Cyber News: Jornalista é preso na Turquia acusado de terrorismo

Cyber News: Jornalista é preso na Turquia acusado de terrorismo

A polícia da Turquia deteve um jornalista do jornal alemão Welt, acusado de fazer parte de um grupo terrorista e de propaganda extremista, informou a agência Associated Press.

 

© AP PHOTO/ CUMHURIYET OSCE: Turquia usa leis antiterroristas para restringir liberdade de imprensa

Segundo a agência, o jornalista Deniz Yucel, que possui dupla cidadania alemã e turca, estava cobrindo as notícias sobre a invasão do e-mail do ministro da Energia da Turquia, Berat Albaykar, cuja correspondência foi publicada pelo site Wikileaks.O editor-chefe do jornal alemão disse que Yucel era “um excelente funcionário” e expressou a esperança de um “julgamento honesto, que provará a sua inocência”.

Segundo a agência, o ministério das Relações Exteriores alemão comunicou que o jornalista foi detido na quinta-feira. “Esperamos que as investigações das autoridades turcas sobre o caso de senhor Yucel sejam realizadas conforme a prevalência das lei e que ele seja tratado de forma justa. Inclusive, esperamos o respeito à liberdade de expressão, garantida pela constituição da Turquia”, citou a agência o comunicado da chancelaria alemã.

O site Wikileaks publicou a correspondência do e-mail pessoal do ministro da Energia da Turquia, Berar Albaykar, que é genro do presidente do país, Recep Tayyip Erdogan. Wikileaks publicou 57,9 mil e-mals de políticos turcos, relativos ao período entre 2000 e setembro de 2016.

 

A representante da Organização para a Cooperação e Segurança na Europa (OSCE) para a Liberdade da Imprensa, Dunja Mijatovic, condenou nesta segunda-feira (31) a detenção do editor-chefe do jornal turco Cumhuriyet e pediu a restauração da liberdade de imprensa na Turquia.

Para ela, as leis antiterroristas turcas são usadas para limitar a liberdade de imprensa, que está muito aquém do que poderia ser “justificável sob um estado de emergência” e deve ser revertido imediatamente.

“A última onda de prisões de membros da mídia é mais um golpe para a liberdade de imprensa na Turquia. As autoridades devem restaurar a liberdade de imprensa e salvaguardar uma imagem vibrante e pluralista da mídia no país, não tomar medidas contra isso”, disse Mijatovic.

Manifestantes com a edição do jornal Cumhuriyet de 31 de outubro de 2016, em protesto contra a detenção do editor-chefe do jornal de oposição

© AFP 2016/ ADEM ALTAN

No começo desta segunda-feira, o gabinete do Procurador de Istambul anunciou que 13 jornalistas e executivos de veículos de comunicação eram suspeitos de ter ligações com a organização de oposição do pregador islâmico Fethullah Gulen e com o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), proibido na Turquia. O editor-chefe de um dos jornais de oposição, Cumhuriyet, Murat Sabuncu, teria sido detido pela polícia.Na noite de 15 de julho, grupos de insurgentes armados realizaram uma tentativa de golpe militar na Turquia. Os principais conflitos aconteceram em Ancara e em Istambul. Morreram 246 cidadãos, mas o número de baixas entre os insurgentes ainda não foi revelado.

Mais de 2 mil pessoas ficaram feridas. O golpe foi suprimido. As autoridades da Turquia acusaram o clérigo muçulmano, Fethullah Gulen, de ter organizado o golpe e exigiram sua extradição dos EUA. Gulen condenou o golpe e negou seu envolvimento com os insurgentes.

Wellyngton Vianna

Recifense, 23 anos, CEO fundador do CYBER SÉRIES.

“Escrever liberta, podemos criar, recriar e inovar. Podemos tornar públicas as nossas idéias”.

Close