Além da porteira: Capítulo 6

Além da porteira: Capítulo 6

O alvoroço em frente a igreja continua. Todos querem saber notícias do padre. E ele está lá dentro, muito inquieto com a situação que criada.

PADRE: Esse povo ficou maluco! O que é isso?E agora o que vou fazer para me livrar dessa saia justa que eu mesmo provoquei?

Enquanto isso, Tenório e Margarida se aproximam daquela movimentação.

TENÓRIO:Puxa! Esse padre é muito querido  pelo povo daqui.

MARGARIDA: É verdade,ele deve ser um bom padre!

Dolores, como é muito curiosa,ao vê-los chegar e por serem estranhos se aproxima deles.

DOLORES: Bom dia! Vocês são de onde? O que desejam? Estão procurando alguém?

MARGARIDA: É isso aí ,estamos procurando alguém.

DOLORES: E posso saber quem e´?

TENÓRIO: Pode sim.É um grande amigo nosso que a algum tempo atrás se mudou pra cá e estamos querendo reencontrá-lo.

DOLORES: E qual é o nome dele?

Antes deles responderem de quem se tratava , Santa chega chamando por Dolores.

SANTA: Dolores,Dolores,venha o padre quer falar com você.

DOLORES: Comigo? Mas é pra já. Me dê licença. Nessa vila eu sou muito requisitada.O padre Chico está precisando de mim…Vamos Santa ,rápido.

E enquanto estavam por ali,o peão Dico aparece montado em seu cavalo,e Margarida se encanta ao ver aquele homem parecido a um príncipe ,ela se sentiu uma princesa, precisando do resgante daquele monumento.

MARGARIDA: É uma miragem!

TENÓRIO: Do que você está falando minha irmã?

MARGARIDA: Veja mano.Que visão espetacular. Aquilo não pode ser um homem do sertão e sim uma escultura.Vou me arranjar e me dar bem nesta vila.

TENÓRIO:Devagar Margarida,você ainda não conhece ninguém daqui.

MARGARIDA: Agora só me interessa conhecer aquele homem maravilhoso e o resto, se dane.

TENÓRIO: Ainda temos que encontrar o Chico.

MARGARIDA: Você se vire com o seu Chico. Estou indo atrás do meu príncipe.

Margarida se encantou com o peão Dico e foi ter-se com ele. Tenório ficou tentando alguma informação sobre o seu “amigo” Chico.

NA  FAZENDA

Da varanda da fazenda,seu Dorico avista Renato chegando do sítio de Severino.Entao o chama.

DORICO: Renato,venha até aqui.

RENATO:Estou aqui patrão.

DORICO: Fez o que lhe mandei.

RENATO:Sim,exatamente como o senhor mandou.Falei com seu Severino e ele me disse que irá passar o recado para a esposa .

DORICO: Então vamos aguardar e depois você vai atrás da resposta do rapazinho do sítio.Pode ir cuidar de seus afazeres.

Promessa,está muito preocupada com a decisão do pai   .Ela está tentando seguir aos conselhos do padre Chico,mas a sua vontade  é de enfrentar o pai e não se casar.Mas para não piorar as coisas a jovem o levará com mais cautela e com isso poderá ganhar tempo e se livrar do casamento.

ZENAIDE:Minha filha diante a tudo o que seu pai já disse,e da impossibilidade de  mudar as ideias dele,vamos ter que fazer seu enxoval.

PROMESSA:Que enxoval minha mae?Eu não vou me casar com esse rapaz nem que eu tenha que morrer.

ZENAIDE:Minha filha não adianta bater de frente com seu pai,ele não volta atrás em suas decisões.

PROMESSA:Nisso eu puxei a ele mamãe.Eu também não volta atrás  em minhas decisões.Mas por enquanto eu não vou brigar com ele ,vou seguir aos conselhos do padre e com isso ganharei tempo para me livrar desse martírio.

Após cumprir a ordem do patrão,Renato volta ao seu trabalho de rotina na fazenda e puxa uma prosa com Tiãozinho.

RENATO:Foi muito estranho aquele jipe dos pais do tal Raul pegar fogo e matar todos que estavam dentro dele.O que você achou desse caso Tiãozinho?

TIÃOZINHO:É verdade Renato!Foi muito estranho.Mas o que eu estranhei mais ainda foi que no mesmo dia que aquele povo morreu ,Tibúrcio ,o antigo peão do patrão desapareceu com a família inteira.

RENATO:Sabe que é mesmo,eu ainda não tinha pensado nisso.Na manhã seguinte o patrão Dorico foi até lá no meu antigo patrão e pediu pra eu vir trabalhar aqui.Mais será que Tiburcio tem alguma coisa com aquela tragédia?

TIÃOZINHO: Cá entre nós:não só ele mais também o patrão.O seu Dorico, sempre quis emendar suas terras e esse sítio está separando elas,ele queria comprar o terreno, mas o pai do Raul nunca quis vender.Mas, isso é coisa que tem que ficar só entre nós.

RENATO:Eu sei moleque.E agora o patrão está querendo esse sítio novamente.Pobre rapaz.

Na cozinha ,também era o mesmo assunto entre Flor e Ceição.

FLOR: 5 anos é um bom tempo, no mesmo serviço, né mamãe?

CEIÇÃO:É minha filha,e a gente nem vê o tempo passar.É só trabalho,trabalho e trabalho.

FLOR:A antiga cozinheira da fazenda foi-se embora por qual motivo mamãe?

CEIÇÃO:Não sei ,só sei que ela e seu marido que era o peão da fazenda,o tal Tibúrcio ,juntamente com a filha se mudaram da noite pro dia.E época ,ninguém nem tocava no assunto.Me lembro perfeitamente do dia em que nós mudamos pra cá.Seu Dorico e dona Zenaide foram lá na vila e nos buscaram,e quando saímos da vila, as cinzas da família  carbonizada, estavam sendo enterradas.Foi horrível aquele acidente,só ficou o filho que de tanta tristeza  hoje vive do jeito que nós já sabemos.

FLOR:Eu também lembro disso mamãe, foi muito triste mesmo.

CEIÇÃO:Vamos cuidar do nosso serviço e esquecer essas coisas tristes do passado.

NÃO PERCA NO PRÓXIMO CAPÍTULO: TENÓRIO IRÁ DESCOBRIR QUE O AMIGO A QUEM PROCURA TORNOU-SE PADRE; DORICO NÃO DESISTE DE COMPRAR O PEQUENO SÍTIO DE RAUL E O MESMO FICA SABENDO DA INTENÇÃO DO FAZENDEIRO .

CONTINUA …

 

Close