Dupla Face: Episódio 4 – Primeiro passo

Dupla Face: Episódio 4 – Primeiro passo



 

EPISÓDIO DE HOJE: PRIMEIRO PASSO

 

Bruna sai do banheiro de seu quarto, apenas de toalha, senta-se na cama e pega o cheque que estava ao lado do abajur:

Bruna – Hum… eu amo aquele homem!

A gargalhada aumenta:

Bruna – Só que não!

Bruna olha a foto de seu namorado Eduardo no celular:

Bruna – Você sim, eu amo. Me odeio, por estar fazendo isso contigo. Você não merece.

Ela se joga na cama, ainda com o celular na mão, disca o número de Eduardo e coloca o telefone no ouvido. Eduardo está em sua casa, sentado à mesa, com uma pilha de provas ao seu lado, Eduardo é professor, dá aulas de gestão empresarial para o curso de administração numa faculdade, enquanto corrige algumas avaliações, percebe seu celular tocar e imediatamente atende:

Eduardo – Oi amor!

Bruna – Oi … como você está?

Eduardo – Bem, corrigindo provas.

Bruna – Ih… então, não está muito bem não.

Eduardo – Claro que estou, você sabe que eu amo meu trabalho.

Bruna – Para ser professor tem que amar muito, ser professor. Eu não teria a mínima paciência.

Eduardo – Te conhecendo bem, posso afirmar, garantir que está dizendo a verdade. Estou com saudades de você.

Bruna – Eu também meu amor.

Eduardo – Eu tentei te ligar algumas vezes mais cedo quando cheguei em casa, mas seu telefone estava desligado.

Bruna tenta contornar a situação:

Bruna – Ah! Me desculpa, estava descarregado. Olha, eu liguei só para te desejar um boa noite e dizer que você é muito especial. Eu te amo.

Eduardo – Eu também te amo. Você também é especial demais, vamos almoçar juntos amanhã, o que acha?

Bruna – Ótimo! Maravilha.

O interfone do apartamento toca e Bruna se despede de Eduardo:

Bruna – Amor. Estou com sono, vou dormir ok? Beijo.

Ela desliga e corre para a cozinha e atende o interfone:

Bruna – Quem é?

É Rick o seu melhor amigo gay:

Rick – Sou eu amiga!

Bruna – Ah! Sobe.

Bruna libera a porta, volta para o quarto e diz sorrindo:

Bruna – Eita, vou fazer um teste.

Bruna tira toalha, pega um hidratante para a pele, coloca um dos pés em cima da cama e começa a passar o creme por toda perna. Alguns instantes depois, Rick entra no apartamento:

Rick – Miga sua loca! Cadê você?

Bruna – Oi Rick, pode vir aqui no quarto!

Ao chegar no quarto, Rick se depara com Bruna pelada e se assusta:

Rick – Ai! Credo Bruna! O que é isso mulher?

Bruna cai na gargalhada:

Rick – Que horror!

 

Bruna – Queria testar se você era gay mesmo!

Rick – Que ridícula! Mais gay do que eu não sei quem mais. Sou decidido meu amor.

Bruna – Eu sei lá!

Rick – Hum, eu sei lá… ah me poupe. Veste logo a roupa vai, vai, vai!

Bruna – Ah, relaxa, não tem ameaça com você mesmo.

Rick – Não claro que não. Mas vista a roupa aí agora, e tem que ser uma daquelas arrasadoras vamos.

Bruna – Para dormir?

Rick – Que dormir gata? Hoje vamos lacrar. Olha para mim querida, já estou a caráter! Vamos a uma festa!

Bruna – Vamos a uma festa?

Rick – Vamos!

Rick meche nos guarda roupas de Bruna:

Bruna – Que festa?

Rick – Uma Rave, na verdade.

Bruna – Uma Rave? Onde? Você não me disse nada sobre isso, achei que hoje eu iria dormir, o Ernesto veio me ver, estou arrasada!

Rick tira uma roupa para ela e joga na cama:

Rick – Ótimo! Então ele deixou grana.

Bruna – Deixou!

Rick – Isso se traduz em festa querida. Você se envolve com um coroa rico e casado, arrisca seu namorado perfeitinho e inocente e não vai tirar nenhum proveito disso? Não, pare de show por que está feio. Esse vestido é maravilhoso, coloca e vamos pra NIGHT!

Bruna olha para o amigo sorrindo.

Na casa dos Paes Medeiros, Isadora e Ernesto jantam sozinhos:

Isadora – A casa parece ficar tão vazia sem a Sandra aqui. Coitada! Aliás, eu sinto muito pelo o que aconteceu com a filha de vocês.

Ernesto – Obrigado Isadora, espero que ela se recupere e volte para casa logo.

Isadora – Hum… ela vai voltar a morar aqui?

Ernesto – Ela tem que voltar! Não sei porque, mas, nunca gostei da ideia de ela ficar no Rio de Janeiro por causa de um namorado.

Isadora – Sabe Ernesto, eu acho que… entendo a Renata.

Ernesto pega taça e toma o vinho olhando pra Isadora que está do outro lado da mesa:

Isadora – A gente não escolhe quem e onde vai amar alguém. Simplesmente acontece! Eu morei no interior do Paraná por muito tempo, um certo dia fui a Curitiba para tratar de questões comuns que só se resolve na capital e conheci o Luigi.

Ernesto – Ah sim, seu esposo. Eu sinto muito.

Isadora – Ele tinha 81 anos, mas me conquistou de uma maneira que… decidi largar tudo e me casar com ele, fui morar em Curitiba.

Ernesto – Como você está agora?

Isadora encena tristeza e sofrimento e convence com as lágrimas:

Isadora – Com muita saudade, sozinha, triste, abalada!

Ernesto levanta da cadeira e vai até Isadora tentando consolar:

Ernesto – Oh! Calma, não fique assim! Olha, sozinha, você não está mais.

Ele a abraça e por trás de seus ombros Isadora comemora. Mulherengo e atirado, Ernesto escorrega uma das mãos pelas costas de Isadora e ela percebe. Olhando-a nos olhos, ele elogia:

Ernesto – Olha! Você é uma mulher incrível, bonita inteligente, carismática. Garanto que não vai demorar muito para conseguir alguém que te ame muito.

Isadora – Obrigado! Eu também posso dizer que… a Sandra é uma mulher sortuda! Você é um excelente esposo e também, é muito bonito!

Eles flertam por alguns segundos em silencio, se olham nos olhos, até que, Ernesto enxuga as lágrimas dela com os dedos. Isadora se faz de difícil:

Isadora – O nosso jantar vai esfriar.

Ela vai tenta sentar-se na cadeira, mas ele a puxa para perto de volta, se olham por mais alguns segundos e se beijam.

Após algum tempo curtindo o beijo, Isadora se afasta e finge estar constrangida e sentindo-se mal por Sandra:

Isadora – Não, não Ernesto! Meu deus! Ai me desculpe.

Ernesto – Mas, não foi você, eu que te beijei, me desculpe se te ofendi, é que senti uma grande vontade.

Isadora – Mas não está certo! Olha, você é maravilhoso, mas não posso fazer isso com a minha amiga! Não, não posso! Olha ela está lá preocupada com a filha e eu aqui fazendo uma coisa dessas. Me desculpa, eu preciso ir para o meu quarto.

Ernesto fica pensativo e Isadora se retira do jantar.

Ao chegar no quarto Isadora comemora se jogando na cama:

Isadora – AH! … Que safado! Gente, não achei que seria tão fácil! Apesar de ser linda, achei que seria um pouco mais difícil, mas… Ele é um safado! Tive que freá-lo, ainda é cedo, não posso perder minha dignidade com a Sandra!

Isadora sorri, muito feliz pelo o feito que conseguiu. O celular dela toca, é Marcelo:

Isadora – Olá querido. Tenho novidades bombásticas!

Marcelo – Ah é?

Isadora – Sim! O marido da Sandra, é um infiel e vai ser mais fácil do que pensei.

Marcelo – Hum… então, já no primeiro dia por aí, você percebeu isso?

Isadora – Sim, sim… está tudo fluindo bem. Ah e você não sabe da maior, a filha deles que mora no Rio de Janeiro, foi atropelada e está no Hospital muito mal.

Marcelo – Nossa você é uma bruxa! Onde chega, coisas ruins acontecem.

Isadora – Ruins?

Isadora sorri:

Isadora – Depende do ponto de vista, ao meu ver, está tudo acontecendo conforme necessito que aconteça. E você como está?

Marcelo – Hum… está sentada?

Isadora – Deitada, por que?

Marcelo – Ótimo! Melhor assim, porque eu também tenho uma novidade.

Isadora – Não me diga que é alguma coisa sobre a morte do Luigi…

Marcelo – Não. É sobre mim. Estou em São Paulo, em um Hotel meia boca e você vai ter que me arrumar um lugar melhor para ficar!

Isadora se levanta da cama enfurecida:

Isadora – O que? Você ficou louco? Eu disse para você que não poderia vir.

Marcelo – Disse. Mas você não manda em mim, achou que ia me deixar na merda lá em Curitiba e enriquecer por aqui sozinha? Não Isadora, você é esperta, mas eu também sou.

Isadora muito irritada:

Isadora – Seu verme! Não pense que vai me extorquir.

Marcelo – Você não deveria esquecer que está nas minhas mãos, eu posso te ferrar Isadora.

Isadora – Se fizer isso te levo junto.

Marcelo – Nunca matei ninguém, você sim. Quero vê-la, preciso de grana.

Isadora escuta Marcelo com muita raiva:

Marcelo – Que tal amanhã ás 9h? Na praça de alimentação do shopping Iguatemi. Você paga a conta hein… Só confio de te encontrar num lugar público, não quero correr risco de morte!

Danilo sorri com ar de deboche:

Isadora – Vai se danar seu Gigolô!

Isadora desliga o celular. Dentro do banheiro de seu quarto, ela esbanja a raiva:

Isadora – Desgraçado! Miserável!

Ofegante e com os nervos à flor da pele, ela olha-se no espelho:

Isadora – Está muito enganado se acha que vai me fazer de trouxa! Ele que se prepare. Quer guerra? Então vai ter!

Alguns instantes se passam. Bruna e Rick chegam de táxi no terreno onde está acontecendo a RAVE, o som é alto e eles gritam conversando:

Rick – Olha! Isso, é uma festa!

Bruna – A quanto tempo não vamos a uma RAVE?

Rick – Há muito… não podíamos perder essa por nada.

Bruna sorri

Rick – Você iria perder se eu não insistisse!

Bruna – O que você me pede que eu não faço “BI”?

Rick – Ah! Dá um tempo amiga …. Você não é tão fiel a mim assim. Olha, está vendo aqueles boys ali?

Bruna – TÔ!

Rick –Nós vamos ficar lá! Vem.

Sorrindo, Rick pega na mão esquerda de Bruna e puxa para a multidão.

Na casa de Eduardo, ele guarda as provas corrigidas numa grande pasta, caminha até seu quarto e deita em sua cama:

Eduardo – Ai meu deus, as vezes fico pensando, será que a Bruna, é a mulher que irei passar o resto da minha vida? As vezes sinto que … ela não quer compromisso, não quer se casar comigo. O que eu mais quero, é alguém para construir uma família e dividir o resto dos dias juntos. Se não for a Bruna, eu preciso que me mostre o quanto antes.

Eduardo apaga a luz do abajur e se acomoda na cama fechando os olhos, nesse mesmo momento, no Hospital, Sandra está dormindo na poltrona ao lado de Renata, que ainda em seu leito, dorme e começa a sonhar:

No sonho, Renata Caminha sozinha na mesma rua onde foi atropelada, é noite e a rua está completamente deserta, não há pessoas nem mesmo carros circulando. Ela está feliz mesmo assim, caminha sorrindo bem arrumada e maquiada, quando um pouco mais adiante, Renata vê a si mesma jogada no chão após o atropelamento e muda sua expressão que até então era de felicidade, para outra de completa preocupação e medo, ela se aproxima da “outra” Renata. Quando vai tocá-la, sente alguém segurar seu ombro por trás, a impedindo, esse alguém é Eduardo:

Eduardo – Não! Deixa ela!

Renata levanta-se assustada, com aquele homem que nunca havia visto antes:

Eduardo – Ela já se foi!

Renata – Ela é igual a mim! Sou eu?

Eduardo – Sim essa mulher era você, antes, antes de vencer, antes de se tornar a mulher maravilhosa e bem-sucedida que está aqui na minha frente. Você venceu, não se preocupe com a aquela que sofreu e acabou não chegando a lugar algum. Agora você é outra mulher.

Renata – Quem é você?

Eduardo – Quem sabe um dia, possamos descobrir quem é quem.

Eduardo se aproxima de Renata, acaricia seu rosto e eles se beijam.

O sonho termina, e já de manhã, com o Sol invadindo a janela de seu quarto no hospital, Renata abre os olhos pela primeira após o acidente e vê sua mãe dormindo na poltrona:

Renata – Mãe?

Sandra não escuta:

Renata chama um pouco mais alto:

Renata – Mãe!

Sandra acorda e fica feliz ao ver a filha acordada, ela levanta da poltrona e vai para perto dela segurando sua mão e logo dá um beijo em sua testa:

Sandra – Filha! Oh meu deus obrigado. Filha, como você está meu amor?

Renata sorri:

Renata – Que bom te ver! Eu estou bem.

Sandra – Dormiu bem?

Renata fica pensativa, e algumas lembranças da discussão com Danilo passam por sua cabeça e logo depois ela lembra do sonho que acabou de ter:

Renata – Sim. Sabe, eu tive um sonho… estranho e lindo ao mesmo tempo. Não sei explicar, só sei dizer que … quero recomeçar, a partir de hoje, quero recomeçar minha vida! Vou fazer tudo diferente mãe.

Sandra admira a filha com ternura.

Wellyngton Vianna

Recifense, 23 anos, CEO fundador do CYBER SÉRIES.

“Escrever liberta, podemos criar, recriar e inovar. Podemos tornar públicas as nossas idéias”.