Além da porteira: Capítulo 2

Além da porteira: Capítulo 2

Glória percebe nos olhos do sobrinho, que a cada dia que passa ,aumenta nele o desejo de vingar a morte de sua família.

RAUL:Quando eu tiver certeza das minhas dúvidas tia,vingarei a morte da minha família.

GLORIA:Esquece isso meu filho.O que passou ,passou.Nada do que você fizer ,irá trazer seus pais e seus irmãos de volta.

RAUL:Sei disso minha tia.Sei também que eles morreram por causa desse sítio.Mas ele não será jamais de quem o deseja.Eu escapei da morte para honrar meu pai,eu como filho homem, tenho que fazer isso.

GLÓRIA:Oh, meu filho!Você me deixa tão preocupada quando fala assim.Mas ,pare de falar bobagens e vá comer esses bolinhos de chuva que eu fiz pra você.

RAUL:Toda vez que eu como esses bolinhos ,lembro dos meus irmãos que também amavam comê-los.

O sítio onde Raul mora e que era de seus pais,faz divisa com a fazenda de seu Dorico.E o mesmo sempre sondava o pai de Raul na tentativa de comprá-lo.E Raul sempre ouvia  as investidas do fazendeiro em cima de seu pai.E na última conversa do pai com o fazendeiro, o jovem  lembra exatamente o que seu pai dissera ao  fazendeiro;”Esse sítio só será seu quando todos de minha família forem mortos”.Essa frase dita pelo seu pai ,alimenta a certeza  em Raul de que sua família fora vítima de um  atentado fatal provocado pelo fazendeiro vizinho.E trancado em seu mundo de recordações,ele fica sempre as escondidas ouvindo as conversas de todos que passam na estrada em frente sua humilde casa,fazendo assim ,está montando um quebra-cabeça,para chegar no culpado pela morte dos seus entes queridos.

NA  FAZENDA  DO  SR  DORICO

Finalmente, Tiãozinho chega com as encomendas de dona Zenaide,e vai até a cozinha para entregá-las a cozinheira Ceiçao,que  é auxiliada pela filha Flor  nas tarefas da casa .  Mas quando chega  lá, encontra apenas  Flor,jovem  formosa,por quem Tiãozinho vive suspirando.

TIÃOZINHO:Dona Ceição,aqui está  as encomendas da patroa.Uai, cadê  sua mãe Flor?

FLOR: Mamãe foi levar água  para o patrão.Pode deixar as encomendas aí.

TIÃOZINHO: Isso quer dizer que estamos sozinhos minha Florzinha!Vamos aproveitar.

Ceiçao chega e o pega no flagra.

CEIÇÃO: Seu moleque atrevido!Querendo aproveitar da minha filha.Some daqui seu traste!

Ceição da um galope com vassoura atrás de Tiãozinho,e ele sai correndo para o quintal.Mas,se bem que Flor vive dando motivos para ele ficar rondando-a.Ela sente algo por ele ,mas teme sua mãe.

Ao ouvir os barulhos vindos da cozinha,dona Zenaide vai até lá para ver do que se tarta.

ZENAIDE:O que está havendo aí,Ceição?

CEIÇÃO:É o moleque do Tiãozinho, incomodando minha filha patroa.Dei umas vassouradas nele.

ZENAIDE:Fique de olho aberto Ceição,ele é muito atrevido.Prende sua cabrita,porque esse bode está à  solta ,esperando uma oportunidade para atacar.

AINDA NA FAZENDA

O peão Renato chega de sua ronda que faz na fazenda todos os dias conferindo o gado.Pede a Tiãozinho pra chamar o patrão.

DORICO:O que foi Renato?Tem alguma coisa errada na fazenda?

RENATO:Uma bezerra do patrão passou para o sítio do vizinho,o rapaz da porteira trancada,e voltou toda mordida e arranhada por cachorros.Eu prendi ela no curral pra curar as feridas.

DORICO:Não sei até quando vou aturar esse rapaz  e esse seu sitiozinho.Mas se você ver algum desses cachorros rondando por aqui ,não pense duas vezes ,mate-o imediatamente.

RENATO:Sim senhor,deixe comigo.

NO SÍTIO DO RAUL

Raul está sentado na pequena varanda de sua casa com uma foto nas mãos.É uma foto que ele guarda de lembrança, onde tem todas as pessoas de sua família,pai,mãe,irmãos e ele.

RAUL:Por que isso foi acontecer ?Com quem era tudo pra mim;minha família.Hoje ,vivo nesse meu pequeno mundo ,rodeado de lembranças e com o coração cheio de dor e saudades.Mas ,vai chegar o dia de me vingar de quem fez isso com vocês.Acidente, falha mecânica,tenho certeza que não foi.Por isso ,preciso ter certeza de quem foi o culpado.Seja quem for ,de um jeito ou de outro pagará pelo que fez.Eu prometo a vocês que farei justiça pelo o que os fizeram .

E assim finda mais um dia ,e Raul se recolhe em meio às lembranças do passado,onde tinha o afeto e o carinho de uma família.E agora,no presente,sozinho,seu coração está carregado de ódio e revolta,não tendo espaço para qualquer  sentimento bom.

( NOVO  DIA)

NA  VILA

A pequena vila  Raízes da  Terra, é o ponto de encontro de muitos que moram nas fazendas e sítios que a rodeiam.Nela também moram  pessoas que tem hábitos e costumes diferentes.Por exemplo ,Dolores é a manda chuva por lá,ou pensa ser.Se mete na vida de todos ,se intromete no que não pertence a ela.Há quem a aceite e há aqueles que a  põe  pra correr.Dico é um homem jovem que gosta de variar de namorada ,e de vez em quando a referida senhora ou senhorita, tenta corrigir o dito rapaz.

DOLORES:Bom dia seu Dico?Quem é a namorada de hoje?

DICO:É a senhora.Dona futriqueira!Vai cuidar da sua vida,desocupada.

DOLORES:Você me respeita .Sou uma senhorita  preocupada com a  moral e o respeito entre os habitantes de Raízes da Terra.

Dico se irrita com a mulher e como está montado em um cavalo ,ameaça passar com o mesmo por cima dela.

DICO:Sai fora sua língua quente ,antes que meu possante   passe  por cima da “senhorita”!

Dolores saiu às pressas e sem falar nada.Mas ,isso não serve de lição pra ela.Foi logo para a igreja ter-se com o padre Chico.

DOLORES:Sua benção padre Chico.

PADRE CHICO:Esteja abençoada ,futriqueira,ou melhor dona Dolores.

DOLORES:Sabe padre ,eu estava pensando.O senhor precisa mudar os rítimos dessas confissões que o senhor atende.

PADRE CHICO:Mudar?Como assim,irmã Dolores?

DOLORES:É o tempo padre .O senhor está demorando demais entre uma confissão e outra.Esse povo tem pecado demais.O senhor tem que parcelar .

PADRE CHICO:Parcelar ?Parcelar o que dona Dolores?

DOLORES:Cada fiel ,só poderá confessar  …aí o senhor estipula por exemplo 05 pecados por dia .E agenda um outro dia para confessarem os outros pecados que faltarem.

PADRE CHICO:Dona Dolores ,da confissão dos pecados dos meus fiéis cuido eu.E a senhora vai cuidar de rezar mais e se ocupar de um tanque cheio de roupas pra lavar,assim esquecerá da vida alheia.Agora vá na luz.

O padre Chico não estava acreditando em tamanha audácia de Dolores.Ao sair da igreja ,Dolores foi até a mercearia do seu Ciro, comprar ou mexericar na vida de alguém.Chegando lá  já foi logo dando jeito de falar da filha  do homem.

DOLORES:Seu Ciro mim  vê 1kg de açúcar…Sua filha já está moça feita ,já deve estar pensando em namorar,né seu Ciro.

CIRO:Será,dona Dolores?A senhora tá sabendo de alguma coisa?

DOLORES:Não seu Ciro,a gente  vê os rapazes de olhos compridos pro lado dela.Eu tô falando é pro senhor ficar alerta .Porque ela já esta no ponto.

CIRO:Aqui está o seu açúcar dona Dolores.E muito obrigado pela alerta.Quando ela e sua mãe voltarem da capital,vou vigiar essa menina.Vou espantar esses cabras que não tem o que fazer e ficam olhando as filhas dos outros.

Essa preocupação com a vida alheia é uma rotina no dia a dia de Dolores.Mas ela tem tempo pra isso,pois se preocupa tanto com a vida dos outros que esqueceu da sua.Vive sozinha,nunca namorou,talvez seja esse o motivo de tanto cuidado alheio :a procura de alguém que se interesse por ela.

Ao sair da mercearia  Dolores fala pra si mesma.

DOLORES:Quisera eu ter um olho comprido me seguindo.

NO SÍTIO DA TIA GLÓRIA

Os afazeres em um sítio são diversificados e cansativos. Glória e sua filha Lídia estão limpando o quintal.

LÍDIA:Sabe mamãe,as vezes fico lembrando de Raul e seus irmãos que vinham para cá pra gente brincar.Era muito divertido.

GLÓRIA:É minha filha,por isso que a gente tem que aproveitar cada momento da vida,pois o futuro é incerto.

LÍDIA:Desde aquele dia do acidente e morte da família de Raul,nunca mais vi ele.

GLÓRIA:Ele  é de opinião.

E assim elas conversam por um bom tempo lembrando do passado e sobre a atitude de Raul em ficar trancado por traz daquela porteira.Lídia ,carrega em seu peito um amor, que desde a infância toma conta de seu ser.Agora ,ela tentará resgatar Raul desse mundo de solidão, no qual o jovem se prendeu.

CONTINUA …