Coração Sertanejo: Capítulo 41 – O preço do passado

Coração Sertanejo: Capítulo 41 – O preço do passado

Imagem relacionada

 

 

Lamentar uma dor passada, no presente, é criar outra dor e sofrer novamente.

William Shakespeare

 

 

CENA I

(inicia-se com Antônio Pressionando Alcir para contar a verdade)

ANTÔNIO: Vamos Alcir, estou esperando. Me diga: Quem é que está por trás de você? Quem é o líder dessa quadrilha?

ALCIR: E por que eu lhe diria isso?

ANTÔNIO: Porque você sempre foi um homem honesto e bom, não vai deixar eu pagar um crime que sabemos muito bem que eu não cometi.

ALCIR: Bom, se você não cometeu, encontre provas que te inocentem e me deixe em paz.

ANTÔNIO: A única forma de provar a minha inocência é você abrindo o bico e contando toda a verdade, contando quem é o líder de vocês.

ALCIR: Então sinto muito, mas você não vai provar sua inocência nunca, porque eu não vou trair o meu líder que está me dando todo apoio para sair daqui, só pra te ajudar. Se for só isso que você quer, pode ir embora.

ANTÔNIO: Não espere, você disse que seu chefe está de tanto todo o apoio para que você saia daqui, pois Resultado de imagem para gil coelhobem, eu também posso te dar esse apoio e mais, te dou o dinheiro que você quiser pela sua verdade.

ALCIR: Sério isso?

ANTÔNIO: Sim, você tem a minha palavra.

ALCIR: Tudo bem, então eu vou te contar quem é o líder dessa quadrilha. (corta a cena)

 

 

CENA II

(TARDE_ fazenda Aliança de Antônio Dias_ interna_ escritório_ Luana está trablhando e Maria da Purificação chega)

MARIA DA PRUFICAÇÃO: (Na porta do escritório) Oi filha, posso entrar?

LUANA: Sim mãe entre. (Maria da Purificação entra e senta do outro lado da mesinha) Estou aqui ocupada, tentando encontrar um novo comprador de nossas carnes, mas depois do escândalo da Strong Meat está dificil.

MARIA DA PURIFICAÇÃO: Pois eu venho lhe trazer algo ainda mais preocupante.

LUANA: O quê?

MARIA DA PURIFICAÇÃO: O Antônio quer se separar de mim.

LUANA: O quê? Como assim ele quer se separarda senhora?

MARIA DA PURIFICAÇÃO: Verdade filha, ele voltou da cadeia com essa novidade, diz que quer voltar para a Mercedes.

LUANA: Mas mãe, ele não era apaixonado pela senhora? Largou a esposa, enfrentou os filhos só pra ficar com a senhora.

Imagem relacionadaMARIA DA PURIFICAÇÃO: Pois é filha, mas parece que ele mudou de ideia, ele disse que se deu conta de que ela ama a Mercedes, de que nosso casamento foi um erro e que quer corrigir isso.

LUANA: Mas mãe, e se ele fizer com a gente o que fez com a Mercedes? Nos jogar num casebre e nos dar uma merreca por mês, que nem vai dar pra gente sobreviver?

MARIA DA PURIFICAÇÃO: É por isso que eu vim falar com você filha. Você disse que iria matá-lo, pois bem, chegou a hora. Faça isso logo, antes que ele coloque aquela água de batata aqui no meu lugar e nos deixe ao Deus dará. (corta a cena)

 

CENA III

(TARDE_ Casa de Madame Clotilde_ interna_ salão de festas_ Madame Clotilde está cuidando dos afazeres e Michel chega)

MADAME CLOTILDE: Filho, onde você estava? Estamos cheios de coisas aqui do festival de musicas para organizar.

MICHEL: Fui visitar meu pai na cadeia.

MADAME CLOTIDEL: E como ele está?

MICHEL: Angustiado, querendo sair logo de lá, mas a situação dele é complicada.

MADAME CLOTILDE: Desculpa filho, eu sei que ele é teu pai e você o ama, mas por mim, depois de tudo o que ele fez comigo e com a própria familia, eu quero mais é que ele apodreça por lá.

MICHEL: Eu sei mãe, ele cometeu muitos erros, mas é meu pai e eu não vou abandoná-lo nesse momento.

MADAME CLOTILDE: Faz muito bem, independente dos erros dos pais, os filhos nunca podem abandoná-los. Pai e mãe é sagrado.

MICHEL: Com certeza. Mãe eu tenho uma novidade para te contar.

MADAME CLOTILDE: Pois fale filho.

MICHEL: Acho que, a senhora vai ficar ainda mais sobrecarregada aqui na casa de show.

MADAME CLOTILDE: Mas por que filho?

MICHEL: Meu pai me pediu para que eu me canditadasse á prefeito no lugar dele e vou fazer o que ele me pediu.

MADAME CLOTILDE: Filho, mas você vai fazer isso só para agradar seu pai ou você realmente deseja ser prefeito?

MICHEL: Na verdade mãe, eu sempre quis participar da política, acho mesmo que esse é um dos poucos caminhos para mudarmos a sociedade, mas claro, o pedido do meu pai só me deu mais incentivo.

MADAME CLOTILDE: Pois eu espero, de coração, que você seja um politico bem diferente do seu pai e desse prefeitinho que temos ai.

MICHEL: Diferente? Diferente como?

MADAME CLOTILDE: Sendo honesto, estando lá não para se enriquecer, mas realmente para transformar a sociedade, para melhor. Ouvir o povo e sempre lutar ao lado dos mais fracos, priorizar e investir pesado na educação e na saúde e nunca, em hipótese alguma, abandonar esses ideais e nem se vender àqueles que nãoResultado de imagem para louise cardoso o tem.

MICHEL: Pode deixar mãe, é exatamente o que eu quero.

MADAME CLOTILDE: Eu espero mesmo que você queira e faça exatamente o que te falei,

 

senão o seu maior opositor será eu. (corta a cena)

 

CENA IV

(TARDE_ Fazenda Poconé_ Marcela, Luciano, Netinho, Rodrigo e Bastião estão cuidando da terra, coletando Resultado de imagem para isis valverde ritinhaterra para fazer análise de solo, preparando as primeiras fileiras para realizar as futuras plantações. O clima é de muita alegria e animação)

LUCIANO: (para Marcela) Meu amor, você está ainda mais linda, radiante.

MARCELA: É o efeito da felicidade, amor. Eu nunca imaginei ser tão feliz, estar aqui com você, com seus filhos e cuidando dessa terra tão especial para mim.

LUCIANO: Mas por que essa terra é tão especial assim pra você Marcela?

MARCELA: Por que meus pais morreram tentando tomar posse dela.

LUCIANO: Espere, você está me dizendo que é filha do Ângelo e da Míriam que, há uns vinte anos atrás, tentou ocupar essa fazenda do meu pai?

MARCELA: Sim Lu, eu sou. Eu tinha apenas 5 anos quando tudo aconteceu e me lembro como se fosse hoje, a cena de meus pais morrendo queimados nunca mais saiu da minha cabeça, todas as noites tenho pesadelos sobre isso.

LUCIANO: (abraçando-a) Eu imagino meu amor, mas por que você nunca me disse isso?

MARCELA: Eu tive medo.

LUCIANO: Medo? Medo do quê?Imagem relacionada

MARCELA: De você pensar que eu estava entrando na sua vida só para me vingar do seu pai.

LUCIANO: E por que eu pensaria isso Marcela?

MARCELA: Por que, foi ele, que mandou incendiar a casa dos meus pais, causando a morte deles. (corta a cena)

 

 

CENA V

(TARDE_ Delegacia de Policia_ interna_ sala de visita onde Alcir está conversando com Antônio Dias)

ANTÔNIO: Então homem, diga logo, quem é o seu chefe?

ALCIR: (rindo de forma sarcástica)

Resultado de imagem para reginaldo farias pega pega

Não é chefe, é chefa. É uma mulher extremamente poderosa e perigosa também.

ANTÔNIO: Vamos, diga logo, quem é esa mulher?

ALCIR: Sua enteada, a Luana. (corta a cena)

 

 

PRIMEIRO INTERVALO COMERCIAL

 

 

CENA VI

(TARDE_ Delegacia de Policia_ interna_ sala de visita onde Alcir está conversando com Antônio Dias)

ANTÔNIO: Você está me dizendo, que a chefe dessa quadrilha, é a Luana?

ALCIR: Exatamente, e foi ela quem me orientou para dizer para a policia, que o chefe era o senhor.

ANTÔNIO: Isso é mentira, mais uma mentira sua. Minha menina jamais estaria envolvido nisso, e muito menos faria uma cachorrada dessas comigo.

ALCIR: Pensa um pouco Antônio, a droga estava no seu avião, levada por mim, seu piloto, e estava aterrizando na pista particular de sua fazenda. Você nunca achou isso tudo muito estranho. Pois é lógico, que se não era o senhor era alguem muito próximo que tivesse acesso ao avião, á pista e poder sobre mim.

ANTÔNIO: Eu não posso acreditar que a Luana, a menina que criei como se fosse minha filha, fez isso comigo? Mas pode deixar eu vou fazê-la passar pelo mesmo inferno que eu passei e você vai me ajudar.

ALCIR: Eu?

ANTÔNIO: Claro que sim, você vai agora mesmo contar isso tudo para a delegada Marília.Resultado de imagem para gil coelho

ALCIR: (balançando o dedo indicar em sinal de negatividade) Não senhor, eu não vou falar nada para ninguem, enquanto o senhor não contratar para mim o melhor criminalista do país e depositar um milhão de reais na minha conta. É isso, ou você vai pagar pelo crime de liderar um tráfico de drogas, no lugar da sua filhinha postiça. (corta a cena)

 

CENA VII

(TARDE_ Igreja de São Sebastião_ interna_ secretaria paroquial_ Cândida e Jair procuram o padre Santo)

PADRE SANTO: Boa tarde meus filhos, sejam bem vindos.

JAIR: Obrigado seu padre, precisamos conversar com o senhor.

PADRE SANTO: Pois não filho, pode falar.

JAIR: Então seu padre, eu e a Cândinha viemos aqui marcar o nosso casamento.

PADRE SANTO: Mas que notícia maravilhosa. Para quando vocês pretendem marcar o casório?

(nesse momento Maria da Purificação chega e escuta a conversa)

JAIR: Para o mais rápido possivel, afinal de contas a Candinha está enbuchada e não quero que ela fique mal falada.

MARIA DA PURIFICAÇÃO: (entrando a secretaria e interrompendo a conversa) Como é que é Cândinha? Você está embuchada?

CÂNDINHA: Isso mesmo Maria, eu estou prenha.

MARIA DA PURIFICAÇÃO: Sua guenga. (lhe acerta uma bofetada) Não é possível que eu, esse tempo todo, estava cercada de duas guengas e não sabia.

JAIR: Alto lá dona Maria da Purificação, eu não admito que você trate a Cândinha desse jeito.

MARIA DA PURIFICAÇÃO: Isso é coisa tua, não é, seu encarregado do capeta?

PADRE SANTO: É melhor você se acalmar, dona Maria da Purificação, aqui é um lugar santo. Tenha mais respeito.

MARIA DA PURIFICAÇÃO: Respeito? Esse dois praticam a fornicação debaixo desse seu nariz largo e vem me pedir respeito?

CÂNDIDA: Saia daqui agora Maria, eu não vou mais me submeter aos seus desmandos e loucuras, eu e o Jair fizemos amor sim, e daí? O que você tem a ver com isso? A vida é nossa, não temos que te dar nenhuma satisfação.

MARIA DA PURIFICAÇÃO: Você também vai se virar contra mim é? Igual áquela Jezabel.

CÂNDIDA: Pois se você está se referindo á minha amiga Pureza, ela fez foi muito bem feito, se libertar da sua dominação e influência maldita. Agora saia daqui e deixe eu e o meu noivo em paz, senão eu vou fazer exatamente como a Pureza e arrebentar sua cara.

Resultado de imagem para regina duarteMARIA DA PURIFICAÇÃO: É o fim do mundo, só pode. É o Armagedom, o juízo final.

CÂNDIDA: Não é nada disso, mas se você não se pirulitar daqui agora, vai ser o fim do seu mundo. Quer ver?

MARIA DA PURIFICAÇÃO: Eu vou mesmo, essa igreja está infectada pelo pecado, não quero me contaminar. (vai saindo)

CÃNDIDA: Isso, vai mesmo, some da minha frente seu belzebu. (corta a cena)

 

CENA VIII

(TARDE_ Fazenda Poconé_ externa_ campo de plantação_ Luciano e Marcela está conversando)

LUCIANO: Você está dizendo que o meu pai matou os seus?

MARCELA: Eu sinto muito Luciano, esse foi um dos motivos também de eu não ter te contado nada até agora, não queria te dar essa decepção pois sei o quando você ama seu pai, mas é isso mesmo, para ser livre dos meus, que estava liderando uma ocupação dessa fazenda, ele mantou tacar foco no barraco onde estávamos morando e, por conta disso, meus pais morreram queimados.

LUCIANO: Será que foi mesmo por isso que você me escondeu essa história? Para me poupar e com medo do que iria pensar, ou porque realmente sua intenção na minha familia e na minha vida sempre foi se vingar do meu pai?

MARCELA: Eu te juro que não.

LUCIANO: Jura? Ah você jura? E pra que serve seu juramento? Não é a primeira vez que você me esconde algo tão importante. Me diz, de uma vez por outra: Quem é você Marcela e o que quer comigo?

MARCELA: Como assim quem eu sou e o que eu quero com você? Eu te amo, eu quero ser feliz do seu lado e, para isso, até deixei de lado meu desejo de justiça pelo o que o seu pai fez com os meus.

LUCIANO: Como posso ter certeza disso Marcela, se você só mente, só me esconde as coisas?  Sinceramente, eu não sei mais quem é você, o que quer comigo e muito menos se eu devo continuar do seu lado. (vai saindo se dar atenção aos chamados de Marcela).Imagem relacionada

MÚSICA: A Thousand Year _ Christina Perri

MARCELA: Espere Luciano, espere. (ela o vê se distanciar e grita) Eu te amo. (ele para para ouvir, mas segue em frente, nesse momento lágrimas caem dos olhos de Marcela que sofre a desconfiança de seu grande amor e a possibilidade de mais uma vez se separarem_ corta a cena)

 

 

CENA IX

(TARDE_ Sítio de Pai André_ interna_ quarto de Netinho onde ele está debruçado sobre o corpo inerte de Fabiano_ Cecília e Pai André chegam)

CECILIA: Amor, você precisa descansar e se alimentar, você está ai desde ontem a noite sem dormir e nem comer nada.

NETINHO: Como você quer que eu pense em descansar e comer, vendo meu pai nessa situação?

CECÍLIA: Eu sei amor, eu sei o quanto você está preocupado, mas você precisa se cuidar, precisar estar forte para quando ele voltar á si.

NETINHO: (chorando e exaltado) Olha para ele Cecília, ele está assim desde o dia em que Pai André o trouxe para cá, não se mexe, nem sequer abre os olhos, creio que ele tenha entrado em coma e o pior, nem podemos levá-lo para um hospital para evitar que minha mãe, novamente, tente matá-lo.

PAI ANDRÉ: (levantando-o e olhando em seus olhos) Acalma teu coração meu filho, acalma teu coração e confia em Deus.

NETINHO: Eu estou tentando ter fé vô, mas tá difícil, tá difícil continuar acreditando vendo meu pai nessa situação.

PAI ANDRÉ: Venha, vamos fazer uma oração.

MÚSICA: Nirvana_ El bosco

(Nesse momento eles dão as maos, formando um círculo em volta da cama)

PAI ANDRÉ: Pai amado, Deus criador, ouça o nosso clamor, vem com todo o teu poder e cura esse seu filho. Resultado de imagem para oração(eles fecham os olhos e uma grande luz azul começa a percorrer o corpo de Pai André, passando pelos corpos de Cecília e Netinho, formando uma grande corrente, essa corrente então, se direciona e cai como flocos de neve sobre o corpo inerte de Fabiano. Nesse momento podemos ver a alma de Fabiano surgir de um canto escuro do quarto e voltar ao seu corpo e despertar do coma, abrindo os olhos para o espanto de Netinho)

NETINHO: Pai! (corta a cena)

 

CENA X

(TARDE_ Fazenda Poconé_ interna_ Cozinha_ Luciano chega transtornado, assustando Cidinha que estava fazendo café)

CIDINHA: Ave Maria Luciano. O que aconteceu? Chegou aqui como um furacão.

LUCIANO: Descobri o que eu já devia saber a muito tempo. (nesse momento Marcela chega e fica escutando a conversa) A Marcela mente para mim, mentiu esse tempo todo, ela não me ama, só entrou na minha vida, eResultado de imagem para humberto martins está comigo, para destruir meu pai e minha família.

MARCELA: Você realmente pensa assim Luciano? É nisso que você acredita?

LUCIANO: E você quer que eu acredite em quê, depois do que você me contou?

MARCELA: Então só me resta ir embora daqui, não vou continuar morando com um homem que não acredita em meu amor. (corta a cena)

 

SEGUNDO INTERVALO COMERCIAL

 

 

CENA XI

(TARDE_ Fazenda Poconé_ interna_ Cozinha_ Marcela está dizendo á Luciano que vai embora)

CIDINHA: Espere Marcela, eu não sei o que está acontecendo, mas vocês não podem desistir do amor de vocês assim.

LUANA: O que está acontecendo Cidinha é que sua amiga ai só faz me esconder as coisas, me enganar.

MARCELA: Eu não minto para você e nem te engano, só não contei nada antes com medo de você agir exatamente como está agindo agora.

CIDINHA: Contar o quê?

LUCIANO: Há uns vinte anos atrás, os pais da Marcela ocuparam essas terras que pertenciam ao meu pai, e o barraco onde eles moravam acabou pegando fogo e eles morrendo queimado. Dai a sua amiga encasquetou que foi meu pai quem mandou incendiar a casa deles.

CIDINHA: È verdade Marcela?

MARCELA: É sim Cidinha, o seu Ântônio matou os meus pais.

LUCIANO: Está vendo Cidinha? Ela enfiou isso na cabeça e se aproximou de mim para se vingar do meu pai.

MARCELA: Pra falar a verdade, no início eu queria me vingar mesmo, e até hoje eu o odeio, ma desisti dessa ideia de vingança, quando me apaixonei por você e principalmente, quando conheci sua familia.

LUCIANO: E como posso ter certeza disso,se você mente e esconde as coisas de mim, se a cada momento eu descubro algo novo sobre você?

Imagem relacionadaMARCELA: Bom, se você realmente não confia em mim, como você mesmo está dizendo, eu não tenho mais nada que fazer aqui. Vou arrumar minhas coisas e ir embora.

MÚSICA: I Started a Joke by_ Faith no more

( Nesse momento Marcela sai da cozinha para arrumar suas coisas e Luciano desaba, se abandonando em uma cadeira e deixando que lágrimas brotem de seus olhos e molhem sua face_ Corta a cena)

 

CENA XII

(TARDE_ Praça principal da cidade_ Interna_ Antônio Dias encontra Mercedes)Imagem relacionada

ANTÕNIO: Mercedes, meu amor.

MERCEDES: Oi Antônio, como você está?

ANTÔNIO: Depois de ter saido daquele inferno, eu estou bem, só esperando provar minha inocência para poder voltar á prefeitura.

MERCEDES: E você tem ideia de como vai fazer isso?

ANTÔNIO: Sim amor, o Alcir concordou em contar toda a verdade para a policia e me inocentar.

MERCEDES: Que bom.

ANTÔNIO: Tenho outra novidade.

MERCEDES: Qual?

ANTÔNIO: Eu disse á Maria que quero me separar dela e voltar para você.

MERCEDES: Verdade Antônio?

ANTÔNIO: Sim, é verdade sim.

MERCEDES: E ela, como reagiu?

ANTÔNIO: Ah ela esperneou, disse que não vai aceitar a separação, mas a verdade é que ela não tem o que aceitar, pela lei dos homens e de Deus você ainda é minha mulher, e ainda que não fosse, nada vai me impedir de voltar para você e resgatar o tempo que perdi longe de você. Eu te amo.

MERCEDES: Eu também te amo meu amor

MÚSICA: My Immortal_ Evanescence

(Eles se abraçam e se beijam apaixonadamente_ a câmera pega o beijo dos dois de vários ângulos, nesse momento Maria da Purificação que estava saindo da Igreja encontra os dois se beijando no meio da praça)

MARIA DA PURIFICAÇÃO: Que palhaçada é essa? (eles param de se beijam e ficam olhando, sem graça, para Maria da Purificação_ Corta a cena)

 

CENA XIII

(TARDE_ Fazenda Poconé_ interna_ Cozinha_ Luciano está sentado, pensando sobre a separação e Marcela vai até ele, de malas em mãos)

LUCIANO: Então você vai mesmo embora?

MARCELA: Não tenho outra escolha, não é?

LUCIANO: Eu não quero te perder de novo.

MARCELA: Mas também não consegue acreditar em mim, não é?

LUCIANO: É tudo muito complicado pra mim, minha cabeça está uma bagunça.

MARCELA: Então eu vou, e quando você conseguir colocar seus pensamentos em ordem, se aí, depois disso, você conseguir acreditar de novo no meu amor e nas minhas intenções, eu volto.

LUCIANO: Se eu te pedir pra ficar, você fica?

MARCELA: Sem você confiar em mim não. Com licença.

MÚSICA: Eu nasci para amar você. Zezé di Camargo e Luciano

(Marcela vai embora, deixando Luciano chorando em silêncio, ele se senta novamente na cadeira e deixa Resultado de imagem para isis valverde amores roubadosseu tronco cair sobre a mesa. Ele está destruído por ter perdido novamente a mulher que tanto ama, fora da casa Marcela se despede e Cidinha, os filhos de Luciano também vem se despedir dela, Jasmim corre e a abraça chorando, Marcela limpa suas lágrimas, lhe beija a face e vai embora em uma humilde carroça conduzida por Bastião. A Câmera focaliza Marcela indo pelo caminho, lágrimas brotam de seus olhos molhando sua face_ corta a cena)

 

 

CENA XIV

(TARDE_ Praça principal da cidade_ Interna_ Maria da Purificação acabara de encontra Mercedes e Antônio Dias se beijando no meio da praça)

MARIA DA PURIFICAÇÃO: O que ta acontecendo aqui?

ANTÔNIO: Se acalme Maria, a última coisa que nossa familia precisa é de mais um escandalo.

MARIA DA PURIFICAÇÃO: Escândalo? Escândalo é vocês dois se agarrando aqui, no meio da praça. Como você quer que eu reaja á isso?

ANTÔNIO: Eu já conversei com você, já te disse que quero me separar e voltar para a Mercedes, ela é a mulher que eu amo e é com ela que eu quero ficar os restos de meus dias.

MERCEDES: Perdeu querida. O feitiço virou contra o feiticeiro. (ri)

MARIA DA PURIFICAÇÃO: Eu é que vou virar a minha mão, e é na sua fuça sua cadela sarnenta.

(Maria da Purificação agarra os cabelos de Mercedes e Mercedes os dela e saem brigando sob os olhares curiosos daqueles que se amontoam para ver a briga. Mercedes consegue se desvincilhar e lhe dá uma bofetada)

MARIA DA PURIFICAÇÃO: Ah sua cachorra. Como tem coragem de encostar em meu rosto. Eu vou acabar com você. (Antônio se coloca na frente de Mercedes)

Resultado de imagem para regina duarteANTÔNIO: Chega Maria, chega! Chega de escândalos aqui na praça. Se convença de que entre eu e você não tem mais nada e que eu vou voltar para a Mercedes sim, querendo você ou não. (o público aplaude a decisão de Antônio)

MARIA DA PURIFICAÇÃO: Eu vou embora sim, porque não vou ficar aqui me humilhando na frente dessa gentinha. Mas você, sua vira – lata sarneta, não perde por esperar. Eu não vou deixar você tirar o que é meu é nunca. (sai sob as vaias das pessoas enquanto Mercedes e Antônio se abraçam)

 

CENA XV

(TARDE_ Fazenda Poconé_ interna_ sala_ Luciano está sentado chorando e sendo consolado por Cidinha, Luana chega e como encontra a porta aberta, vai entrando e chegando até a cozinha).

Resultado de imagem para heloisa perisseCIDINHA: Ih! A Marcela nem acabou de virar a esquina e o demonho já chegou mostrando seus chifres.

LUANA: Do que você está falando Cidinha? E por que o Lu está chorando?

CIDINHA: Bom, eu odiaria te dar essa noticia, mas você vai acabar sabendo mesmo, então eu digo: A Marcela e Luciano brigaram e ela foi embora.

LUANA: (mal segurando o sorriso) Sinto muito Lu, a última coisa que eu queria ver era você sofrendo.

CIDINHA: Sei. Deixa de ser falsa, você tá adorando saber que os dois brigaram.

LUANA: Eu não gosto mesmo daquela trambiqueirinha, e estou sim feliz pelo fato do Lu ter se livrado dela, mas não queria vê-lo assim.

CIDINHA: E você queria o quê? Ele ama a Marcela e tenho certeza de que eles vão acabar se entendendo de novo.

LUANA: Tomara que não, o Lu merece algo bem melhor.

CIDINHA: Quem seu demonho? Você?

LUANA: Alguem que o faça feliz de verdade, que fique do lado dele e nunca faça ele sofrer como está sofrendo agora.

LUCIANO: Dá para vocês pararem de falar sobre isso?

LUANA: Claro Lu, desculpa.

CIDINHA: Com licença, vou voltar aos meus afazeres. (sai da sala)

LUCIANO: O que você veio fazer aqui? Aconteceu alguma coisa?

LUANA: Não, primeiro eu vim porque estava com saudades e depois porque preciso de sua ajuda.

LUCIANO: Minha ajuda?

LUANA: Sim Lu, está muito dificil tomar conta dos negócios do seu pai, ainda mais agora que nenhum frigorífico está querendo comprar nossos produtos. Eu preciso de sua ajuda, por favor, volta, pelos menos para trabalhar e me ajudar nesse momento tão dificil.

LUCIANO: Olha Luana, eu estou aqui muito ocupado com um projeto novo, mas acho que posso ir lá, ao menos de vez enquanto para te ajudar sim.

LUANA: Que bom Lu, agora eu quero te pedir mais uma coisa.

LUCIANO: Pode falar.

LUANA: Me arruma um copo d’água?

LUCIANO: Claro Luana, espere ai que vou buscar lá na cozinha.

(Luciano vai até a cozinha, buscar a água, e Luana se aproveita que está sozinha e vai até o quarto de Luciano_ corta a cena)

 

 

TERCEIRO INTERVALO COMERCIAL

 

 

CENA XVI

(FINAL DA TARDE_ Fazenda Aliança de Antônio Dias_ Cacau e Eduardo estão na sala se beijando e Antônio chega)

ANTÔNIO: (para Cacau) Você aqui?

EDUARDO: Sim vô, o pai dela está preso e a mãe e irma estão viajando, dai eu a trouxe para ficar aqui comigo, algum problema?

ANTÔNIO: Mesmo odiando o pai dela, mesmo o pai sendo um verme eu não tenho nada contra ela, por mim ela pode ficar.

EDUARDO: Obrigado vô, mas também não precisa falar desse jeito do Clóvis na frente da Cacau né? Ela é filha dele.

CACAU: Deixa Eduardo, o seu avô está certo, meu pai realmente é um verme.

ANTÔNIO: Você esta errada garota, que eu fale isso do seu pai, tudo bem, somos inimigos, nos odiamos desde sempre, mas você não pode dizer isso dele, ele é seu pai.

CACAU: Um pai que sempre espancou e traiu minha mãe, que mandou minha irmã para um hospício e que me manteve presa em meu próprio quarto, durante tanto tempo.

ANTÔNIO: Ainda assim e seu pai, sabe o que  vou dizer serve para vocês dois, então prestem bastante atenção. Os pais não perfeitos, ao contrário, são cheios de defeitos e cometem muitos erros, eu mesmo cometi vários com meus filhos, mas ainda assim continuam sendo pais, e, não é porque erram, ou não saibam demonstrar amor e afeto que eles não amem seus filhos.

CACAU: Entendo, mas eu não consigo perdoá-lo, eu ainda não consigo esquecer tudo o que ele fez.

ANTÔNIO: Entendo, afinal você sofreu muito nas mãos dele, mas mesmo assim pense no assunto, acalme seu coração e tente se preparar para um dia reencontrá-lo e fazer as pazes com ele.

CACAU: Obrigado seu Antônio.

ANTÕNIO: Não precisa agradecer. (falando com Eduardo) Agora você filho, você nunca sofreu nas mãos do seu pai, ao contrário ele sempre, sempre amou vocês, sempre os tratou com amor, carinho, respeito, pra dizer a verdade, ele foi para vocês o pai que eu não soube ser nem para ele e nem para o Fabiano.

EDUARDO: Ah não vô, o senhor quer que eu perdooe meu pai, depois de tudo o que ele fez?

ANTÔNIO: E o que ele fez á você de tão grave?

EDUARDO: O senhor sabe muito bem, ele se envolveu com aquela garota, e por conta dela se esqueceu da familia.

ANTÔNIO: Mentira, eu sou contra o namoro dele com aquela menina, sempre fui e nunca neguei isso, mas sejamos sinceros, em nenhum momento ele esqueceu de vocês ou deixou esse namoro atrapalhar a relação de vocês. Na verdade, eu nem preciso te dizer para perdooar seu pai, porque ele nunca fez nada de grave á vocês, nada que os prejudicasse.

EDUARDO: Mas vô, o senhor mesmo o expulsou daqui da fazenda.

ANTÔNIO: Como eu disse á vocês, nós pais erramos e eu, assim como o Clóvis, errei feio com meus filhos, e um desses erros foi ter expulsado meu filho daqui.

EDUARDO: Mas vô, aquela menina não vale nada, enganou meu pai dizendo que estava esperando um filho dele, enquanto na verdade era de outro, fez o maior escarcéu no dia do inicio da construção da barragem.

ANTÔNIO: Filho, ele ama aquela mulher e isso, isso não é erro nenhum, errado é você e eu destruir nossa Resultado de imagem para jayme matarazzorelação com ele por conta disso.

CACAU: Desculpem me meter, mas o seu avô está certo Eduardo. Se eu tivesse um pai como o seu eu não perderia a chance de ser feliz ao lado dele, de partilhar os momentos bons e ruins. Ah Eduardo, você não sabe o que é sofrer a ausência de um pai porque o seu sempre foi presente, justo, bom. Não jogue fora isso com bobagem meu amor, o tempo é curto e não podemos deixar as coisas boas escapar pelos nossos dedos por picuinhas e bobagens que não levam a nada. (corta a cena)

 

CENA XVII

(TARDE_ Fazenda Poconé_ interna_ sala_ Luciano andentra com um copo e um jarro d’água procurando Luana e não a encontra).

LUCIANO:Luana! Luana onde você está? (Luana entra na sala)

LUANA: Oi Lu, desculpa, eu estava procurando o banheiro.

LUCIANO: E encontrou?

LUANA: Já sim, obrigado. (toma á agua) Lu, afinal de contas, por que você e aquela mulherzinha brigaram de novo?

LUCIANO: Eu descobri umas coisas sobre ela.

LUANA: Ques coisas Lu?

LUCIANO: Ela é filha do Ângelo e da Miriam que tentaram ocupar essas terras, anos atrás, quando a fazenda ainda era do meu pai.

LUANA: Tá, e dai?

LUCIANO: O barraco onde eles moravam acabou pegando fogo e eles morreram queimados, dai a Marcela pensa que foi o pai que mantou tacar fogo na casa deles.

LUANA: Meu Deus, que absurdo, nosso pai jamais faria uma coisa dessas.

LUCIANO: Pois é, mas ela acredita mesmo nisso e deseja se vingar do nosso pai.

LUANA: E você acha que ela se aproximou de você, só para se vingar do nosso velho?

LUCIANO: Sim, tudo leva a crer nisso, né?

LUANA: Sim, tudo leva a crer. Bom, se é isso, foi bom mesmo que tenha terminado tudo com ela antes que ela fizesse alguma coisa com nosso pai. Agora tenho que ir, até mais Lu e obrigado por tudo.

LUCIANO: Por nada, conte comigo. (Luana vai embora e corta a cena)

 

CENA XVIII

(TARDE_ Fazenda Poconé_ externa_ lavoura_ Todos estão cuidando da lavoura e Eduardo chega com Cacau_ Luciano ao vê-lo ao longe corre ao seu encontro).

LUCIANO: Filho, que saudades. (eles se abraçam)

EDUARDO: Pai me perdoa, perdoa minha insensatez, me perdoa por brigar com o senhor por bobagens, me perdoa por não ter ficado ao seu lado.

LUCIANO: Claro filho, eu te amo assim como eu amo os seus irmãos, e só o fato de você ter vindo me ver, me dar esse abraço já compensa tudo.

EDUARDO: Na verdade pai, eu não vim aqui para te visitar.Resultado de imagem para jayme matarazzo e humberto martins

LUCIANO: Não?

EDUARDO: Não, o meu avô e a Cacau conversaram comigo e me fizeram enxergar como eu estava errado e que o meu lugar é aqui do seu lado. Será que posso ficar morando aqui com o senhor? Eu e minha namorada?

LUCIANO: Claro filho, a casa é pequena mas sempre se dá um jeito o importante é estarmos juntos, o importante é que você está aqui com a gente. Eu te amo. Sejam bem vindos. (se abraçam novamente _ corta a cena)

 

CENA XIX

(Por do sol_ Sitio de Pai André_ ele está com Netinho e Cecília cuidando das ervas medicinais e, de repente, fica paralisado, estático e Netinho estranha sua postura, percebendo que algo errado está acontecendo)

NETINHO: Vô, tá sentindo alguma coisa?

PAI ANDRÉ: Eu senti um calafrio, uma palpitação, acho que algo muito ruim está para acontecer.

Imagem relacionadaNETINHO: Ai vô, nem diga uma coisa dessas, chega de problemas.

PAI ANDRÉ: Sinto muito filho, mas os problemas ainda não acabaram, pelo contrário, o pior ainda está para acontecer. (tirando o chapeu  o que é seguido por Netinho) Elevemos, nesse momento, nossos pensamentos á Deus pedindo a sua proteção contra as forças das trevas que se levanta sobre nós (todos, elevam seus olhos para o céu em posição de prece)

 

CENA XX

(POR DO SOL_ Casa de Inaiê_ Ela está lavando a louça e Gabriel chega)

INAIÊ: Oi filho, já de volta?

GABRIEL: Já Inaiê, o dia de hoje foi bem cansativo, mais do que os outros, sei lá parece que o ar estava mais carregado e qualquer coisa me fatigava, resolvi vir para casa e descansar.

INAIÊ: Fez bem filho, deite um pouco ai na rede, daqui a pouco a janta tá pronta. (Inaiê volta a lavar a louça, Resultado de imagem para tatiane tiburcio sol nascentede repente ela se assusta e deixa um prato cair ao chão, espatifando-o)

GABRIEL: O que foi Inaiê?

INAIÊ: Não sei filho, tive um presentimento muito ruim, acho que algo terrível está para acontecer. Vou agora mesmo pedir a ajuda de meus orixás. (corta a cena)

 

CENA XXI

(POR DO SOL _ Fazenda de Antônio Dias, ele está na sala e Luana chega eufórica)

ANTÔNIO: Nossa Luana, que alegria toda é essa? Viu passarinho verde?

LUANA: Não paizinho, muito melhor, fiquei sabendo que o Lu terminou com aquela lambiscóia.

ANTÔNIO: Mas que noticia maravilhosa. Mas por quê?

LUANA: Ai que está a parte complicada, ele descobriu que ela é filha do Ângelo, aquele sem terras que invadiu a fazenda Poconé, há uns vinte anos atrás e ela acredita que foi o senhor que mandou incendiar o barraco em que eles estavam morando.

ANTÔNIO: Que absurdo, eu nunca faria uma coisa dessas, foi um acidente.

Resultado de imagem para gabriela duarte atualmenteLUANA: Mas não é o que ela pensa, ela jura que foi o senhor e por isso o odeia e deseja se vingar.

ANTÔNIO: Então foi por isso que ela se aproximou do meu filho e entrou na nossa família?

LUANA: Com certeza paizinho, por isso o Lu terminou tudo com ela.

ANTÔNIO: eu vou agora mesmo procurar aquela menina e tirar isso á limpo. (Antônio pega seu chapéu e sai deixando Luana com um grande sorriso no rosto _ corta a cena)

 

 

(a cena congela e uma grande cachoeira surge, alagando toda a cena ao som da música água de Djavan).

 

 

FINAL DO QUADRAGÉSIMO PRIMEIRO CAPÍTULO