, que é o que ele mais quer na vida. Ele adoro outras culturas, mas prefere morar mesmo aqui no Brasil.

LEILA (Animada) – Bom mas se ele quer mesmo montar uma sociedade, por que não com a gente aqui na Insight? Há muito tempo que eu estou querendo diminuir o ritmo de trabalho, sair de férias pelo menos duas vezes por ano e viajar… E pra isso, seria ideal que tivéssemos um novo sócio. Fala com ele…

Lenita pensa um pouco e depois sorri assentindo com a cabeça, e mostrando que gostou da idéia…

 

CORTA PARA:

 

CENA 8. EXTERNA – INTERNA |TARDE |CIDADE DE AMERICANA – CASA DE HELÔ – QUARTO.

 

{Começa a tocar: Complicamos Demais – Alinne Rosa}

 

Cam fade in – Abre dando uma panorâmica privilegiada da cidade, seus prédios, o centro…

 

CORTA DIRETO PARA: CASA DE HELÔ – QUARTO.

Helô esta conversando com Flávia por vídeo chamada e amiga lhe dá uma boa notícia…

 

HELÔ (Triste) – Eu só sei que eu estou arrasada amiga… Eu não queria que fosse assim, que tudo terminasse desse jeito. Dói muito ver um filho que a gente ama se voltar contra a gente.

FLÁVIA – É só uma fase amiga, você vai ver… Logo tudo isso passa e o Bruno volta a ser o filho maravilhoso que sempre foi. Eu sempre disse que você e o Daniel deveriam ter se separado há anos atrás e não deixado a situação chegar a esse ponto que chegou… O Bruno cresceu vendo vocês dois brigarem, o casamento se desgastando aos poucos, e pra piorar ainda mais a situação, vendo um pai fazer de tudo pela mulher que ama em vão, já que você nunca amou o Daniel. Enfim, tudo isso acabou pesando pro seu lado e fez com que o Bruno escolhesse o pai. É doloroso, eu sei que é, mas é a realidade. Pelo menos agora você fez o certo em pedir o divórcio e com o tempo toda essa raiva que o Bruno ta sentindo acaba.

HELÔ – Tomara que você esteja certa amiga… Só Deus sabe o quanto ta me custando ir embora e deixar ele pra trás. Parece que a minha vida toda sempre foi um sucessão de despedidas e abandonos. Sempre abandonando alguém, partindo corações e ferindo o meu próprio coração… Já deu pra perceber o quanto eu to carente né? Vai ter que segurar minha barra ai no Rio. (Diz sorrindo e desanimada).

FLÁVIA (Ri) – Pode vir que amigos são pra essas coisas, eu vou estar te esperando com um abraço, uma palavra amiga e uma taça de vinho pra relaxar… Depois eu também tenho os meus momentos viu dona Helô… É, não pense que eu não preciso de um ombro amigo pra chorar às vezes não, afinal somos todos humanos e falhos também. Ninguém é perfeito… Ah eu já ia me esquecendo, eu tenho uma boa notícia pra você. Na clínica onde eu alugo uma sala, surgiu uma sala vaga de um médico que se aposentou e eu mandei reservá-la pra você. (Diz toda entusiasmada) – Fiz mal amiga?

HELÔ – Bom, eu confesso que ainda não sei como vão ficar as coisas ai no Rio,mas ficar e me estabelecer ai de novo com certeza é uma opção e no momento a mais viável pra mim, eu diria. Então não amiga. Você não fez mal em reservar a sala pra mim. (Fala sorrindo) – Acho que o que eu estou precisando é mesmo de vida nova, ainda que seja no lugar de onde eu fugi de tudo e de todos. Pode reservar essa sala pra mim, que chegando ai eu acerto todos os detalhes com o locatário. (Fala decidida).

FLÁVIA – Isso! É assim, que se fala Helô. Depois quem sabe você não tenha que voltar mesmo pra colocar de uma vez por todas um ponto final em tudo que você deixou inacabado aqui?

Helô fica pensativa e assenti…

 

CORTA PARA:

 

CENA 9. INTERNA |TARDE |RIO DE JANEIRO |HOSPITAL.

Rodrigo esta ansioso na sala de espera do hospital aguardando notícias de Débora há mais de duas horas. Quando Teodora, sua mãe chega pra lhe dar apoio.

 

TEODORA – Ô meu filho, que foi que aconteceu… (Fala abraçando-o).

RODRIGO – O de sempre mãe, as neuroses da Débora. Ela fica cega quando coloca uma coisa na cabeça. Mas eu não quero falar sobre isso agora, o estado dela é grave mãe… (Diz emocionado).

TEODORA – Não, claro. Eu entendo… Mas vai dar tudo certo você vai ver. O que nós temos que fazer agora é se apegar com Deus e entregar pra ele, filho.

CÉSAR – Conta com o nosso apoio ta Rodrigo… Pro que você precisar cara.

RODRIGO – Obrigado César. Valeu mesmo.

TEODORA – E você teve notícias dela?

RODRIGO – Ainda não. Ela esta em cirurgia há mais de duas horas… Eu só espero que tudo esteja correndo bem.

Cam close em olhares alternados.

 

CORTA PARA:

 

CENA 10. EXTERNA – INTERNA |NOITE |COBERTURA DE BEATRIZ BITTENCOURT – SALA.

 

{Começa a tocar: O Barquinho – Paula Toller}

Cam – Mostra imagens da cidade maravilhosa. (Depois corta)

 

Pedro esta conversando com as filhas na sala, quando Beatriz chega…

BEATRIZ – Boa noite família! Nossa que bonito ver vocês reunidos assim, ta parecendo até comercial de margarina. Só faltava a mamãe… Vocês estavam esperando eu chegar?

PEDRO – Sim. O jantar já vai servido daqui a pouco. Mas a Paloma não vai jantar conosco hoje.

BEATRIZ – E vai jantar onde filha, poso saber? (Indaga sentando-se perto dela e começa fazer um carinho nela).

PALOMA – No Vovô, ele me convidou pra jantar lá hoje e eu aceitei… O Edu também esta lá, fazia tempo que ele não vinha visitar a gente, enfim… Hoje é dia de festa para o seu Anselmo.

BEATRIZ – Sei, ai o seu avô resolveu caprichar hoje né? Eu não entendo, que mania que o papai tem de insistir em tratar esse rapaz como se fosse da família.

PEDRO – Mas ele é da família, Beatriz. Depois de tudo o que aconteceu com o pai dele, o seu Anselmo foi o único que estendeu a mão pra ele e a mãe dele. O Edu praticamente foi criado conosco desde pequeno, junto com as meninas. Eles são como irmãos e eu acho a atitude que o seu pai teve muito louvável.

BEATRIZ – Ah mas da minha família ele não é mesmo. O que o papai fez pode até ter sido louvável, mas eu não teria a mesma atitude de jeito nenhum… Dava um dinheiro pra família e tchau, tava de bom tamanho. Agora a gente tem que agüentar esse filho do motorista rondando a nossa filha o tempo todo.

PALOMA – Também não é assim mãe, eu e o Edu somos muito amigos. E ele é sim da família. Essa sua implicância gratuita com ele não tem cabimento. Bom eu já vou que o vovô detesta atrasos… Você quer vir comigo Liah?

LIAH – Não obrigada, eu to sem fome.

BEATRIZ – Você, sem fome? De repente eu começo a acreditar em milagres. (Comenta rindo).

Paloma e Pedro só olham pra Beatriz de cara feia…

PALOMA – Bom, até mais pai. (Diz dando um beijo em Pedro) – Até mais Liah… Ah mãe, eu deixei na cabeceira da sua cama, a pasta com os croquis da coleção. Beijos… (E sai).

BEATRIZ – Oba! Depois eu vou ver… Obrigada filhota. (Diz sorrindo) – Bom eu vou tomar uma ducha rápida e desço em seguida para o jantar. Ah e Liah, não precisa ficar sem comer minha filha… Eu vou pedir pra Chica servir uma salada para você. Senão de madrugada você sente fome e ataca a geladeira que eu sei… Até mais meus amores. (Diz e sobe as escadas).

Pedro vai pra perto da filha no sofá e de colo pra Liah…

PEDRO – Não liga pra sua mãe filha… A Beatriz não sabe o que fala, é fútil. Você é linda do jeito que é, e eu te amo.

LIAH – Obrigada pai… (Diz se aconchegando mais a Pedro).

 

CORTA PARA:

 

CENA 11. INTERNA |NOITE |CIDADE DE AMERICANA |CASA DE HELÔ – SALA.

Helô estava de malas arrumadas e se despedia da casa, enquanto Daniel tirava o carro da garagem… Ela olhava tudo com lágrimas nos olhos e segurava para não chorar. De certa aquela casa, o seu trabalho e a cidade de Americana, a haviam acolhido de tal maneira, que estava sendo muito difícil partir deixando tudo para trás. Ali ela fora feliz com Daniel, e o filho… E Daniel era o principal responsável por toda essa vida nova que ela conseguira ali. Desde que se conheceram na faculdade de medicina em São Paulo, onde se formaram e logo depois já namorando, se mudaram para o interior, pra cidade natal dele. Helô estava tão longe que nem percebeu que o marido a olhava com afeto e lágrimas nos olhos, enquanto ela fechava a porta do quarto de Bruno, já chorando…

 

HELÔ (Chorando) – Ele não quis mesmo se despedir de mim…

DANIEL – Não. Ele saiu assim que você entrou no banho e disse que voltaria tarde.

HELÔ – Eu estou muito preocupada com ele, Daniel… Sabe-se lá Deus o que esse menino tem aprontado por ai. A gente tinha que ver um grupo de apoio, uma clínica, enfim… Algo que o ajudasse a sair desse maldito vício.

 DANIEL – Eu prometo conversar com ele, ver a extensão do caso e depois oferecer ajuda. Mas você sabe como funciona essas coisas, pra que dê certo, ele tem que aceitar ser ajudado… Caso contrário será tudo em vão.

HELÔ – Eu bem que tentei ajudar, mas ele não quer me ouvir. Esta com raiva de mim e me culpa por tudo. Por isso eu também acho que vai ser melhor eu ir embora… Quem sabe assim ele melhora só com a minha ausência…

DANIEL – Duvido… Eu sei que no fundo ele vai sentir muito a sua falta, assim como eu também vou…

Daniel e Helô se encararam por um momento, emocionados. E logo Helô foi até ele, o abraçando forte.

 

{Começa a tocar: Como Vai Você – Daniela Mercury}

 

HELÔ (Emocionada) – Muito obrigada por tudo, Daniel. (Diz olhando nos olhos dele, enquanto segura as mãos dele) – Me desculpa ta? Eu nunca quis que terminasse assim… Se tem uma pessoa nesse mundo que merece ser feliz é você. Promete pra mim que vai se cuidar e que jamais vai se apaixonar por uma mulher que não te ame como você merece?

DANIEL (Emocionado) – Prometo… (Diz e começa a chorar, e Helô limpa as lágrimas dele com a mão) – Me desculpa por tudo o que eu te falei… Ta sendo muito difícil pra mim, te perder. Eu te amo demais…

HELÔ – Quem disse que você vai me perder Daniel? Nós só não seremos mais marido e mulher. Mas continuaremos bons amigos pra sempre… E principalmente sendo pais do Bruno. Esse laço é pra sempre e nada nesse mundo pode separar esse tipo de união. O Bruno nos uniu pra sempre desde que nasceu, nós somos uma família, independente de estarmos juntos ou não. Nós iremos sempre contar um com o outro, não se esqueça disso nunca ta? Eu também te amo e muito…

DANIEL – Você é uma mulher muito especial Helô. E também merece ser muito feliz… Ainda que não seja ao meu lado…

HELÔ – Obrigada. Eu ligo assim que chegar no Rio, pra dizer que ta tudo bem. (Diz pegando a última mala que sobrara) – Diz pro Bruno que eu amo muito ele e que eu espero vocês no Rio pra uma visita. A minha casa estará de portas abertas pra receber vocês… Não precisa me acompanhar até lá fora, é melhor assim. Então, até breve.

DANIEL – Pode deixar que eu falo pra ele. E nós iremos te visitar o quanto antes… Até breve.

Nesse momento Helô passa por Daniel e abre a porta. Ela fica parada por um instante e depois se vira… Helô vê Daniel chorando de novo, vai até ele e lhe da um beijo na boca. O último beijo. O beijo da despedida, em meio a lágrimas e corações partidos… Helô sai, fechando a porta. E Daniel se joga no sofá chorando feito criança…

 

CORTA PARA:

 

CENA 12. INTERNA |NOITE |RIO DE JANEIRO |HOSPITAL.

Rodrigo, Teodora e César ainda esperam por notícias de Débora, que teve que passar por cirurgia. E depois de horas esperando, finalmente o médico vem falar com eles…

 

TEODORA (Aliviada) – Finalmente. Graças a Deus, vamos ter notícias… (Diz se levantando, seguida de César e Rodrigo).

RODRIGO (Preocupado) – E então doutor? Correu tudo bem na cirurgia? A Débora esta bem?

O médico os encara sério. (Closes alternados).

 

CORTA PARA:

 

CENA 13. INTERNA |NOITE |IPANEMA – COBERTURA DE BEATRIZ – SUÍTE MASTER.

Beatriz que esta se arrumando e passando creme facial de frente para o enorme espelho de seu banheiro, de repente se lembra da pasta com os modelos que Paloma deixou em sua cabeceira e vai para o quarto pegá-la… Ela pega a pasta toda sorridente e abre, pegando os croquis… Logo ela leva um susto assim que vê os desenhos…

 

BEATRIZ – Mas que palhaçada é essa? Que desenhos horríveis e fora de moda são esses? A Paloma só pode estar de brincadeira comigo… Esses não são aqueles desenhos maravilhosos que eu vi no quarto dela mais cedo. (Diz passando desenho por desenho e depois nervosa, os joga em cima da cama) – Não, ela não seria capaz de fazer isso comigo, de me trair desse jeito. O que quê ela ta querendo, sabotar o desfile da nova coleção da Garota de Ipanema? Eu me recuso a acreditar nisso… E se ela ta pensando que eu vou deixar isso barato, ah mais ela ta muito enganada. Só seu não me chamasse Beatriz Bittencourt!

(Cam – Close no rosto enfurecido de Beatriz)

 

FIM DO CAPÍTULO.

(A imagem congela. Depois se transforma em um cartão postal, jogado sobre Ipanema)

{O capítulo se encerra com a música: Pra Te Lembrar – Luiza Possi}

Pra Te Lembrar - Luiza Possi

Eduardo Moretti

Um cara do bem, romântico, sonhador, apaixonado pela vida e que ama o que faz… “Escrever para mim, é deixar de ser criatura para ser criador.”