Além da porteira: Capítulo 11

Além da porteira: Capítulo 11

Continuação do capítulo anterior:

SÍTIO DA TIA GLÓRIA

O  acontecido na noite anterior no sítio de Raul, espalhou rapidamente, pois o tonel que seu Dorico levou, ficou caído pelo chão bem enfrente à porteira devido as ameaças do cachorro e todos que passavam podiam ver  que ali houve uma tentativa de queima. Sendo assim, não demorou muito para Glória ficar sabendo do atentado contra a porteira de Raul .

SEVERINO:Glória! Ôh  sua surda ,venha rápido.

GLÓRIA: Mas o que está acontecendo ,Severino?

SEVERINO: Tentaram queimar a porteira do sítio de Raul.

GLÓRIA:Mas não é possível!Será que vai começar tudo de novo?O  que aconteceu no passado não pode voltar a se repetir.Pobre Raul!Vou até lá pra saber o que aconteceu…Lídia !Adianta o almoço aí que eu tenho que sair.

LÍDIA: Onde mamãe está indo, tão apressada assim, papai?

SEVERINO: Lá no sítio de seu primo.Me parece que tentaram colocar fogo na porteira dele.

LÍDIA: Bem que eu gostaria de ter ido com ela,assim veria Raul.

SEVERINO: Toma linha menina,e vai fazer o que sua mãe mandou.

Glória, ao saber do ocorrido,foi às pressas até o sítio do sobrinho,pois ela teme uma nova tragédia.E o que ela puder fazer pra ajudar o rapaz ou até mesmo evitar o pior, ela o fará.

NO SÌTIO DE RAUL

Glória chega e vê os sinais do  acontecido e se apavora.

GLÓRIA: (sobe na porteira)Raul!Meu sobrinho,cadê você?Está bem?

RAUL: (descendo a escada da varanda)Agora tenho certeza de quem matou a minha família ,por causa desse sítio minha tia!

GLÓRIA: Como assim tem certeza?

RAUL: Quem matou minha família voltou a agir ,mas, agora ele terá o que procura.

GLÓRIA: Meu filho,venda esse sítio e vem morar comigo e Severino ou compre outra propriedade e vá viver em paz.Não encare uma briga,poderá lhe doer muito mais.Poderá lhe custar caro.

em quem doer,mas vender esse sítio que meu pai lutou para manter,jamais farei isso.E esse seu Dorico que se prepare,se ele quer guerra,ele vai ter guerra.

GLÓRIA:Você viu quem esteve aqui durante a noite.

RAUL: Sim,é o próprio senhor Dorico.Todas as minhas suspeitas se confirmaram nessa noite.Dorico Antunes ,preparou a morte da minha família,e agora ele quer me causar medo e assim me comprar o que deseja.Mas, isso,ele pode esquecer.Nem que eu tenha que morrer,mas não lhe venderei o sítio de meu pai.

Lídia que ficou preparando o almoço do pai,o fez e foi ter-se com a mãe e Raul.

LÍDIA: (correndo pela estrada)Raul!Desista de brigar e venha ficar comigo.Eu te amo Raul.

Raul ao ver e ouvir Lídia foi para dentro de sua casa e não falou com a moça.

LÍDIA: (segurando na porteira)Por favor Raul,fale comigo.EU TE AMOOOOOO!

GLÓRIA: O que está fazendo aqui menina?

LÍDIA: Mamãe ,eu amo o Raul.

GLÓRIA: Mas você já sabe, que ele não fala com mais ninguém,não adianta insistir minha filha.No coração dele não cabe mas nada ao não ser ódio.

LÍDIA: Adianta sim mamãe,eu ainda vou tirar Raul daí e levá-lo comigo.E plantarei o amor em seu  coração .

GLÓRIA: Não se iluda minha filha.Desista,Raul está dominado pelo desejo de vingança.É uma situação difícil.Vamos embora.

Tia Glória voltou para casa com o coração apertado de preocupação com o sobrinho,pois sabe do tamanho do desejo de vingar a morte de sua família.

NA  FAZENDA

Dorico está,como de costume em sua varanda que da assesso a sua casa.Está aparentemente nervoso,pois teme de ter sido reconhecido por Raul na tentativa de queima à porteira.

DORICO: (na varanda ,andando de um lado para outro)Droga dos diabos!Como foi dar errado.Se aquele moleque me reconheceu,agora que não me venderá aquela miséria de sítio,aí terei que partir para outras estratégias mais dolorosas.Agora tenho que descobrir quem tirou a gasolina e colocou água no lugar,dentro daquele tonel.

Dorico está disposto a qualquer coisa para ter o sítio de Raul, como sua propriedade.Agora irá falar com Renato sobre a água que estava no lugar da gasolina.

SÍTIO DE GLÓRIA

No caminho de volta para casa Lídia e Glória,falam sobre a situação de Raul.

LÍDIA: E agora mamãe?O que vamos fazer para ajudar Raul?

GLÓRIA: Não sei minha filha, não sei!Só sei que essa situação está se complicando cada vez mais e temo pelo o que pode acontecer ao meu sobrinho.

LÍDIA: Pobre Raul.Se no coração dele tivesse ao menos uma faisquinho do amor que eu sinto por ele talvez as coisas seriam diferentes.

GLÓRIA:Esse maldito Dorico,devia cuidar do que ele já tem e deixar meu sobrinho em paz.

E assim, as duas chegam em casa.

NA VILA

Como é de costume,todos os dias Dolores faz a ronda na vila pra saber as novidades.Dessa vez foi até a casa/pensão de Santa.

DOLORES:Bom dia Santa!

SANTA:Bom dia Dolores!

DOLORES:Cadê sua empregada.

SANTA: Era uma inresponsável.Dispensei ela ontem.

DOLORES: E agora como vai cuidar dessa pensão e do correio sozinha?

SANTA: Depois que Ceiçao e sua filha foram trabalhar na fazenda de seu Dorico,nunca mais arranjei uma empregada que ficasse no serviço por muito tempo.Agora estou esperando a dona Carmelita que ficou de vir hoje cuidar dos serviços da pensão,mas até agora nada.

DOLORES:Cuide de seus serviços que eu vou até a igreja ,ver como andam as coisas por lá.

SÍTIO DE RAUL

O jovem Raul está se roendo ainda mais de ódio do vizinho fazendeiro,pois juntando as investidas do fazendeiro sobre seu pai no passado para comprá-lhe o sítio e com o que viu na noite passada,agora não tem mais dúvidas de que foi ele o culpado da morte de sua família.Só lhe resta se preparar para as investidas do inimigo.

CONTINUA……………………..