Cyber News: Jovem perde braço após procurar Hospital desidratado: “Vida acabou”

Cyber News: Jovem perde braço após procurar Hospital desidratado: “Vida acabou”

Família diz que braço do rapaz necrosou após aplicação errada de injeções.
Hospital de Praia Grande (SP) diz que está prestando toda a assistência.

 

Um jovem teve o braço amputado em Praia Grande, no litoral de São Paulo, após dar entrada em um hospital com quadro de desidratação. Henrique dos Santos, de 22 anos, não apresentava nenhuma lesão no membro, que começou a necrosar após ele ter recebido uma série de injeções.

O jovem deu entrada no Hospital Irmã Dulce no dia 2 de fevereiro. A mãe dele, Fabiana Amaro dos Santos, diz que o filho sofre de transtornos psiquiátricos e ficou três dias desaparecido. Quando voltou para casa, ele estava desidratado e precisava de atendimento médico.

“Ele toma remédio controlado. Chegando no hospital, deram quatro injeções de vários componentes na veia arterial e, pouco depois, o braço dele começou a necrosar. A gente não sabe nada sobre os medicamentos que deram para ele. Esperamos 10 dias. O médico fez uma cirurgia de emergência e não teve resultado. Há três dias ele teve que amputar o braço inteiro”, diz a mãe de Henrique.

O medicamento utilizado pelo jovem é recomendado para o tratamento de confusão mental e alterações do comportamento. Por causa da reação, Henrique teve o braço direito amputado acima do cotovelo. Desesperado após a amputação, o jovem fugiu do hospital. A família o encontrou no pronto socorro e o levou para o Irmã Dulce novamente.

“Ele está sofrendo. A vida dele acabou. O hospital não ajuda, não fala nada. Disseram que o meu filho estava em recuperação, que estava em melhora para que não fosse preciso amputar. Tudo isso era mentira. Eles vão ter que pagar pelo que fizeram com ele”, lamenta Fabiana.

Braço do paciente começou a necrosar após injeções (Foto: Fabiana Amaro/Arquivo Pessoal)

Braço do paciente começou a necrosar após injeções (Foto: Fabiana Amaro/Arquivo Pessoal)

De acordo com a mãe de Henrique, os familiares protocolocaram uma reclamação no hospital por causa da reação causada pelas injeções, mas a equipe continua trabalhando no local. Já o filho dela continua nervoso e tendo surtos. Os médicos não deram previsão de alta médica.

Revoltados com a situação e com a falta de respostas, os familiares registraram um boletim de ocorrência de lesão corporal na Delegacia Sede de Praia Grande.

A polícia está investigando o caso e deve ouvir os auxiliares de enfermagem responsáveis pelas aplicações.

 

Hospital

O G1 entrou em contato com a Fundação do ABC, que administra a unidade. Por meio de nota, a fundação afirmou que o hospital está prestando toda a assistência necessária ao paciente e seus familiares.

Ainda segundo a nota, desde a semana passada estão em andamento três medidas administrativas que visam esclarecer qualquer dúvida acerca do atendimento prestado a Henrique, desde o momento da entrada do paciente no complexo hospitalar.

A fundação diz ainda que o caso está sendo tratado com máxima prioridade em sindicância interna e, paralelamente, em dois processos administrativos, um junto à Comissão de Ética Médica e outro sob responsabilidade da Comissão de Ética de Enfermagem.

Hospital Irmã Dulce, em Praia Grande (Foto: Reprodução/TV Tribuna)

Hospital Irmã Dulce, em Praia Grande (Foto: Reprodução/TV Tribuna)

Wellyngton Vianna

Recifense, 23 anos, CEO fundador do CYBER SÉRIES.

“Escrever liberta, podemos criar, recriar e inovar. Podemos tornar públicas as nossas idéias”.

  • Charlotte Marx

    Que horror! Quanta irresponsabilidade dos enfermeiros e profissionais da saúde nesse hospital! A polícia quer ouvir? Como assim? Olha para o braço do menino, querem mais prova do que isso? Francamente, esse espírito de tartaruga da justiça é medonho! Precisar rolar de uma boa escada para aprender a serem mais ágeis. No mínimo, esse jovem tem que ser indenizado com uma gorda quantia. Imagine o investimento que terá que fazer para poder se adaptar sem o braço! Tudo isso sendo mostrado pela mídia para justificar lá na frente a máxima: Hospital público nunca será de qualidade, bora privatizar! CAPETAS!

Close