Crônicas de um escritor: João Emanuel Carneiro

Crônicas de um escritor: João Emanuel Carneiro

Hoje, o Crônicas de um escritor, fala um pouco sobre a vida e obra de um ainda jovem autor novelista do país. Um dos melhores sem sombra de dúvida. João Emanuel Carneiro é contratado da Rede Globo de televisão e carrega em seu currículo tramas de sucesso. Acompanhe.

O começo da carreira

Começou a colaborar aos quatorze anos com o cartunista Ziraldo roteirizando histórias em quadrinhos.

Aos vinte e dois, ele foi premiado como roteirista do curta-metragem Zero a Zero e optou definitivamente por esta profissão. Além deste, ele também colaborou nos roteiros de filmes como Central do Brasil, O Primeiro Dia, Cronicamente Inviável, Orfeu, Deus é brasileiro e Castelo Rá-Tim-Bum. Na TV, foi colaborador de Maria Adelaide Amaral nas minisséries A Muralha (2000) e Os Maias (2001) e de Euclydes Marinho na novela Desejos de Mulher (2002).

A primeira novela como autor titular foi Da Cor do Pecado (2004), na qual contou com supervisão de texto do renomado novelista Sílvio de Abreu. Da Cor do Pecado foi um grande sucesso, a maior audiência entre as novelas das sete desde A Viagem, de Ivani Ribeiro, em (1994). O sucesso rendeu 43 pontos de média geral para a novela, audiência digna de novela das 21h.

Em 2006 escreveu Cobras & Lagartos, levada ao ar em substituição à fracassada Bang Bang, de Mário Prata. Teve a missão, bem-sucedida, de recuperar a audiência perdida para a concorrente TV Record, que ganhava com o sucesso Prova de Amor, de Tiago Santiago, ex-colaborador em textos de novelas globais. E conseguiu, a novela fechou com 39 pontos de média geral, sendo assim a segunda maior audiência do 19 horas deste século, perdendo apenas para Da Cor do Pecado, a novela do mesmo autor.

Em 2009 supervisionou sua primeira novela, Cama de Gato, de Duca Rachid e Thelma Guedes no horário das 18 horas.

João Emanuel Carneiro é meio-irmão da atriz Cláudia Ohana e filho da escritora, antropóloga e crítica de arte Lélia Coelho Frota.

Horário Nobre

Em 2008, escreveu a novela A Favorita, sua primeira novela das 21h, entrando no lugar de Benedito Ruy Barbosa. A Favorita teve 197 capítulos, acabando em 16 de janeiro de 2009, onde João Emanuel Carneiro conseguiu cativar o público com o sofrimento de Donatela (protagonista da novela, vivida por Cláudia Raia), e as maldades de Flora, antagonista vivida por Patrícia Pillar. Foi comparada com filme em uma das cenas, onde Flora mata Gonçalo, personagem de Mauro Mendonça. A novela terminou com quarenta pontos de média, sendo mais um sucesso do autor.

Consagração

Em 2012, escreveu Avenida Brasil, um sucesso que monopolizou o país com a implacável saga de Nina (Débora Falabella), uma jovem que arquiteta um plano de vingança contra sua ex-madrasta, Carmem Lúcia (Adriana Esteves), responsável pela morte de seu pai e por tê-la abandonado no lixão. Eleito no mesmo ano pela Revista Época um dos 100 brasileiros mais influentes do ano.

 

Vilãs

Carneiro criou vilãs antológicas na televisão brasileira. Em todas as suas novelas, sem exceção, nos deparamos com uma loira fatal criada para infernizar a vida dos protagonistas da trama.

A primeira delas foi Bárbara (Giovanna Antonelli) em Da Cor do Pecado, seguida por Leona (Carolina Dieckmann) em Cobras & Lagartos, ambas no horário das 19 horas. Após esses dois sucessos seguidos, João foi promovido ao horário das 21 horas com A Favorita e criou a psicopata Flora (Patrícia Pillar), que muitos consideram a “mais malvada das novelas brasileiras”, votação promovida pelo site UOL. Mais recentemente, João nos apresentou a vilã Carmen Lúcia, a Carminha (Adriana Esteves) em Avenida Brasil que não só roubou a cena em toda a novela, como também já será lembrada como uma das principais antagonistas da TV brasileira.

Sua última vilã foi a ambiciosa e estelionatária Atena Terremolinos, interpretada por Giovanna Antonelli em A Regra do Jogo, novela das nove do autor, que sucedeu Babilônia.

 

ESPERO QUE TENHAM GOSTADO, ATÉ O PRÓXIMO DOMINGO 

Wellyngton Vianna

Recifense, 23 anos, CEO fundador do CYBER SÉRIES.

“Escrever liberta, podemos criar, recriar e inovar. Podemos tornar públicas as nossas idéias”.

  • Charlotte Marx

    Simplesmente o melhor autor da Globo!
    Ele e o Aguinaldo são os melhores!